Fechar
PUBLICIDADE

campanha

Na BA, Lula grava programa para adversário de petista

Lula não pediu votos para o candidato petista, o ex-prefeito Joseph Bandeira (PT), como seria de se esperar, mas para seu principal adversário, o atual prefeito Isaac Carvalho (PC do B)

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Na segunda-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apareceu pela primeira vez para pedir votos na propaganda eleitoral de Juazeiro, no extremo norte da Bahia, divisa com Pernambuco. Lula não pediu votos para o candidato petista, o ex-prefeito Joseph Bandeira (PT), como seria de se esperar, mas para seu principal adversário, o atual prefeito Isaac Carvalho (PC do B).

Bandeira lidera uma coligação de nove partidos, aparece em empate técnico com Carvalho nas pesquisas de intenções de votos realizadas na cidade, mas luta contra a própria legenda e desafia a Justiça Eleitoral para manter a candidatura.

No dia 11, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) indeferiu o registro da chapa majoritária da coligação e, no início da semana, o juiz Valécius Passos Beserra acolheu pedido da direção estadual do PT, tirando de Bandeira o direito de usar a estrela vermelha do partido e imagens de Lula na propaganda eleitoral.

Bandeira lançou a candidatura à revelia da direção estadual do PT, que optou por apoiar Carvalho - o vice da chapa do comunista é o petista Francisco de Assis. Por causa da desobediência, Bandeira foi suspenso por 60 dias, no início de agosto, da legenda. A ex-presidente da legenda na cidade, Lucimeire Pinheiro - candidata a vice na chapa -, também foi afastada.

De acordo com Bandeira, apesar das dificuldades, a candidatura não vai ser retirada. Ele recorreu da decisão do TRE ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), disse que a posição do PT baiano é "molecagem" e que entrou na disputa para combater "o pior prefeito da história" de Juazeiro. "Só não serei candidato se Deus ou o povo não quiser", afirma.

O presidente estadual do PT, Jonas Paulo, acusa Bandeira de "megalomania" e diz confiar que a candidatura dele será impugnada. "Um projeto coletivo não pode sucumbir à vaidade pessoal", diz.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais