PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Bovinos
  4. Se quiser atender demanda, Brasil terá que criar mais bois confinados
bovinos

Se quiser atender demanda, Brasil terá que criar mais bois confinados

Associação Nacional da Pecuária Intensiva apresenta tendência de crescimento do confinamento no Brasil

Arquivo/Gazeta do Povo Após queda em 2016, confinamento de bovinos em 2017 tem retomada de crescimento. Avanço deve seguir em 2018. | Arquivo/Gazeta do Povo

Após queda em 2016, confinamento de bovinos em 2017 tem retomada de crescimento. Avanço deve seguir em 2018.

  • Giorgio Dal Molin

Mesmo após um ano turbulento para o setor, os pecuaristas do Brasil avançaram em uma particularidade: o confinamento, utilizado na terminação para o abate. O volume de animais confinados cresceu 5,5%, segundo a Associação Nacional da Pecuária Intensiva - Assocon. Inicialmente, a expectativa era de 25%.

“O principal problema foi no mercado do boi gordo, que desvalorizou no primeiro semestre por conta de notícias relacionadas à Operação Carne Fraca, à instabilidade do mercado e pelo fraco consumo interno, impactando a demanda. Isso fez o pecuarista colocar o pé no freio”, explica o gerente executivo da Assocon, Bruno Andrade. Dezenas de países decretaram embargo à carne brasileira, sanções que foram sendo retiradas ao longo dos meses.

Gráfico: confira a evolução no número de bovinos confinados

De acordo com o levantamento da entidade, realizado com seus associados em 1,4 mil unidades de confinamento nos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Rondônia e Tocantins, o volume de bovinos confinados em 2017 atingiu 3,4 milhões de animais. No ano anterior, eram 3,2 milhões. Estima-se que o total nacional, incluindo dados de não associados, seja entre 4,5 e 5 milhões de animais confinados.

Bruno Andrade explica que, diferente de 2016, quando os custos de produção estavam elevados, 2017 apresentou melhores condições para a engorda animal: “Ainda que o primeiro semestre não tenha sido plenamente satisfatório ao pecuarista, a boa safra de grãos resultou em preços baixos para milho e soja, o que sempre é um indicador importante para segurar os custos”.

Nova meta: confinamento em 2018

Para o ano novo, a Assocon estima crescimento próximo a 12% no confinamento. “Esperamos a recuperação da economia e do consumo interno, além de maiores exportações. Quanto ao custo de produção, esperamos apenas um crescimento normal de preços”, diz Andrade.

A entidade destaca ainda o desafio de ser mais produtivo sem grande avanço no volume de pasto, uma vez que os produtores rurais também utilizam a agricultura e ao alto custo de novas terras, implicando na intensificação do confinamento.

“A produção de carne bovina no Brasil precisa crescer pelo menos 13% para suprir o aumento de 7% da demanda interna e 31% nas exportações até 2026. O nosso rebanho já está em processo de desaceleração do seu crescimento, e isso é um desafio. Significa que, cada vez mais, temos de aprender a produzir mais em menos área”, destaca Alberto Pessina, presidente do Conselho de Administração da Associação Nacional da Pecuária Intensiva - ASSOCON.

O rebanho brasileiro é de aproximadamente 220 milhões de animais. Nos últimos 12 meses, cerca de 30 mil bovinos foram abatidos no Brasil, conforme dados do IBGE. Isso significa que aproximadamente 17% dos bovinos abatidos foram terminados em confinamento.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA