*

Enkontra.com

Jantar de Gilmar Mendes com citados na Lava Jato é a escória da política

Foto: Nelson Jr./STF
Foto: Nelson Jr./STF

Foto: Nelson Jr./STF

Foto: Nelson Jr./STF

É comum dizer que pessoas públicas devem manter a liturgia do cargo. Também se diz que detentores de cargos públicos devem manter um rito enquanto estiverem nessa função.

Independentemente dos termos – liturgia ou rito – a realidade é que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, deixa a impressão em alguns de seus atos que pouco ou nada tem se importado com isso.

O caso mais recente é o jantar que Mendes ofereceu em sua residência, no setor de mansões isoladas em Brasília, o qual participaram vários políticos citados no pedido que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao STF para investigação.

Além do presidente Michel Temer (PMDB), estavam entre os presentes o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG), todos envolvidos com a Lava Jato.

Gilmar Mendes, pelos cargos que ocupa no STF e no TSE, em muitas situações tem o dever de se encontrar com esses personagens políticos, muitos dos quais com cargos no Executivo e no Legislativo. Mas, neste caso, deve ser em reuniões oficiais, atividades de Estado, com total transparência de suas finalidades. Reunião com qualquer pessoa, em um estado democrático, é livre, mas essa liberdade requer uma maior observação à ética.

Jantar com acusados de corrupção, organizado para homenagear aniversário de político citado pela Procuradoria-Geral da República na Lava Jato (José Serra), não passa de um evento para conchavos políticos. Assim como existe a escória da sociedade, esse tipo de encontro pode ser traduzido como a escória da política.

A afirmação de que o jantar serviu para costurar um acordo em torno de uma reforma política não justifica. Se Mendes quer de fato debater a reforma política, o TSE, presidido por ele, pode promover um congresso, conferência ou simpósio (seja lá o termo que usar) em que representantes de todos os segmentos da sociedade brasileira possam participar e opinar. Isso de forma transparente, aberta, plural.

 
 
mais conteúdo após a publicidade