PUBLICIDADE
Por menos de R$ 30 mil, o JAC J2  1.4 chega em outubro para brigar entre os populares |
Por menos de R$ 30 mil, o JAC J2 1.4 chega em outubro para brigar entre os populares
Mercado

Reflexo do IPI alto freia invasão chinesa

Mesmo mantendo os preços estáveis, marcas tiveram vendas reduzidas pela metade desde setembro de 2011

Reflexo do IPI alto freia invasão chinesa Ampliar

No último Salão do Auto­mó­vel de São Paulo, em outubro de 2010, as marcas chinesas atraíram os holofotes ao prometer chacoalhar o mercado brasileiro com carros recheados de itens de série a preços acessíveis. Os “completões” da JAC Motors e o Chery QQ, “o popular completo mais barato do Brasil”, puxavam a fila asiática naquela feira, que ainda contava com outras seis representantes: Effa Motors, Lifan, Haima, Brilliance, Cha­na e Hafei.

Em 2011, o desempenho das duas principais marcas chi­nesas no país mostrava um futuro promissor. Tanto a JAC quanto a Chery viram seus carros-chefes, o hatch J3 1.4 e o subcompacto QQ 1.1, registrarem pico de vendas próximo das duas mil unidades/mês. Até que veio o anúncio da majoração do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) em setembro no ano passado. A medida do governo elevaria em 30% a alíquota para os carros importados a partir de dezembro.

Foi um duro golpe para as pretensões chinesas. Mesmo não repassando a alta para o consumidor (os preços ficaram estáveis), as marcas tiveram um declínio nas vendas e até o momento esse cenário ainda não foi revertido, apesar de o IPI ter sofrido uma pequenaredução em maio.

O volume mensal negociado pela JAC caiu 43% em relação a 2011 – não considerando o sedã J5, lançado este ano. Já a retração na Chery é de 32% – não computado o S-18, que também estreou em 2012. “Tivemos um desempenho muito bom (até setembro de 2011). Chegou a faltar carro (devido à forte demanda)”, lembra Fábio Calligari, gerente de Operações da Hong Kong, concessionária Chery no Paraná.

Mas a tímida ação de mar­keting da marca, aliada ao impacto psicológico do IPI, colaborou para esfriar a procura pelos modelos Chery. “Teremos mais mídia a partir de agora”, garante Calligari, citando também o anúncio da futura fábrica em Jacareí (SP) como uma propaganda positiva para o fortalecimento da marca no país.

Subsídio

A JAC Motors, por sua vez, fez da publicidade agressiva sua principal arma para estrear com pompa no mercado brasileiro. Contratou o apresentador Faustão, da Rede Globo, como garoto-propaganda e abriu num só dia 50 concessionárias. Com a subida do IPI, e também do dólar nos últimos meses, parte deste investimento promocional teve de ser redirecionado para subsidiar os preços dos produtos e assim evitar possíveis reajustes. “A única gordura que tínhamos era a do marketing. Incorporamos esse investimento para subsidiar os valores dos carros”, explica Eduardo Pincigher, diretor de Comunicação da JAC. Tal medida fez com que a marca praticamente não tivesse mídia no último trimestre de 2011 e início deste ano. “Caímos no esquecimento”, aponta.

Se a JAC buscou no remanejamento da verba publicitária uma solução para ainda praticar preços competitivos, a Chery preferiu importar lotes maiores de veículos antes de a nova alíquota começar a vigorar – em 15 de dezembro. A marca ainda comercializa a linha 2011/12, do estoque do ano passado. Por isso, o QQ continua a ser tabelado em R$ 23.990, por exemplo. Segundo Calligari, com a alta da alíquota de importação, o preço real do modelo saltaria para R$ 32.990, e depois, com desoneração em maio deste ano, cairia para R$ 29.990.

Ele explica que a Chery está encontrando maneiras para não mexer muito nos preços quando a reserva de 2011 acabar. “A linha 2013 virá da China sem o atravessador (empresa importadora). Assim, os custos diminuirão. Além dis­so, vamos inaugurar a fábrica em Jacareí, o que fará a carga tributária reduzir”, salienta.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO