PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Embrapa retira “jacarés amigos” de lagoa turística
risco

Embrapa retira “jacarés amigos” de lagoa turística

Os jacarés-de-papo-amarelo “amigos” eram mais uma atração natural, que passeavam livres pela orla, cruzavam as ruas do entorno da lagoa e ficavam bem próximos da população

Reprodução/Internet Nenhum ataque foi registrado antes da ação, mas a prefeitura não quis correr mais riscos. | Reprodução/Internet

Nenhum ataque foi registrado antes da ação, mas a prefeitura não quis correr mais riscos.

  • Folhapress

Uma criança ao lado da mãe é vista na internet segurando o rabo de um jacaré gigantesco. Outro homem dá pão ao animal e um terceiro faz uma foto puxando a cauda do réptil e também publica o encontro nas redes sociais.

A amizade perigosa entre os moradores de Três Lagoas (a 338 km de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul) e os jacarés que vivem livremente na Lagoa Maior, um ponto turístico da cidade, forçou a prefeitura a montar uma operação de emergência para inibir o convívio dos três-lagoenses com os bichos.

Além do espelho d’água, a lagoa é um espaço aberto à prática de esportes e lazer. Tem no seu entorno uma academia popular e uma pista de 2.600 m para caminhada. Sempre reúne muita gente aos finais de semana.

Os jacarés-de-papo-amarelo “amigos” eram mais uma atração natural, que passeavam livres pela orla, cruzavam as ruas do entorno da lagoa e ficavam bem próximos da população da cidade, de 115 mil habitantes.

Nem as placas que alertavam os moradores a manterem distância dos animais não surtiram efeito. E daí surgiu um temor: quem seria responsabilizado caso os bichos resolvessem “perder a amizade” e agir como um animal selvagem?

Nenhum ataque foi registrado antes da ação, mas a prefeitura não quis correr mais riscos, disse Celso Yamaguti, secretário de meio ambiente e agronegócio.

“A gente viu cada vez mais os pais colocando os filhos de forma irresponsável perto deles. Isso nos preocupou porque os jacarés ficavam estressados e podiam, claro, atacar”, disse Yamaguti.

Foram capturados os maiores jacarés, os mesmos que ficavam na mira da população. A operação terminou na última quinta (29) com a retirada de três exemplares -todos machos, um deles chegava a medir 2,44 metros e pesava 80 kg. A retirada foi coordenada por uma especialista da Embrapa (Empresa Brasileira Agropecuária) da unidade Pantanal.

Os animais foram levados para a Reserva Particular do Patrimônio Natural de Cisalpina, que fica na cidade de Brasilândia, também em Mato Grosso do Sul.

O novo lar dos jacarés-de-papo-amarelo é alagadiço e possui muita comida. Dois deles receberam chips e serão monitorados pela Embrapa. “Eles acabaram com os patos que viviam na lagoa”, afirmou o secretário.

CONTROLE

O problema, no entanto, não foi resolvido por completo. Cerca de 12 jacarés da mesma espécie seguem no local, segundo censo realizado pela própria prefeitura. Eles foram mantidos porque ainda são pequenos. “Sabemos que eles estão se reproduzindo e, agora, precisamos controlar essa população”, disse Yamaguti.

A prefeitura não sabe como os animais foram parar no local. A atual gestão municipal planeja firmar parcerias com órgãos ambientais para fazer sucessivas capturas antes de os animais atingirem porte adulto.

Também foi discutida a possibilidade de cercar a lagoa. “Mas os animais ficariam confinados, sem espaço. Não queremos um zoológico”, disse.

Agora, além dos répteis, a prefeitura terá que lidar com uma superpopulação de mamíferos que tomou conta da Lagoa Maior. Hoje, circulam pelo lugar 160 capivaras, entre adultos e filhotes.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA