Blogs

Fechar
PUBLICIDADE

Arquibancada Virtual

Enviado por editoria de esportes, 29/03/17 3:57:45 PM

Se você digitar no Google as palavras Atlético e Paraná no mesmo campo de busca irá se surpreender com o resultado.

De acordo com o Wikipédia, principal definidor de verbetes da web, o duelo entre os rivais curitibanos tem nome: “Parático” ou “Paratico” (aparecem as duas formas de pronúncia no texto).

A última atualização da página, que pode ser editada por qualquer pessoa, mediante registro do IP do computador, foi em janeiro deste ano. Além do batismo exótico, há informações relevantes, como números do confronto.

“O Parático é o clássico do futebol paranaense entre o Paraná Clube e o Clube Atlético Paranaense”, traz a definição do jogo da enciclopédia virtual.

A explicação do nome abreviado do duelo, assim como ocorre no Atletiba, é ainda mais bizarra.

“A maioria dos clássicos tem um nome, e não foi diferente entre Paraná Clube e Atlético Paranaense. Na época, sites estatísticos citavam o confronto como Paratlético, e até hoje várias pessoas citam esse nome como “slogan” do clássico. Outros nomes surgiram com o passar do tempo como o Derby das Rebouças e o Parático“, explica, citando ainda mais dois termos desconhecidos do grande público.

Curiosamente, não existe um termo consagrado para o confronto entre atleticanos e paranistas. As criações nascem normalmente nas narrações esportivas ou redações de jornal, em busca de uma definição que tenha menos caracteres para as manchetes.

Enviado por editoria de esportes, 29/03/17 2:42:32 PM

O tratamento médico de um bebê, com apenas um ano e nove meses, uniu jogadores de Atlético, Coritiba e Paraná.

A campanha “Juntos pelo Arthur“, que mobiliza as redes sociais, contou com o apoio dos goleiros Santos, Wilson e o atacante Renatinho. Eles visitaram a família do garoto e endossaram o apelo pela ajuda financeira.

Com atrofia muscular espinhal, uma doença degenerativa e sem cura, Arthur tem em Roma, na Itália, a esperança de um tratamento que pode melhorar sua condição clínica.

O tratamento custa R$ 1 milhão. Os pais Robson e Rafaela Lader ainda precisam arrecadar R$ 270 mil até 15 de abril para financiar os custos.

Veja vídeo divulgado pelo Coritiba nas redes sociais e saiba como ajudar também.

 

Enviado por editoria de esportes, 29/03/17 1:49:00 PM

TOPSHOT-FBL-POR-AIRPORT-RONALDO
A piada do dia na internet: o busto feito de Cristiano Ronaldo para batizar o aeroporto da Ilha da Madeira (terra natal do craque) com o nome do jogador.

A homenagem de dar o nome do local para o jogador em si já tinha sido motivo de chacota e polêmica entre os portugueses.FBL-POR-AIRPORT-RONALDO

Muitos achavam que a biografia do atleta ainda não está completa para tal menção. Outros diziam que é muito pouco ser boleiro para ceder o nome a um aeroporto de uma das ilhas mais belas do mundo.

Mas nesta quarta-feira (29) o Aeroporto Internacional da Madeira passou a ser associado ao CR7, numa cerimônia que contou com a presença do presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa.

Durante o evento foi descerrada uma placa, com a nova designação do aeroporto, e um busto, da autoria de um escultor da região. A estátua roubou a cena: com uma imagem bem caricata do astro luso.

A estranheza começou na própria imprensa internacional e entrou nos assuntos mais comentados do Twitter.

“Cristiano Ronaldo tem um aeroporto batizado em sua honra… e um busto duvidoso”, refere o jornal The Guardian. “Cristiano Ronaldo face a face com estátua questionável”, brinca o Daily Mail.

No Twitter, teve quem sugeriu que a obra foi de Lionel Messi.

Confira

Some of the all-time great Cristiano Ronaldo moments #cr7 #cristianoronaldo #realmadrid #halamadrid

Uma publicação compartilhada por Bleacher Report Football (@brfootball) em

Me ajudem…:-) #CristianoRonaldo #CR7 #MeajudaAi

Uma publicação compartilhada por Virô Piada (@viropiada) em

 


Enviado por esportes, 28/03/17 9:58:05 PM
Reprodução Instagram

Reprodução Instagram

O torcedor do Coritiba André Negrello decidiu fazer uma homenagem definitiva ao goleiro Wilson. Camisa 1 amador, Negrello tatuou uma imagem do arqueiro coxa-branca no braço direito, trabalho feito na última sexta-feira (24) em um estúdio de Curitiba.

“Sou fã dele e coxa-branca. Também sou da posição e sempre tive o Wilson como referência. Além disso, o Wilson tem muita identificação com a torcida do Coritiba”, comenta Negrello, 29 anos, vendedor.

A imagem eternizada no próprio corpo é da comemoração da segunda defesa de Wilson na decisão por pênaltis com o Belgrano, no ano passado, quando o Alviverde se classificou para as quartas de final da Sul-Americana. “É um grande momento”, diz Negrello.

No jogo de ida, o Coxa perdeu por 2 a 1, no Couto Pereira. Na volta, fez 2 a 1 e venceu nos pênaltis (4 a 3) no Estádio Mario Kempes, em Córdoba, na Argentina. Wilson ainda converteu a sua cobrança na decisão por penalidades.

Por se tratar de uma homenagem definitiva, houve quem criticasse. “Algumas pessoas acharam loucura e minha esposa torceu o nariz. Mas fiquei feliz com o resultado”, afirma o torcedor do Coxa.

O torcedor coritibano postou o desenho no Instagram e recebeu um agradecimento do ídolo na rede social. “Caaara, vc fez mesmo rsrs. Ficou mto legal, só tenho a agradecer pela admiração pelo meu trabalho e por essa grande homenagem, mto obrigado mesmo”, postou Wilson.

Negrello já encontrou com Wilson numa oportunidade antes de fazer a tatuagem. E, claro, gostaria de mostrar o desenho ao vivo para o ídolo. “Seria muito legal, sem dúvida alguma. Quem sabe acontece?”.

Participante de um programa chamado Goleiro de Aluguel, que agencia arqueiros amadores para disputas de pelada, Negrello também admira o desempenho de Weverton, do Atlético. “Rivalidade fica de lado, goleiro é uma ‘raça’ unida”.

Veja como ficou a homenagem:

Antes, Negrello postou o início do trabalho do tatuador:  

Não é só futebol… ☝⚽ #wilson #w1 #coritiba #coxadoido #instacoritiba #seguecoritiba #goleiro #vidadegoleiro

Uma publicação compartilhada por André Negrello (@andrenegrello01) em

Enviado por editoria de esportes, 28/03/17 2:58:26 PM

 

Embora distantes nas ambições e estrutura financeira, Atlético e Paraná potencializam sua rivalidade com declarações polêmicas, gafes e provocações. O duelo desta quarta-feira (29), às 21h45, na Vila Capanema até agora foge à regra, com discursos bem comportados. Mas lembre algumas das últimas frases que mexeram com o ambiente do derby.

 

Salário em dia

Em março de 2014, o meia Zezinho não se conteve após a vitória do Atlético por 2 a 0 sobre o Paraná, na Vila Capanema, que valeu vaga nas semifinais do Paranaense, e fez questão de alfinetar o adversário – hoje seu empregador. “Somos o único time grande. Eles são o terceiro time da cidade e a gente recebe salário, por isso estamos motivados”, declarou o jogador, que agora administra o constrangimento de ter falado algo que ofendeu a sua atual torcida.

Barça das Araucárias

No ano passado, então diretor de futebol do Paraná, Durval de Lara Ribeiro, o Vavá, disparou contra o Atlético após a eliminação nos pênaltis [4×2], com vitória por 1 a 0 do Tricolor na semifinal do regional, na Vila Capanema. “Jogamos com um time que se julga o Barcelona das Araucárias e chegamos. Jogamos contra um time que gasta R$ 3 milhões por mês contra uma folha de R$ 300 mil. Eles tinham a obrigação de jogar e não jogaram. Pode ter certeza que o Paraná foi muito superior ao Atlético”.

Século 20

Mario Celso Petraglia, presidente do Conselho Deliberativo do Atlético, não pode ficar de fora. Ele cutucou o rival no ano passado, após frustrante negociação para alugar a Vila Capanema. “O PC (Paraná Clube) continua no século 20, com pruridos! A diretoria não aprovou alugar o estádio para o CAP! Eles não precisam de caixa! (rrss)”, escreveu o dirigente do Furacão no Twitter, respondendo o comentário de um de seus seguidores em tom de desdém.

Desculpas

Petraglia chegou a se retratar publicamente de uma declaração dada no programa de entrevistas Bola da Vez, exibido pela ESPN Brasil em 2013, na qual se referiu ao rival como “falido”. Em vídeo veiculado no site da emissora, o dirigente disse que a intenção não foi ofender e que poderia ter evitado a situação. Mas reafirmou a opinião de que em Curitiba não há espaço para três clubes grandes, como defendia na ocasião. “Eu quis simplesmente materializar meu argumento de que não cabem três clubes de primeira grandeza na cidade. Como o Paraná não faz parte do Clube dos 13 e não recebe valores das cotas de televisão que nós [Atlético] e o Coritiba recebemos, ele fica sem receita, fica desigual, e com isso paga, está pagando esse desnível a custo de tentativas de fazer grandes times e voltar à Primeira Divisão. Realmente tem sofrido bastante”, explicou.

Fim da rua

O atacante Giancarlo, em 2014, pediu música no Fantástico por três gols marcados no Furacão. Mas ficou famoso mesmo pela frase. “Fazer um gol é bom, dois é melhor ainda, mas fazer três no ‘time do fim da rua’ não tem preço”, disse o goleador. A expressão ‘time do fim da rua’ já havia sido dita pelo ex-presidente José Carlos de Miranda e faz referência à proximidade dos dois clubes, ambos na Rua Engenheiros Rebouças.

Enviado por editoria de esportes, 28/03/17 10:39:40 AM

Montagem feita no Twitter para lançar a candidatura fake de Tite.

 

O Instituto Paraná Pesquisas mediu a popularidade do técnico Tite ao perguntar a 2.260 brasileiros maiores de 16 anos se “votariam em Tite para presidente do Brasil em 2018?”. A brincadeira tomou conta das redes sociais após a vitória da seleção por 4 a 1 contra o Uruguai, com a #titepresidente.

O resultado foi surpreendente, com quase 15% declarando desejo de votar no comandante da seleção brasileira (veja abaixo)

Sim – 14,8%

Não – 80%

Não sei – 5,2%

A mais recente pesquisa do mesmo instituto sobre intenção de voto para presidente mostra Lula  na liderança, com 22,6%, seguido de Aécio Neves (12,9%) e Marina Silva (12,6%). Diante desse cenário, apesar das metodologias diferentes, Tite iria para o segundo turno com o petista.

A pesquisa foi feita pela internet, entre os dias 24 e 27 de março, e a amostra “atinge um grau de confiança de 95%, para uma margem de erro de 2%”.

A seleção brasileira, que enfrenta o Paraguai em São Paulo, pode se classificar esta noite para a Copa-2018.

 

 

Enviado por editoria de esportes, 28/03/17 9:31:13 AM
FBL-WC-2018-BRA-TRAINING
A seleção brasileira pode se classificar nesta terça-feira (28), com quatro rodadas de antecedência, para a Copa-2018, na Rússia. Fora o país-sede, que é convidado pela Fifa, nenhuma outra equipe garantiu vaga no Mundial ainda. Para isso, basta a combinação de três resultados;
1) Brasil vencer o Paraguai, às 21h45, em São Paulo
2) Equador perder para a Colômbia, no Equador
3) Chile perder para a Venezuela, no Chile
O Brasil entrará em campo sabendo se a classificação na rodada será possível. O jogo do Equador contra a Colômbia acontecerá às 18h (de Brasília), e o Chile enfrenta a Venezuela às 19h (de Brasília).
É bom ressaltar: embora não matematicamente, pelo histórico das Eliminatórias, a pontuação brasileira já é suficiente para garantir classificação.
Enviado por editoria de esportes, 27/03/17 2:32:07 PM

Saiba quanto a Caixa paga por clube para patrocínio na camisa em 2017. Os contratos foram publicados no Diário Oficial da União ao longo das negociações entre dirigentes e o banco. Além de uma cota fixa (conforme mostra o gráfico), a estatal ainda estabelece um bônus para títulos, incluindo alguns torneios regionais (exceto a Primeira Liga). A estatal congelou o valor pelo terceiro ano seguido, mas desde 2014 segue como o maior patrocinador do futebol brasileiro. No gráfico abaixo, os valores fixos dos clubes em 2017 e quanto cada um pode ganhar. A lista deve aumentar, pois várias agremiações já divulgaram estar em negociação.

 

Enviado por editoria de esportes, 27/03/17 12:22:49 PM

Você aprova a liberação de cerveja nos estádios?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...

lei nº 50/2017, de autoria de diversos deputados, que libera a venda de cerveja e chope nos estádios e praças esportivas do Paraná, teve nesta segunda-feira (27) uma audiência pública para debater o tema. A proposta foi aprovada pela Comissão de Esportes e segue sua tramitação em regime de urgência na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

O projeto de lei foi protocolado no dia 20 de fevereiro e já recebeu pareceres favoráveis das Comissões de Constituição e Justiça; de Indústria, Comércio, Emprego e Renda; além da Comissão de Esportes. Atualmente aguarda parecer da Comissão de Defesa do Consumidor.

Atlético e Coritiba, através dos seus presidentes Luiz Sallim Emed e Rogério Bacellar, respectivamente, fizeram defesas enfáticas pela liberação da bebida alcoolica – contrariando o pedido do representante do Ministério Público, que alega 70% na redução de brigas nas arenas desde 2008, quando houve a proibição.

O Paraná não teve representantes no debate.

Sallim abriu a defesa, tentando desmitificar a relação entre embriaguez e violência. (veja o vídeo abaixo)

“Não há lei federal que proíba a venda da cerveja. Poderia encerrar por aqui. Mas seria deselegante da minha parte não apresentar evidência para não ter restrições. Não existe evidência entre relação direta entre álcool e violência. A violência está no indivíduo, nos grupos, na cultura da sociedade. A sociedade está violenta. Nós precisamos da mudança do comportamento coletivo. Precisamos culpar e excluir os indivíduos violentos. Tornar o ambiente familiar de entretenimento, de paz. Não podemos deixar que o mal vença. Não podemos demonstrar a falência do estado”, abriu.

Bacellar fez um apelo mais econômico, com crítica até à imprensa. (veja o vídeo abaixo)

“O Coritiba acha que a paz nos estádios não depende da bebida alcoólica ou não. O primeiro ato para acabar com a violência foi nos aproximar do Atlético, com o intuito de ter paz nos estádios.Concordo plenamente com o Sallim, pois a violência não está na bebida, mas dentro das pessoas. Vários espetáculos do mundo todo a bebida corre solta e não tem violência alguma. O Coritiba acha que o futebol do Paraná vai ter um novo patamar de patrocínios com a liberação de bebida. Em alguns setores dos estádios, marcas podem trazer patrocínio significativo, não só ao Coritiba, mas também aos clubes do interior. Temos de valorizar o futebol. O futebol do Paraná está muito desprestigiado. Vários setores não ajudam, inclusive a imprensa paranaense. Que ao invés de ajudar e prestigiar, critica”, destacou, citando brigas com a Primeira Liga e por receitas da TV no Campeonato Paranaense.

O procurador Ciro Expedito Scheraiber alegou que o artigo 13 da Lei 10.671/03, o Estatuto do Torcedor, determina que é proibido o porte de objetos, bebidas ou substâncias proibidas ou suscetíveis de gerar ou possibilitar a prática de atos de violência. “Portanto, é inconstitucional o projeto. Então, por certo, se a lei for aprovada, o Ministério Público, por obrigação legal, vai entrar como Ação Direta de Inconstitucionalidade”, ameaçou.

O representante da Associação Médica do Paraná, José Jacyr Leal Júnior, também criticou a iniciativa do legislativo. “Que o álcool muda o comportamento do indivíduo, isso é comprovado cientificamente. Mas o principal ponto da nossa posição contrária à liberação da cerveja é em relação ao posicionamento de mostrar que há regras que precisam ser respeitadas. Quando uma lei diz que não se pode vender e consumir bebidas alcoólicas em estádio, isso tem uma força muito grande no subjetivo das pessoas. Não podemos mais viver numa sociedade irresponsável”.

O próximo passo, depois de ser analisada pela Comissão de Defesa do Consumidor, deverá ser a discussão da proposta em Plenário para aprovação ou não do tema.

Enviado por editoria de esportes, 27/03/17 11:13:18 AM

Torcida do Coxa comparece em peso no Couto - Curitiba 16/10/2016

Nenhuma outra equipe no país levou mais sócios ao estádio em 2016 do que o Coritiba.

Levantamento anual feito pelo Itaú BBA, o banco de investimentos do grupo Itaú, traz o impacto e participação dos sócios-torcedores na bilheteria de cada equipe, tanto em presença no estádio, quanto renda.

Uma equipe de profissionais da empresa analisou os borderôs de cada clube, com 19 mandos de campo cada. No Coritiba, por exemplo, 80% do público presente em 2016 veio de fãs fiéis, com carteirinha. É o recordista de participação.

Apenas outras quatro equipes tiveram mais de 70% de seus públicos provenientes de programas de sócios, entre eles o Atlético.

O Corinthians aparece logo atrás do time paranaense, com 79% da presença que registrou no estádio. Em seguida, vêm Cruzeiro (76%) e Internacional (75%). O Furacão surge com 72% eram sócios-torcedores, com apenas 28% “avulsos”.

Veja o gráfico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Páginas12345... 227»
Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
Buscar no blog
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais