PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Bovinos
  4. Pecuária reinventa técnica da Idade Média para combater aquecimento global
Sustentável

Pecuária reinventa técnica da Idade Média para combater aquecimento global

Vinculada aos gases do efeito estufa, atividade busca na integração com florestas uma forma de reduzir o impacto no meio ambiente

Jonathan Campos/Gazeta do Povo Plantar árvores no mesmo lugar onde são criados os animais. O que se fazia na Idade Média foi aprimorado e, hoje, é conhecido como Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). | Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Plantar árvores no mesmo lugar onde são criados os animais. O que se fazia na Idade Média foi aprimorado e, hoje, é conhecido como Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).

  • Da Redação

Comumente associada à emissão de gases do efeito estufa (GEEs), a pecuária não precisa, necessariamente, ser a “vilã do aquecimento global”. E a receita é antiga. Bem antiga, na verdade, remontando a alguns conceitos da Idade Média: plantar árvores no mesmo lugar onde são criados os animais, sistema que foi aprimorado e, hoje, é conhecido como Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).

Segundo a Embrapa, a mecanização e a intensificação agrícola são algumas das razões que quase aposentaram esse modo de fazer agricultura ao longo dos séculos. Entretanto, a polêmica envolvendo o aumento das temperaturas do planeta e o impacto que a agropecuária teria sobre o meio ambiente, fez com que a o ILPF ganhasse corpo nas últimas décadas.

GEEs

O principal argumento que vincula a pecuária ao aquecimento global está relacionado ao gás metano, um dos principais GEEs e que é emitido pelo gado durante o ciclo de produção. Uma pesquisa divulgada pela Embrapa, todavia, questiona relação, utilizando a ILPF como exemplo. Com pastagem feita anualmente e capim na fase ideal para consumo, a emissão de metano, segundo o estudo, é menor. “Além disso, nesse tipo de sistema a captação de gases pelo solo poderá anular as emissões dos bovinos”, conta o autor, o analista da Embrapa Meio-Norte (PI), Marcílio Nilton Lopes da Frota. O trabalho tomou como base a região dos Cocais Maranhenses. “As propriedades que utilizam o sistema ILPF, em vez de emitir gases, os sequestra”, ressalta.

Além da adoção do ILPF, o estudo mostra que a alimentação do animal também influencia na quantidade de metano emitido. No período chuvoso, quando os rebanhos costumam ser alimentados com ração de boa qualidade, a emissão nos pastos é cerca de nove vezes menor do que no período seco, quando as pastagens são escassas e apresentam menos nutrientes. De acordo com os resultados obtidos, quanto menos fibroso e mais digestível for o alimento, menos metano será produzido. Assim, o ganho de peso é mais rápido, o tempo de abate é menor e o impacto ao meio ambiente reduzido.

O pesquisador cita os dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), em que o valor médio de emissão de metano para animais de corte jovens é de 56 kg por ano, isso para toda a América Latina. “As críticas à pecuária brasileira advêm do grande número de animais no rebanho (mais de 200 milhões) e dos baixos índices da pecuária extensiva, com tempo de abate superior a três anos e meio”, explica.

Segundo ele, contudo, o valor adotado pelo IPCC não é preciso, pois os animais não ficam isolados, mas inseridos em um sistema de produção. “Esses valores de emissão variam ao longo do ano e não podem ser estáticos e pré-definidos para todo o país”, salienta.

Frota defende, ainda, que a emissão deveria ser calculada com base na produtividade, ou seja, quantos quilos de carne são gerados por animal. Por mais que o gado bem alimentado acabe emitindo uma quantidade maior de metano, o desenvolvimento dele será mais rápido, assim como o tempo de abate, gerando menos GEE por quilo de carne produzido.

Conforto e comida de qualidade

O trabalho ressalta, também, que, assim como o capim de qualidade, o conforto proporcionado pelos sistemas silvipastoris também atuam reduzindo a emissão de GEEs. “O animal perdeu menos energia em forma de metano do que quando criado em pleno sol. Foi emitido, em determinadas épocas do ano, 20% menos metano do que os organismos internacionais estão apontando. Temos que buscar resultados próprios nacionais para discutir no Brasil e no exterior e, assim, evitar que divulguem informações negativas sobre a contribuição da pecuária brasileira para a emissão de metano”, esclarece.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA