Assinaturas Classificados

Seções
Anteriores
Quem faz o blog
Publicidade

CWB Live

Quem faz o blog
Seções
Agenda
Conheça
Posts
Enviado por admin, 02/05/13 8:02:00 PM

O novo site do Cwb Live já está no ar. Acesse o www.cwblive.com para continuar informado sobre o que acontece no mundo musical, com entrevistas e coberturas de shows.

Enviado por admin, 16/04/13 5:26:00 PM

Aos leitores do Cwb Live

A parceria com o jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, foi encerrada na última sexta-feira. Nesse mês eu completei um ano de hospedagem do blog na Gazeta. Esse convívio foi excelente, para ambas as partes.

O Cwb Live, agora, se tornará um site oferecendo o mesmo conteúdo e dedicação de sempre, coberturas de shows, matérias com artistas e vídeos. Provavelmente na próxima sexta-feira o site Cwb Live fará a sua estreia no www.cwblive.com.

Peço que todos vocês que acompanharam o Cwb Live aqui na Gazeta durante esse ano, permaneçam lendo e compartilhando as matérias, agora no novo site. Vocês, leitores, são o motivo para o Cwb Live continuar existindo e se aprimorando. Obrigado à todos que confiam e apreciam o meu trabalho.

Agradeço imensamente ao jornal Gazeta do Povo e ao grupo GRPCom pela confiança no meu trabalho.

Enviado por admin, 15/04/13 1:06:00 PM

Aos leitores do Cwb Live

A parceria com o jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, foi encerrada na última sexta-feira. Nesse mês eu completei um ano de hospedagem do blog na Gazeta. Esse convívio foi excelente, para ambas as partes.

O Cwb Live, agora, se tornará um site oferecendo o mesmo conteúdo e dedicação de sempre, coberturas de shows, matérias com artistas e vídeos. Provavelmente na próxima sexta-feira o site Cwb Live fará a sua estreia no www.cwblive.com.

Peço que todos vocês que acompanharam o Cwb Live aqui na Gazeta durante esse ano, permaneçam lendo e compartilhando as matérias, agora no novo site. Vocês, leitores, são o motivo para o Cwb Live continuar existindo e se aprimorando. Obrigado à todos que confiam e apreciam o meu trabalho.

Agradeço imensamente ao jornal Gazeta do Povo e ao grupo GRPCom pela confiança no meu trabalho.

Enviado por admin, 13/04/13 2:18:00 PM

Aos leitores do Cwb Live

A parceria com o jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, foi encerrada ontem. Nesse mês eu completei um ano de hospedagem do blog na Gazeta. Esse convívio foi excelente, para ambas as partes.

O Cwb Live, agora, se tornará um site oferecendo o mesmo conteúdo e dedicação de sempre, coberturas de shows, matérias com artistas e vídeos. Provavelmente na próxima sexta-feira o site Cwb Live fará a sua estreia no www.cwblive.com.

Peço que todos vocês que acompanharam o Cwb Live aqui na Gazeta durante esse ano, permaneçam lendo e compartilhando as matérias, agora no novo site. Vocês, leitores, são o motivo para o Cwb Live continuar existindo e se aprimorando. Obrigado à todos que confiam e apreciam o meu trabalho.

Agradeço imensamente ao jornal Gazeta do Povo e ao grupo GRPCom pela confiança no meu trabalho.

Enviado por admin, 05/04/13 11:35:00 AM
Divulgação
Accept, um dos grandes nomes do metal

A banda alemã Accept, um dos grandes nomes da história do heavy metal, se apresenta hoje na Nova Sociedade Abranches, em Curitiba. O grupo, que desembarca pela primeira vez na capital paranaense, ainda fará shows em São Paulo e Porto Alegre.

A “South America Tour 2013” brindará os fãs com grandes clássicos do grupo, como “Fast as a shark” e “Balls to the wall”. A formação atual do Accept tem Mark Tormillo no vocal, os guitarristas Wolf Haffmann e Herman Frank, Peter Baltes no baixo e Stefan Schwarzmann na bateria.

A abertura será da Banda 91 Rock. Os ingressos custam R$ 90 e podem ser adquiridos nos quiosques do Disk Ingressos dos shoppings Mueller, Estação e Palladiun, nas lojas Let’s Rock e Dr. Rock e também pela internet neste link.

O show está previsto para começar às 22h. A Nova Sociedade Abranches fica na Rua Mateus Leme, 5932.

Confira “Teutonic Terror”, do álbum “Blood of the nations” lançado em 2010.

Enviado por admin, 04/04/13 10:19:00 AM
Divulgaçao

Começa hoje às 10h a venda de ingressos para o Rock in Rio. A quinta edição do evento acontece no Rio de Janeiro entre os dias 13 e 22 de setembro.

140 mil ingressos foram comercializados na pré venda. Nessa nova fase, são 455 mil bilhetes à disposição do público. O festival acontece desde 1985 e já trouxe grandes nomes da música mundial para o Brasil como Queen, AC/DC e Whitesnake.

Na última edição, que aconteceu em 2011, os ingressos se esgotaram em 72 horas. Entre as atrações deste ano estão Iron Maiden, Metallica, Ghost e Slayer.

Você pode adquirir o seu bilhete nesse link.

Enviado por admin, 03/04/13 4:29:00 PM
Divulgação/Black Sabbath
Ozzy Osbourne, Geezer Butler e Tony Iommi, disco novo e turnê pelo Brasil

A produtora Time For Fun acaba de confirmar que o Black Sabbath fará uma mini turnê pelo Brasil, ainda neste neste ano, passando por Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. O Megadeth fará a abertura dos três shows. As datas ainda não foram foram anunciadas.

A banda se reuniu novamente, depois da morte do vocalista Ronnie James Dio, com a sua formação “quase” original: Ozzy Osbourne no vocal, Tony Iommi na guitarra e Geezer Butler no baixo. O baterista Bill Ward, depois de muita discussão e controvérsia, ficou de fora dessa nova fase do grupo.

O Sabbath está gravando um novo álbum, chamado “13″, com lançamento previsto para o dia 11 de junho. Será o primeiro trabalho dessa formação da banda desde 1978.

Confira uma prévia do próximo álbum do Black Sabbath.

Enviado por admin, 30/03/13 9:37:00 AM
Hugo Prata
Lenine, a MPB olhando para o futuro

Lenine é um daqueles talentos que só a música brasileira consegue produzir. Enraizado nos ritmos nacionais, o músico incorpora com maestria toda e qualquer influência que enriqueça o seu trabalho. No último dia 11 de março o Canal Bis exibiu o vídeo-documentário “Lenine – isto é só o começo” que retrata, com depoimentos de grandes nomes da MPB como Marcos Suzano, Lula Queiroga, Paulinho Moska e Pedro Luís, os 30 anos de carreira do artista.

Isto é só o começo

O convite para fazer o vídeo veio do produtor Bruno Levinson, do Canal Bis. “Fui vencido pela conspiração das datas. Não são apenas 30 anos de “Baque Solto”, meu disco de estreia ao lado de Lula Queiroga, em 1983, mas também os 20 anos do “Olho de Peixe”, parceria com Marcos Suzano, em 1993. Além disso, são 15 anos, completados no ano passado, de “O dia em que faremos contato”. São indícios de que 2013 seria, realmente, um ano para comemorações”, afirma Lenine.

Um dos pontos centrais do documentário, e da carreira do músico, é a mudança do Recife, sua terra natal, para o Rio de Janeiro, quando ele tinha apenas 20 anos. “Aconteceu por minha necessidade de aprofundar o que fazia e de estar perto da produção feita no país. Naquele momento existiam duas opções: Rio ou São Paulo. Minha ligação com o mar me trouxe para o Rio”, conta.

Álbuns e estilo de tocar

Ao falar da sua discografia, Lenine comenta com ênfase a trilogia “O dia em que faremos contato” de 1997, “Na pressão” de 1999 e “Falange Canibal” lançado em 2001. A importância dos três discos em sua carreira é vital. “Eu falo de trilogia porque na verdade, para mim, apesar de o primeiro ter sido produzido com o Chico Neves e os dois seguintes com o Tom Capone, eles dialogam entre si pelo tipo de relevo, sonoridades e misturas”, explica.

Lenine tem um estilo muito particular de tocar violão usando muito as notas mais graves do instrumento, de forma bastante percussiva. Segundo ele, essa forma de execução surgiu naturalmente. “Comecei a fazer um violão meio sujo que tem a ver com percussão de violão. O violão veio para suprir a minha carência e ausência dos outros instrumentos no momento da composição. Vivo impregnado de ritmo em tudo o que eu faço. Não tem regra. Cada canção tem uma história e não tem uma única mecânica”, diz.

A arte de criar

O processo de composição é uma coisa muito íntima de cada músico. Existem muitas formas de transpor uma ideia em melodias e textos. Lenine, além dos ritmos brasileiros, absorve várias influências. “Eu costumo dizer que, para compor, você precisa se impor um estado de alerta. Orelhada de morcego, tudo pode ser subsídio. É uma questão de atenção, de foco. É difícil por em palavras, mas você se impõe isso e estão intimamente ligados o trabalho e o prazer”, revela.

Alguns artistas consideram que escrever canções é quase um ato mediúnico onde o compositor é apenas um receptor da mensagem. “Existem canções que não precisam de nada, já nascem prontas e você foi só uma antena para isso. Retrato isso em uma música do ‘Chão’ chamada ‘De onde vem a canção’. A viagem está no preparar, no não estar apontado para nada”, explica.

O caldeirão sonoro de Lenine abriga várias vertentes da música. Os ritmos brasileiros, a incorporação de novas tecnologias, tudo isso passa pelo processo de composição do compositor. “Minhas influências musicais foram muitas e de origens diversas! Do Zeppelin ao Zappa, passando pelo Police, o rock foi a matriz. Sempre fui muito curioso e continuo sendo. Ando ouvindo em demasia Posada e o Clã, Toe e Rua do Absurdo, muito bom!”, afirma.

Além de compor e interpretar suas músicas, Lenine também produz os seus trabalhos. “Antes de qualquer outra profissão eu sou compositor e, como tal, adoro os encontros, são eles que alimentam a minha vida! Por decorrência deste exercício, fui ampliando a área de atuação, passei a arranjar, gravar e produzir parte do que eu compunha. A possibilidade de me envolver em todos os processos que produzem música foi o que me levou a estar aqui”, explica.

Atualmente, o cenário musical brasileiro não coloca em evidência os grandes artistas que possuem consistência e qualidade em suas obras. João Bosco, Milton Nascimento, Chico Buarque, todos eles perderam espaço na mídia de massa para os “artistas do momento”. Essa realidade parece não preocupar Lenine. “Não há incômodo. A música brasileira sempre teve uma amplitude muito grande e o fato é que o Brasil é um continente que comporta infinitas formas de expressão. O que posso dizer é que, para mim, 50 por cento do trabalho é música e os 50 restantes são as palavras”, analisa.

O músico embarca para a Europa, em maio, para uma turnê que passará por Holanda, Alemanha, Espanha e Portugal. Curitiba, entretanto, faz parte da carreira do cantor. “São shows sempre muito especiais! Sempre que volto à cidade sou muito bem recebido! Cheiro carinhoso e sonoro!”, finaliza.

Confira duas músicas da apresentação de Lenine no Lupaluna 2012. “Paciência” e “A Ponte”.

Enviado por admin, 27/03/13 7:32:00 AM
Márcio Brüggemann
Abraskadabra, clipe novo fala de amizade

A banda curitibana de skacore Abraskadabra acaba de lançar o seu primeiro videoclipe. “Sing ‘til the end” foi produzido pela GPR com direção de Júlio Hey e roteiro do ex-vocalista e guitarrista do grupo, Du. “A música fala sobre as amizades que nós acumulamos ao longo dos anos e dos nossos amigos de infância, dizendo que passamos por muitas situações, mas estamos juntos até o fim”, explica o baterista Eduardo Cimbalista.

O Abraskadabra teve início em 2003. A escolha e a concepção do som do grupo, de acordo com as influências de cada músico, fugia dos padrões da época. “A ideia de montar uma banda de skacore/skapunk era diferente. Não existiam muitos artistas do gênero em Curitiba e no Brasil”, conta o baterista.

Durante os anos seguintes ocorreram várias mudanças na formação do grupo. Um dos grandes incentivadores da banda, desde o começo, é o proprietário do bar 92 Graus, Jr Ferreira. “Ele sempre nos apoiou muito. Ele nos encaixava em todos os shows em que era possível”, afirma Eduardo.

A banda tem quatro trabalhos lançados. Os EPs “Mago” de 2003, “Abraskadabra” de 2005 “Destroing your mother on the bed” de 2008 e o CD “Grandma Nancy’s Oldschool Garden” de 2012. A formação atual do Abraskadabra tem Rafael Ribas no vocal e guitarra, Thiago de Sá Jorge no vocal, trombone, sax e teclado, Guilherme Lepca no trombone, João Paulo Branco no trompete, Rodrigo Kawata no baixo e Eduardo Cimbalista na bateria.

Assista ao clipe de “Sing ‘til the end” do Abraskadabra.

Enviado por admin, 25/03/13 3:54:00 PM
Christian Gaul
Dado Villa-Lobos segue em frente com o seu trabalho solo sem renegar o seu passado na Legião Urbana

Dado Villa-Lobos é um daqueles artistas que não pararam no tempo. Apesar de sempre ser lembrado pelo seu trabalho à frente de uma das mais importantes e influentes bandas da história do rock nacional, a Legião Urbana, ele não se deitou nos louros do seu passado.

Seu mais recente álbum, “O Passo do Colapso”, lançado no fim do ano passado, procura retratar o momento de incertezas pessoais e financeiras que a humanidade está vivenciando. “Tenho a impressão de que o resultado final, de repente, tenta explicar o porquê da ideia de colapso. Foi algo que me veio há três, quatro anos atrás com a bancarrota do sistema financeiro mundial”, explica Dado.

Ao absorver todas essas influências, o músico começou a dar forma ao que seria o seu novo disco. “Me vi pensando nessa vida, no meu trabalho, nos meus amigos, na minha vida, no tempo que voa e em tantos novos paradigmas surgindo e modelos ruindo. Isso tudo foi virando combustível para seguir em frente e, então, fazer um disco”, afirma.

O trabalho conta com várias participações especiais. Uma delas é a do escritor uruguaio Eduardo Galeano na música “O parto”. A narração de Galeano dá uma atmosfera apocalíptica para a canção. “Não foi nada pensado no sentido de programar o que fazer. Foi pura intuição e sintonia com as pessoas. Um amigo uruguaio, o Carlos Tarán, me trouxe o texto e a narração esplêndida do Eduardo Galeano que veio como a redenção final da estória de um colapso. A transformação é inevitável, a vida seguirá sempre”, diz.

O compositor Fausto Fawcett também participa do disco. Ele divide os vocais da música “Beleza americana” com a cantora do Kid Abelha, Paula Toller, e com o músico americano Arto Lindsay que, entre outros trabalhos, produziu o álbum “Verde anil amarelo cor-de-rosa e carvão”, terceiro disco da carreira da cantora Marisa Monte, lançado em 1994. “O Fausto é o parceiro de sempre. Eu estou com ele desde que cheguei aqui no Rio de Janeiro, em 1987. Quando o chamo ele atende e vice-versa”, conta.

Legião Urbana

No ano passado, Dado e o baterista Marcelo Bonfá reuniram a Legião Urbana para um show histórico promovido pela MTV. Os vocais ficaram a cargo do ator Wagner Moura, o Capitão Nascimento do filme Tropa de Elite. A escolha surpreendente dividiu a opinião dos fãs. “Eu tiro o meu chapéu para o Wagner, um artista de muita coragem. Fomos todos com a força da Legião arriscar e quebrar todos os conceitos e preconceitos, assim como fazíamos com a banda”, relembra Dado.

O reencontro com os fãs foi emocionante, tanto para os músicos como para o público. “Fiquei em êxtase. Foi uma experiência desafiadora e muito intensa, como sempre foi qualquer show da Legião”, afirma.

Os shows em Curitiba

Com tantos anos de estrada, Dado teve várias passagens marcantes por Curitiba. Ele revela, inclusive, que uma das primeiras apresentações da Legião Urbana foi na capital paranaense. “Curitiba está no mapa da minha vida. Com a Legião, nosso primeiro show fora do eixo Rio-São Paulo, com passagens de avião, foi em Curitiba, numa antiga fábrica de tecidos em 1985. Os Paralamas do Sucesso estavam na área e deram um suporte bacana para a gente. Depois eu voltei várias vezes com a Legião e com o Fausto e seu Básico Instinto”, diz.

A nova era da música mundial

A internet mudou a realidade da indústria musical no mundo. As grandes gravadoras e os artistas em geral vem tendo dificuldades para se adaptarem a essa nova era. “O sistema colapsou. Precisamos de novos big shots, big bosses, cadê? Eles são necessários. A esquerda acabou. Adeus Lenin!”, comenta.

Dado produz os seus discos com recursos próprios. O músico é proprietário da gravadora Rock it!, fundada em 1993 em uma parceria com o baixista da Plebe Rude, André Mueller. “Minha produção é tipo Novos Baianos, independente futebol clube. Tenho o meu estúdio, a minha estrutura. O sistema colapsou, sigo os meus instintos”, explica.

O principal aspecto, nessa nova configuração da indústria musical no mundo, é a valorização do artista. O acesso gratuito ao conteúdo produzido por músicos e bandas é um dos temas mais polêmicos. “Acho que temos que fazer entender que música não é grátis, só isso. Que se remunere o autor, produtor e artista, por favor”, afirma.

As lembranças e influências dos tempos da Legião Urbana permanecem na vida do músico. Apesar de olhar sempre para frente, buscando se renovar e dar continuidade ao seu trabalho solo, Dado não renega o seu passado ao lado de Marcelo Bonfá e Renato Russo. “A minha forma de fazer música é idêntica à que fazíamos. Um tema instrumental instigante e interessante que em seguida ganha um texto e vamos em frente. Eu sou o Dado Villa-Lobos da Legião Urbana e muito mais, para lá do além e para o infinito!”, finaliza.

Você pode ouvir o CD “O Passo do Colapso” nesse link disponibilizado por Dado Villa-Lobos.

Páginas12345... 13»
Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
«

Onde e quando quiser

Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet.

SAIBA MAIS

Passaporte para o digital

Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

»
publicidade
Gazeta do Povo