Assinaturas Classificados
Seções
Anteriores
Publicidade

Ir e Vir de Bike

Quem faz o blog
Seções
Agenda da Bicicleta
Bicicleta
Cicloativismo
Cicloturismo
Mobilidade
Pedaladas
Por aí
Posts
Enviado por admin, 06/10/12 8:25:00 PM

URBS sabota sistema de ônibus curitibano

Alexandre Costa Nascimento/Ir e Vir de Bike
Publicidade na frota de táxis de Curitiba estimula a troca do transporte público pelo veículo individual motorizado

Táxis da frota de Curitiba estão circulando pelas ruas da cidade exibindo nos vidros traseiros uma campanha publicitária da Volkswagen. O mote de uma das peças é a frase: “Sinta saudades do ônibus”.

Antes de ganhar as ruas, a propaganda foi avaliada e autorizada pela Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), empresa responsável pelo sistema de transporte público da capital; o que inclui, claro, os ônibus e os próprios táxis.

A situação é simbólica e beira a piada pronta. Na prática, ela é tão bizarra quanto seria ver um outdoor da Unimed no postinho de saúde do Boa Vista ou a propaganda do grupo Bom Jesus nas creches do Bairro Novo.

A questão não é a propaganda em si. É legítimo que montadoras queiram vender carros e que usem a publicidade como ferramenta para estimular o consumo. Mas que o façam nos meios privados.

O que é incompreensível é essa lógica obtusa em que o próprio poder público, ao invés de estimular o uso do transporte coletivo, acaba incentivando o uso do veículo individual motorizado.

Mais carros nas ruas significa menos passageiros para o sistema público. Perdem os taxistas, perde a própria Urbs e perde toda Curitiba, que fica cada vez mais congestionada.

A decisão também não faz o menor sentido do ponto de vista econômico. Dificilmente a receita financeira com a venda do espaço publicitário cobrirá o prejuízo no longo prazo da perda dos usuários que trocarem o ônibus ou mesmo os táxis por um Gol zero quilômetro.

Marcelo Elias/Gazeta do Povo

Na pior das hipóteses, no futuro, será preciso torrar alguns milhões de reais do dinheiro dos contribuintes em publicidade institucional para tentar convencer o curitibano a trocar seu Gol zero quilômetro pelo ligeirão azul ou pelo novo hibribus.

Aliás, o sistema gerido pela Urbs, que já foi modelo para o mundo, atravessa uma profunda crise. Recentemente a Gazeta do Povo mostrou que o sistema de ônibus curitibano perdeu 14 milhões de usuários em 4 anos.

A capital paranaense foi a única da Região Sul com resultados negativos no período. Em São Paulo, o aumento foi de 105 milhões de usuários (5% em quatro anos). Pensando bem, não é preciso ser um gênio para entender esses números.

Além disso, o sistema está trabalhando no vermelho, já que o preço da passagem é inferior ao valor que seria necessário para cobrir o total de gastos. Em 2012, por exemplo, a tarifa técnica (que equilibra custos e arrecadação) na capital paranaense foi calculada em R$ 2,79, mas a prefeitura decidiu cobrar R$ 2,60 por usuário. O que resulta em um prejuízo de R$ 0,19 por passageiro. Novos reajustes devem ser discutidos apenas após o período eleitoral.

Walter Alves/ Arquivo Gazeta do Povo
Segundo a Urbs, a passagem pode ser reajustada anualmente. Nos últimos dois anos, a correção foi feita em fevereiro

Transparência

Tanto o site da Urbs quanto o portal da transparência Curitiba Aberta não trazem informações detalhadas sobre a receita financeira da Urbs com a venda de espaço publicitário para empresas privadas. No último balanço orçamentário da empresa. há a previsão de R$ 300 mil para divulgação de campanhas governamentais na frota de ônibus.

Um taxista que dirige um dos carros com a publicidade conta que a contratação é feita diretamente nas centrais de rádiotaxi ou na própria Urbs. Ele explica que qualquer peça antes de ser colocada no carro deve ser aprovada pela empresa. Ele não soube informar o custo dessa propaganda para o anunciante mas disse que o adesivo custou R$ 150 e que o permissionário (proprietário da licença do táxi) recebe uma comissão de R$ 150 pela propaganda.

Visões de mundo

Em entrevista publicada no jornal Metro Curitiba em junho, o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), avaliou como um aspecto positivo o crescimento exponencial da frota da cidade.

“[A frota] aumentou bastante, mas não é um fator negativo, é positivo. Aumentou porque a renda do brasileiro melhorou. A frota em Curitiba é a maior do Brasil. Isso se explica pelos indicadores. Maior diminuição da pobreza e miséria, maior renda média, menor taxa de desemprego, mais serviços públicos”, disse Ducci.

A análise contrasta, por exemplo, com a avaliação do ex-prefeito de Bogotá, Enrique Peñalosa, que em entrevista à Folha de S. Paulo, disse: “A cidade avançada não é aquela em que os pobres andam de carro, mas aquela em que os ricos usam transporte público”. O colombiano defendeu ainda que o poder público dificulte o uso do carro, para devolver a cidade às pessoas. “Quando falamos de cidade sem carros, ou com poucos carros, não estamos falando da ilusão de um hippie louco. Estamos falando de cidades que já existem e que são as mais bem-sucedidas do mundo, como Nova York, Londres, Zurique”.

A avaliação do arquiteto Ítalo Stephan também vai no mesmo sentido: “Quando as condições econômicas são favoráveis, as pessoas logo trocam os seus automóveis por outros mais novos, mais potentes, maiores, imponentes. Se puderem, as famílias compram mais uma moto ou outro automóvel. Todo mundo quer ter um automóvel, já que as condições do transporte coletivos nas nossas cidades são lamentáveis. Caminhar é inseguro. Usar a bicicleta é perigoso. Parece não haver solução embora a velocidade do trânsito já seja parecida com a velocidade de caminhar. Nossas cidades já possuem mais rodas do que pernas. Só que as pernas, bem ou mal, vão continuar a andar e as rodas vão parar de rodar.”

——————————
Vote no Ir e Vir de Bike!

O Ir e Vir de Bike concorre ao Prêmio Top Blog 2012 na categoria Variedades/Blogs Profissionais.

Para votar, clique no selo abaixo. É possível votar até 3 vezes, usando seu e-mail e os perfis do Facebook e Twitter.

Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Rafael Ruivo | 17/10/2012 | 01:12

      Patrulhamento ideológico até em taxis? Pela madrugada. E que poder público é esse que incentiva a compra de automóveis (redução de IPI) mas restringe a circulação (rodízios, etc)? Meu amigo, ir de bike não é pra todo mundo. Os cicloproselitistas estão ficando piores que o Greenpeace ou a Peta. Se quer incentivar o transporte público, ataque o real problema, sucateamento da malha ferroviária. Aí sim, vamos parar de tapar o sol com a peneira.

      Luiz | 15/10/2012 | 20:45

      O seu texto fica bem previsível logo depois de ler o nome da sua coluna: "Ir e vir de bike". Em que planeta você vive para pensar que uma única propaganda teria o poder de diminuir a quantidade de pessoas que usam o transporte público? A única piada pronta aqui é o próprio sistema de transporte público. Sou da geração saúde, ando de bicicleta e patins, mas se não possuísse o tão odiado automóvel, não poderia ir até um lugar adequado a prática de qualquer esporte. Quanta hipocrisia.

      Miguel | 11/10/2012 | 18:35

      Por que meu comentário não foi publicado? Resposta: Miguel, tivemos um problema no sistema de registro dos comentários. As postagens dos últimos dias, infelizmente, foram perdidas. A questão já foi resolvida e os novos comentários serão liberados conforme a política de uso.

      Gabriel | 11/10/2012 | 12:43

      O Ediorgenes comete uma verdadeira afronta aos moradores da RMC, pois se Curitiba tem 1.600 milhoes de habitantes só os municipios que fazem divisa com Curitiba são mais de 1 milhão e a grande parte dessas pessoas trabalha, e faz outras atividades econimicas na Capital, gerando riquezas, assim o transporte tem que integrar essas pessoas também, uma metrópole vive das cidades satélites também, o transporte publico ficou ruim, por falta de investimento em infra-estrutura mesmo, aultimas são de '70

      Luiz C. Segantini | 11/10/2012 | 11:04

      O problema da integracao com a região metropolitana, é que ela poderia ter sido feita com outros meios e nao só onibus, para algumas cidades como Almirante, Rio Branco, Pinhais, Piraquara tem trilhos ferroviários que poderiam ser utilizados para integração. Mas o que vai acontecer afinal? Vão tirar os trilhos pra dar lugar a carros. O que me dói é que em alguns casos quando se analisa a malha ferroviaria os trilhos passam do lado de terminais urbanos. Isso é planejamento?

      Ediorgenes | 10/10/2012 | 00:30

      O transporte coletivo declinou quando iniciou a integraçao c/Região Metropolitana,com o aumento de usuários nas linhas integradas,os ônibus ficaram +cheios e p/pagar 1 passagem o uso de integrações aumentou o tempo de deslocamento,logo;alguns usuários passaram a usar/comprar seu carro aumentando o trânsito e gerando congestionamentos. Resultado: atrasos na operação dos ônibus.Como solução + viável/rápida,a URBS aumentou o tempo de viagem dos ônibus reiniciando o ciclo de pessoas migrando p/carro

      Publicidade
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade