*

Enkontra.com

Uma entrevista de Robert Darnton: a importância da história e o futuro do livro na era digital

Justin Ide (Harvard University)/ Divulgação
Diretor das bibliotecas de Harvard, Robert Darnton discute o passado e o futuro do livro com o historiador Peter Burke

Não é uma notícia tão nova, mas eu só vi agora. Ano passado o historiador norte-americano Robert Darnton veio ao Brasil e deu uma entrevista para o programa Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo. Ainda bem que eles colocam as entrevistas no youtube, assim eu pude ver. E os links para os videos estão ao final deste post se você tiver curiosidade de assistir também.

Darnton é um pioneiro desse negócio que a gente chama de História Cultural. Depois de ter sido jornalista (em uma família de jornalistas), tornou-se historiador, e dedicou-se à estudar a história francesa da era do Iluminismo.

Escreveu diversos livros, mas foi com O grande massacre dos gatos que se tornou mais famoso. Na verdade uma coletânea de textos, dentre os quais o que deu o título ao volume, aproveitando episódios de assassinatos de gatos para compreender a mentalidade de trabalhadores e homens comuns na França pré-revolucionária. Este livro foi publicado originalmente em 1984, e logo em seguida traduzido no Brasil.

Hoje encontra-se em 10 entre 10 listas dos livros fundamentais para entender as novas metodologias que guiam o trabalho de um historiador.

A partir de 1987 Darnton passou a ser publicado no Brasil pela editora Companhia das Letras. Curiosamente, com o livro que em inglês tinha sido a publicação imediatamente anterior a O grande massacre dos gatos. Trata-se de Boemia literária e revolução: o submundo das letras no Antigo Regime. De lá pra cá, a editora paulista vem mantendo o leitor brasileiro razoavelmente bem suprido de traduções da obra do historiador americano. O catálogo todo em português está nesta página.

Curiosamente, a historiadora Lilia Moricz Schwartz, editora da Companhia das Letras, esteve entre os entrevistadores do Roda Viva.

Mas o tema da entrevista de Darnton à TV brasileira girou em torno de sua recente atuação na criação de uma biblioteca digital de grandes proporções. A Digital Library of America é uma iniciativa da Biblioteca da Universidade de Harvard, da qual Darnton é diretor.

Isso está bem contado na entrevista, mas é interessante que a iniciativa de criar uma biblioteca aberta surgiu dos rumos tomados pelo serviço de livros do Google. Inicialmente, a gigante de Mountain View se beneficiou da colaboração das bibliotecas universitárias para digitalizar grandes coleções de livros, e criar um sistema de buscas em que você pode encontrar livros pesquisando por trechos de suas páginas. O serviço foi evoluindo para um sistema de livraria eletrônica, e o risco que se corre hoje é o de o Google usar esse acervo de forma paga e fechada. Afinal, a estratégia de negócios vem sendo essa: ofertar serviço gratuito para conquistar um público, e aos poucos passar a cobrar pelo serviço, à medida em que ele se torna essencial.

Devemos saudar então a preocupação de Darnton em criar alternativas que não nos tornem dependentes de algum monopólio de empresas tecnológicas. Essa questão ele trata bastante na entrevista, e é o tema de seu A questão dos livros – curiosamente, tem em versão kindle.

Seu último trabalho (mencionado na entrevista) foi escrito em 2010, e ainda não traduzido para o português. O mais recente em nossa língua é seu penúltimo livro – O diabo na água benta ou a arte da calúnia e da difamação de Luis XIV a Napoleão.

Então fica a dica: assistam a entrevista desse grande pensador, com reflexões sobre o futuro do livro, e sobre o trabalho do historiador. Tem também uma reflexão interessante sobre a importância dos arquivos de documentos de papel, e do aprendizado que isso proporciona aos pesquisadores. Esta questão, obviamente, foi matizada pelos entrevistadores brasileiros, trazendo o fato de que no Brasil a era digital chega atropelando um país que sequer entrou na era dos arquivos de papel.

Roda Viva – bloco 1

Roda Viva – bloco 2

Roda Viva – bloco 3

Roda Viva – bloco 4