PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Outros
  4. Dono da melhor seda do mundo, Paraná veste grifes internacionais
Negócio de luxo

Dono da melhor seda do mundo, Paraná veste grifes internacionais

Abalada pela crise mundial da última década, produção de seda volta a ganhar força no estado, com primeiro aumento de área para os bichos-da-seda em dez safras

Hedeson Alves O cultivo no Paraná, que atualmente soma 2,44 mil toneladas de casulos verdes, mas já foi de 9 mil toneladas, responde por 84% da produção nacional. | Hedeson Alves

O cultivo no Paraná, que atualmente soma 2,44 mil toneladas de casulos verdes, mas já foi de 9 mil toneladas, responde por 84% da produção nacional.

  • Flávio Bernardes

Já faz dez anos que a crise econômica mundial derrubou a confecção de seda no Paraná, o maior produtor do país, mas só agora é que a atividade começou a se reerguer, com mais produtores entrando no mercado.

Artigo de luxo, o produto do bicho-da-seda servia como fonte de renda a milhares de famílias no estado, que foram obrigadas a migrar para outras culturas em virtude da queda na demanda no final da última década, assim que as economias dos Estados Unidos e de países da União Europeia, clientes fiéis, começaram a entrar em colapso.

O fio de seda brasileiro é considerado o melhor do mundo – com 95% de fios de primeira, quase o dobro em relação à concorrência – e tem entrada, sobretudo, em nichos da alta costura. No período de recessão, não suportou a competição com a China, que ganha na quantidade. O resultado é que, de 14,8 mil hectares na temporada 2007/08, a área no Paraná dedicada à produção de amoreiras, cujas folhas são a principal fonte de alimento do bicho, veio caindo safra a safra, chegando a 3,7 mil hectares no ciclo 2014/15.

Agora, no entanto, a curva está mudando de sentido: de acordo com os últimos dados do Departamento de Economia Rural (Deral) da secretaria estadual de agricultura, a área de amoreiras enfim voltou a crescer, passando a 3,85 mil hectares, tendência que continua.

Recentemente, cerca de 50 famílias decidiram começar na sericicultura, que é o nome técnico da criação de bichos-da-seda. E mais gente está a caminho. A produtora rural Flávia Coral, de Engenheiro Beltrão, no Noroeste do estado, já tem todo o planejamento pronto para a instalação de um barracão para as larvas e a área para a plantação das amoreiras.

Bruno Covello

Bichos-da-seda se preparam para a formação dos casulos.

“Hoje nós trabalhamos com hortifrúti hidropônicos, soja e milho. Mas estamos no Vale da Seda e vimos nisso uma oportunidade perfeita”, conta Flávia, que desenvolveu o projeto junto com o namorado, João Paulo Dias. Os dois têm apenas 19 anos e a ideia é concluir tudo até metade de 2018. “Como o preço está bom, será ótimo para complementação de renda.”

Potencial de crescimento

O cultivo no Paraná, que atualmente soma 2,44 mil toneladas de casulos verdes, mas já foi de 9 mil toneladas, responde por 84% da produção nacional. Ele está concentrado nas regiões Norte e Noroeste, o chamado Vale da Seda. Ao todo, a atividade gera R$ 39 milhões por safra. Em fios de seda beneficiados, a produção brasileira gira em torno de 560 toneladas.

A seda brasileira perde em quantidade para gigantes do setor, como China e Índia, mas ganha em qualidade, abastecendo grifes internacionais na França, Itália, Suíça e Japão. Cerca de 90% da produção são enviados ao exterior e a meta é recuperar o tecido perdido.

No auge da crise, a única empresa que restou por aqui foi a Bratac, que fechou uma de suas unidades, mas continuou com as fábricas em Bastos (SP) e Londrina (PR).

Principal fornecedora da francesa Hermès, a companhia atua em todas as fases da cadeia produtiva, fornecendo as lagartas do bicho-da-seda aos produtores e comprando casulos produzidos para a fiação. Entretanto, ainda como consequência da crise internacional, a empresa tem operado com apenas 60% da capacidade.

“A nossa meta é atingir pelo menos 80%”, afirma o gerente de produção, José Oda. “Só não trabalhamos com um percentual maior porque precisamos de novos produtores, já que naturalmente há uma porcentagem que vai parando, alguns acabam vendendo a propriedade. Outro impedimento é que a mão de obra no campo está escassa.”

Confira imagens da produção de seda no Paraná Ampliar

A saída tem sido o investimento em tecnologia: a Bratac vem trabalhando com a modernização na colheita das amoreiras e nos barracões, com tratores ajudando a fazer o serviço de limpeza e levantamento dos canteiros, trabalhos que até então eram braçais; além do desenvolvimento de lagartas mais resistentes. Sensíveis que são, elas comumente só se alimentam de folhas frescas e livres de defensivos agrícolas, o que pode ser um problema, já que, nas principais regiões produtivas, é comum o cultivo de cana-de-açúcar, por exemplo.

“Estamos melhorando para aumentar a produtividade e renda, e incentivar permanência do produtor no campo”, salienda Oda. “Trabalhamos com um nicho de clientes, que prezam por qualidade. Assim conseguimos remunerar os produtores e manter fiel esse mercado elitizado.”

Desafios

Engenheira agrônoma do Deral e especialista em sericicultura, Gianna Cirio reforça, apesar dos avanços nos últimos anos, é preciso inovar ainda mais, para tornar a atividade mais eficiente. Atualmente, a média paranaense de produtividade do bicho-da-seda está em 622 kg/hectare por ano. O objetivo é alcançar 943 kg/hectare, o que, em termos de renda, representaria um retorno de um salário mínimo mensal, já cobrindo todos os custos de produção. Há produtores no Noroeste do estado, inclusive, que já chegaram a 1,4 mil kg/hectare.

“Produtores estão trabalhando com aclimatação dos barracões, como em granjas de frango, porque o frio interfere no sistema da lagarta. Além disso, há experiências em nutrição de plantas, diagnóstico foliar, adubação correta, irrigação, correção de acidez do solo. É a garantia de que a pessoa que entra na atividade vai ter renda”, explica Gianna. “E é possível chegar a esses níveis de produtividade. Nesse meio tem pessoas que produzem muito pouco e tem gente que produz muito bem. O uso de toda essa tecnologia, além de reduzir o esforço físico, leva a uma renda melhor. Estamos pensando numa produção mais técnica, não só de base.”

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

Assista agora

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA