PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Agricultura
  3. EUA colheram 119,5 milhões de toneladas de soja (maior volume da história)
Números finais

EUA colheram 119,5 milhões de toneladas de soja (maior volume da história)

Mesmo com correção nos valores finais, norte-americanos mantêm liderança mundial na produção da oleaginosa; milho surpreende com novo aumento de produtividade

Albari Rosa/Gazeta do Povo Segundo o USDA, os rendimentos médios das lavouras passaram de 3.330 kg/ha para 3.300 kg/ha. | Albari Rosa/Gazeta do Povo

Segundo o USDA, os rendimentos médios das lavouras passaram de 3.330 kg/ha para 3.300 kg/ha.

  • Flávio Bernardes

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou nesta sexta-feira (12) os números finais da colheita norte-americana na safra 2017/18, além do balanço de oferta e demanda mundial.

O novo relatório rebaixou a projeção para a soja nos EUA em quase 1 milhão de toneladas. Até novembro, a produção estimada era de 120,44 milhões de toneladas; agora, porém, foi reajustada para 119,52 milhões de toneladas devido à correção de produtividade. Segundo o órgão, os rendimentos médios das lavouras passaram de 3.330 kg/ha para 3.300 kg/ha.

Apesar do recuo, o número ainda corresponde à maior colheita da oleaginosa na história, 2,6 milhões de toneladas acima do recorde anterior (obtido na temporada 2016/17) e quase 4 milhões de toneladas a mais do que as previsões iniciais, de fevereiro de 2017.

Do ponto de vista da oferta e demanda, os norte-americanos fecham o ciclo com 12,79 milhões de toneladas de estoque (600 mil toneladas a mais que a projeção anterior), resultado das exportações desaquecidas. Os embarques fecharam em 58,79 milhões de toneladas; em novembro, a expectativa era de 60,56 milhões de toneladas.

No caso do milho, também houve reajuste de produção, porém positivo. Conforme o USDA, os produtores do país encerram a colheita com 370,96 milhões de toneladas, contra os 370,29 milhões de toneladas estimados em novembro. O ganho foi em produtividade, que subiu mais uma vez e chegou a 11.080 kg/ha, a maior da história (+0,64% no comparativo com novembro). O aumento de produção e a queda no consumo doméstico fizeram com que os estoques fechassem em 62,93 milhões de toneladas, 1 milhão de toneladas a mais que a previsão anterior.

América do Sul

Para o Brasil, a novidade é que o departamento norte-americano acompanhou a tendência de diversas consultorias e da própria Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), ampliando a estimativa de produção para 110 milhões de toneladas, 2 milhões de toneladas acima do previsto anteriormente. Quase todo o excedente, segundo os norte-americanos, será destinado às exportações (sobrando 500 mil toneladas a mais nos estoques finais, que devem encerrar o ciclo em 22,36 milhões de toneladas).

A colheita na Argentina também foi readequada em função da estiagem severa que o país sul-americano atravessa. Com isso, a projeção do USDA caiu de 57 milhões de toneladas para 56 milhões de toneladas.

No caso do milho, não houve alterações. Para o USDA, o Brasil irá fechar o ciclo com 95 milhões de toneladas produzidos e 34 milhões de toneladas exportados.

Palavra do especialista: Aldo Lobo, analista da Granopar

Tudo o que aconteceu nesta sexta-feira era amplamente esperado pelo mercado. Tanto o aumento de estoque na soja dos Estados Unidos quanto o aumento na safra do Brasil e a redução na safra da Argentina. No caso da soja na Argentina, esperava até que caísse mais. O USDA vem trabalhando com uma área muito grande, com 18,7 milhões de hectares, mas o próprio governo já fala em 16 milhões de hectares. Deve fechar em 17,5 milhões de hectares.

Sobre as exportações dos Estados Unidos, o que se comenta é que a soja deles está com problema de qualidade, com índice de proteína menor que a brasileira neste ano. Isso vinha permitindo ao Brasil “roubar” um pouco de mercado dos EUA. Agora temos que esperar. A safra brasileira vai atrasar um pouco e a da Argentina deve entrar em março. Do ponto de vista de mercado, os EUA ainda são os mais competitivos, com quase dez dólares a menos por tonelada.

Esse relatório foi bem morno, não teve surpresas como nos meses anteriores, até por isso o mercado quase não reagiu a ele.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA