PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Agricultura
  3. Agroenergia
  4. 40 anos depois do Proálcool, combustível de soja vai bombar no posto de gasolina
“Completa, chefe”

40 anos depois do Proálcool, combustível de soja vai bombar no posto de gasolina

Com novas regras sobre o diesel, é o biodiesel, feito principalmente a partir da oleaginosa, que deve ganhar cada vez mais espaço no mercado

Daniel Castellano/Gazeta do Povo Demanda anual de esmagamento da soja para a produção de biodiesel pode alcançar 18,5 milhões de toneladas em 2018 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Demanda anual de esmagamento da soja para a produção de biodiesel pode alcançar 18,5 milhões de toneladas em 2018

  • Flávio Bernardes

À medida que sobe a pressão sobre a emissão de gases do efeito estufa (GEE’s) e o preço do petróleo no mercado internacional vive picos de altos e baixos, os combustíveis renováveis surgem mais uma vez como a “menina dos olhos” do posto de gasolina – e do mercado agropecuário, mais de 40 anos após o boom do etanol na década de 1970, com o Programa Nacional do Álcool, o Proálcool.

Nos últimos dez anos, a destinação de óleo de soja para a fabricação de biodiesel – que respondeu por 70% do total no ano passado - cresceu expressivos 243%, chegando a 2,75 milhões de toneladas, de acordo com informações da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove). No mesmo período, a produção de soja em grão subiu 84% e a de óleo de soja 31,6%, totalizando 110,2 milhões de toneladas e 8,3 milhões de toneladas, respectivamente. E isso mesmo com as usinas operando com apenas metade da capacidade, conforme a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Potencial em aberto

A aposta mais recente do segmento é a mudança na fórmula do diesel, que, desde o começo de março, passou a ter pelo menos 10% de biodiesel em sua composição. É o chamado B10 do programa federal Renovabio, que foi antecipado em um ano pelo Ministério de Minas e Energia (MME). Até então, a mistura era de 8%.

O consultor da Terrafirma, Julio Favarin, explica que, no caso do óleo de soja, o aumento na última década é expressivo porque se deu sobre bases relativamente baixas. Mas a tendência, segundo ele, é de que tanto o B10 quanto a perspectiva de recuperação da economia – e, consequentemente, do setor automotivo – ajudem a alavancar a demanda por biodiesel.

André Valentim/ Agência Petrobras/Fotos Públicas

Produção de biodiesel fechou em 676,09 mil toneladas, um aumento de 31,2% no comparativo com o mesmo período de 2017

“As usinas têm capacidade suficiente, o problema hoje é mais uma perspectiva de demanda. Elas fizeram investimentos e estão aguardando o aumento, para que a capacidade seja usada”, afirma Favarin. “Essa antecipação de um ano gera um efeito de 1,3 milhão de metros cúbicos na demanda neste ano”, acrescenta.

Para a Abiove, a alteração deve elevar a demanda anual por óleo de soja a 3,7 milhões de toneladas na indústria brasileira de combustível, enquanto que o esmagamento da oleaginosa para a produção de biodiesel pode alcançar 18,5 milhões de toneladas em 2018, o que corresponde a 16% da safra brasileira e 4 milhões de toneladas a mais do que no ano anterior.

Demanda

A boa perspectiva para o setor já ficou clara no primeiro bimestre deste ano. Conforme informações da ANP, a produção de biodiesel fechou em 676,09 mil toneladas, um aumento de 31,2% no comparativo com o mesmo período de 2017. Para a Abiove, a demanda por biodiesel será de 5,5 milhões de toneladas, contra 4,3 milhões de toneladas em 2017.

Uma projeção da Terrafirma dá conta de que, até 2030, a produção de biodiesel tem potencial para atingir 7,5 milhões de toneladas.

“A tendência é ter uma parcela cada vez maior de combustíveis renováveis, é uma tendência mundial”, salienta Favarin. E o biodiesel, é o combustível do futuro? “Vai depender de mudança de tecnologia dos equipamentos. Os caminhões mais modernos já tem um padrão de emissão muito melhor, com o diesel S10, com menos enxofre. Não tenho dúvida que a substituição é uma tendência e isso é muito favorável para o campo. Temos cadeias agrícolas importantes que vão ser beneficiadas, como soja, a palma e a própria gordura animal, proveniente da atividade de proteína animal. Isso tende a se intensificar na medida em que a tecnologia seja capaz de suportar mistura cada vez maior”, projeta.

E o milho?

Seguindo o ciclo das commodities no Brasil, o milho deve ganhar mais importância na matriz enérgica brasileira daqui em diante, na esteira da soja. O movimento de valorização do cereal ocorre de forma mais evidente no Centro-Oeste do país, que concentra a produção, principalmente em Mato Grosso.

É lá que foi instalada a primeira usina dedicada exclusivamente à produção de etanol à base de milho, em agosto do ano passado, em Lucas do Rio Verde (MT). Cinco meses depois o grupo anunciou que iria a dobrar a produção em 2018, chegando a 500 milhões de litros, e apenas poucas semanas mais tarde, divulgou que construiria uma nova unidade, em Sorriso, também em Mato Grosso. A estimativa é de que o consumo do cereal nas duas indústrias chegue a 3 milhões de tonelada e a produção do combustível a 1,2 bilhão de litros.

Hoje, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA), a demanda por milho no estado é de 1,4 milhão de toneladas nas quatro usinas de etanol que trabalham com o grão. O gestor técnico do órgão, Paulo Ozaki, salienta que ainda existe um longo caminho a percorrer, mas a indústria do álcool, assim como a das carnes, é mais uma opção para que se agregue valor ao grão, cujos preços têm se depreciado com safras cada vez maiores.

“Isso tende a melhorar questões de comercialização, mas ainda temos um volume muito grande e a tendência é de ele cresça”, afirma Ozaki. “A exportação é um meio de escoar. À medida que o Mato Grosso se industrialize em termos de carnes e etanol, isso tende a melhorar algumas relações. Se não melhorarmos o consumo interno, dependeremos muito da exportação ainda.”

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA