expedição safra

Soja e milho podem entrar novamente nos tubos

Em entrevista à Gazeta do Povo, presidente da maior cooperativa da América Latina revelou que estratégia dos silo bags pode ser usada de novo para garantir o armazenamento da safra, que tem clima ‘perfeito’ no Mato Grosso do Sul

Albari Rosa/Gazeta do Povo  | Albari Rosa/Gazeta do Povo

Campo Mourão (PR) |

  • Giorgio Dal Molin e Gabriel Azevedo, enviados especiais

A repetição de um clima ‘perfeito’ para produção de grãos no Mato Grosso do Sul pode obrigar a maior cooperativa da América Latina a apostar, de novo, na estratégia de fazer milho e soja entrarem pelos tubos.

Após a safra recorde de 2016-17, a quantidade de grãos produzidos pelos cooperados da Coamo foi tanta que a cooperativa ampliou o estoque de armazenamento, investindo em silo bags, bolsas plásticas de tamanhos variados que permitem armazenar os grãos entre 6 meses e um ano. “Temos capacidade para 6 milhões de toneladas e recebemos mais de 7 milhões”, conta o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini.

Maior cooperativa da América Latina Ampliar

Ele recebeu a Gazeta do Povo no último sábado para uma entrevista exclusiva em sua casa, em Campo Mourão. Aroldo Galassini falou sobre o faturamento da cooperativa (que alcançou quase R$ 11,5 bilhões no ano passado) e perspectivas para o ciclo atual.

Assista à entrevista com o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini

Na safra passada, ao todo, foram estocadas cerca de 10 milhões de sacas de 60 quilos nos tubos de plástico. “Foram 50 hectares somente de silo bags. Ainda temos muito produto, tanto de soja quanto de milho estocado [nesse tipo de armazenagem], mas principalmente no Mato Grosso do Sul”, conta o presidente. A área equivale a 123 campos de futebol do padrão mínimo exigido pela FIFA (45 x 90m).

E a próxima safra?

Para a próxima safra, o presidente está otimista e espera uma média de grãos similar, mas um pouco inferior à safra 2016-17. “Talvez tenha que fazer silo bags no Mato Grosso do Sul, pois lá o ciclo está perfeito”, afirma Gallassini. Ele completa que estão sendo vendidos diariamente cerca de 15 mil toneladas de soja, trigo e milho pela Coamo.

Com esses resultados, a primeira parcela das chamadas ‘sobras’ destinadas aos cooperados (uma espécie de dividendos paga aos associados) atingiu mais de R$ 95 milhões. Como existe muito grão ainda estocado, novas sobras ainda serão distribuídas até fevereiro do ano que vem.

Assista à entrevista na íntegra com José Aroldo Gallassini:

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA