*

Blog Palpite de Alice

Como eu trai meu marido

Lembro da última vez que traí meu marido. Foi mais ou menos há 1 ano e fazia muito tempo que isso não acontecia. Ele descobriu logo de cara, pois cheguei com as marcas do crime no meu corpo. Obviamente brigamos por causa do acontecido e ele ficou um bom tempo emburrado comigo. Eu sinceramente nem lembro de como meu deslize aconteceu! Lembro de ter visto aquela calça linda na vitrine e resolvi experimentar. Logo fui tomada pela alegria e veio aquela vontade de quero mais. Camisas, calças, casacos, sapatos, tudo de uma vez! Passei tudo no cartão de crédito e voltei sorridente para casa. Tenho de confessar… ABUSEI, mas aposto que você também já traiu seu companheiro desse jeito.

Não entendeu nada? Calma que eu explico. Imagine a seguinte situação: você e seu companheiro planejam todas as finanças mês a mês. Os dois sabem o quanto e com o que podem gastar. Você se esforça para seguir o plano à risca, fica com vontade de comprar algumas coisas, mas resiste, pois lembra do que combinou em relação aos gastos. Ao chegar em casa percebe que seu companheiro não fez o mesmo. Ele gastou o que não podia em algo que é de interesse exclusivo dele. Logo aquelas brigas intermináveis por causa de dinheiro começam. Sua confiança foi quebrada graças a um gasto desnecessário. Podemos dizer que você foi traída financeiramente!

(crédito: Visualhunt)

 

Essa quebra de confiança pode desencadear várias reações no relacionamento e uma das mais comuns é o abandono do planejamento financeiro. Ambos voltam a gastar descontroladamente, sem planos ou objetivos e aí surgem os rombos no orçamento e mais discussões sobre dinheiro. Outras vezes o casal finge que nada aconteceu e não fala mais nada sobre o assunto, até que a situação acontece novamente e todos os sentimentos que estavam adormecidos pela falta de resolução do primeiro conflito voltam com maior intensidade. Nestes casos as brigas nunca acabam bem e dificilmente a confiança é reestabelecida.

Assim como todos os conflitos de uma relação, temos no diálogo nosso maior aliado. Deslizes como compras por impulso vão acontecer por mais regrada ou responsável com seu dinheiro você é. As lojas e empresas de publicidades tem iscas poderosíssimas para nos atrair e gastarmos nosso dinheiro. É muito fácil cair nessas armadilhas. Se isso acontecer com você é muito importante conversar com seu companheiro, reconhecer que sua atitude pode prejudicar o orçamento e a partir disso traçar novos planos.

Analise também os motivos que levaram você a fugir do seu plano e na próxima vez que se sentir tentada a comprar algo por impulso lembre-se das três perguntas de ouro: Eu preciso mesmo desse objeto? Meu planejamento permite esse objeto? Precisa ser agora? Só prossiga com a compra se você responder sim para as três perguntas.

Dinheiro não pode ser motivo de discussões, isso é inadmissível. Um pedaço de papel não pode arruinar um relacionamento. Converse, planeje, exponha seus objetivos, seus planos para seu companheiro. Uma conversa de trinta minutos pode evitar grandes conflitos.

Por Júlia Mendonça, planejadora e coach financeira.