PUBLICIDADE

Rolmops&Catchup

Enviado por babbocamargo, 04/09/15 9:07:31 PM

Em suas caminhadas, professor Afronsius alimenta um velho hábito, para ele, salutar: observar as placas de automóveis. Ao contrário do Beronha, que busca “sugestões” para jogar no bicho, Afronsius gosta de “descobrir” cidades. Recentemente, no centro de Curitiba, esboçou um largo sorriso. Um carro de Catalão – GO. Isso mesmo, Catalão, Goiás.

Mais tarde, com ajuda da Seção Achados&Perdidos, exclusiva do blog, ficou sabendo que a cidade fica a 250 km de Goiânia, que, por sua vez, dista 1.308,9 km de Curitiba. Com população perto de 100 mil habitantes, tem sua economia baseada no segmento mínero-metal-mecânico. E conta com empresas de porte, como a John Deere, Mitsubishi e Copebrás. Mas também se destaca pela indústria do vestuário (mais de 150 pequenas indústrias) e, por supueto, agropecuária. Mais: o dístico adotado pela prefeitura é “Governo da cidade, paz, renovação e parceria”.

Tropeiros em marcha

Foi a partir da terceira década do século XVIII (1722/1723) que a região começou a ser ocupada. Por conta de Bartolomeu Bueno da Silva (ele mesmo, o Anhanguera, Diabo Velho, segundo os indígenas), teve início o plantio de roças. O povoamento ganhou força por volta de 1728, com a construção de um rancho para apoio das tropas que adentravam pelos gerais. Nas imediações de Catalão, permaneceu um dos capelães da comitiva de Bartolomeu, Frei Antônio, originário da Catalunha (Espanha) e apelidado de o Catalão. Ele e três parceiros resolveram criar um ponto de pouso junto ao Córrego do Almoço.

Casas de telhas e ranchos de capim

Em 1828, o povoado de Catalão resumia-se a 5 casas de telhas e 20  ranchos de capim. O arraial foi elevado à categoria de vila em 1833, desmembrando-se da comarca de Santa Cruz. Em 1850, abrangendo Ipameri e Corumbaíba, tornou-se a Comarca do Rio Paranaíba e, em 19 de julho de 1859, a Vila de Catalão foi elevada à categoria de cidade.

No dia 20 de agosto de 1859, Catalão tornou-se cidade legalmente constituída, mas isolada dos centros de decisão. A Comarca do Rio Paranaíba passou a se chamar Comarca de Catalão em 1938.

Beronha, voltando à placa do carro:

– Que viagem, hein, e sem sair do lugar… Como descendente de tropeiros, senti vontade de retribuir a visita. Mas tomando cuidado com o Diabo Velho. Nunca se sabe…

ENQUANTO ISSO…

 

Enviado por babbocamargo, 03/09/15 9:58:53 PM

Segunda-feira, a Folha de Londrina abriu manchete no caderno De Primeira: Batata Quente. O texto, aplicado na foto de uma das duas comemorações:

– No escaldante horário do almoço, Bruno Batata marca duas vezes, Londrina passa pelo Brasil-RS e se aproxima da classificação.

De fato. O Londrina Esporte Clube jogou com raça e voltou a vencer no Estádio do Café. Ao derrotar o Brasil de Pelotas por 2 a 1, garantiu a vice-liderança da série C do Campeonato Brasileiro. Graças aos gols do atacante Bruno Batata, obteve a terceira vitória consecutiva e, somando 27 pontos, passou a dividir a liderança do grupo B com o Tupi de Minas Gerais.

Da quadra de futsal aos gramados

Todo mundo sabe, e não é de hoje, existem Brunos e variados tipos de batata, mas um só Bruno Batata, sempre notícia positiva nas páginas esportivas. O que poucos sabem é o porquê do apelido. Afinal, aos 30 anos (31 no próximo dia 26), do alto de seu 1 metro e 80, está mais para um atleta de compleição física invejável do que para um gorducho ou gordinho, muito pelo contrário.

Tudo começou quando o menino Bruno Fressato Cardoso, curitibano de nascimento, foi levado pelo pai à Escolinha de Futsal da AABB – Associação Atlética Banco do Brasil -, no bairro do Tarumã. O garoto, tenra idade, miúdo mas um tanto quanto redondinho, passou a ser carinhosamente chamado de Batatinha pelo professor de futsal.

E, como contam amigos e parentes bem próximos, o pai do futuro atleta, Manuel Arão Simões Cardoso, era e, com todo respeito, continua sendo chamado de Batatão. Bruno entraria no futebol de campo quando levado para as categorias de base do Coritiba. Aí, outro professor, o professor Miro, sacramentou o apelido. Batatinha.

Tanto que, quando passou pelo J. Malucelli, Bruno ainda era tratado como Batatinha. Logo logo, no entanto, viraria Batata e, jogando um bolão, inclusive no exterior, consolidou junto ao epíteto Batata o adjetivo craque.

ENQUANTO ISSO…

 

 

Enviado por babbocamargo, 02/09/15 8:16:20 PM

A Companhia das Letras acaba de lançar Febeapá – Festival de Besteira que Assola o País, de Stanislaw Ponte Preta, 483 páginas, 49,90 reais. Ao ficar sabendo da boa nova, em texto de Rosane Pavan, na Carta Capital desta semana, professor Afronsius festejou a volta às livrarias do Sérgio Porto. E tratou de reservar seu exemplar:

– Embora já tenha A Revista do Lalau, Agir Editora, 2008, que reúne também as certinhas do Lalau, pequena história do jazz, o show do crioulo doido, notícias da Pretapress, dicionário de gírias cariocas, a última entrevista, cinema, teatro e outras raridades de Sérgio Porto, Stanislaw Ponte Preta e outras vidas do humorista genial.

Voltando ao texto de Rosane Pavan, temos que o pontapé inicial para o Febeapá foi dado por uma inspetora de ensino do interior de São Paulo, “portanto uma senhora de um nível intelectual mais elevado pouquinha coisa”.  Ao saber que o filho, um “debiloide”, tirara zero numa prova de matemática, “a cocoroca não vacilara em apontar o professor como perigoso agente comunista”. Era a “Redendora” em ação…

“Diariamente às terças e quintas”

Como, em se tratando do Lalau, não dá para resistir, retornamos à revista Carta Capital e a um dos alvos preferidos do Stanislaw, o colunista social Ibrahim Sued, que garantia estar “diariamente às terças e quintas” na apresentação de seu programa de televisão.

Tevê já batizada por Sérgio Porto como “a máquina de fazer doido”.

Aproveitando, sobre a máquina de fazer doido, professor Afronsius lembrou que (coincidência) no dia 2 de setembro, há 46 anos, era criada a internet, que aportou no Brasil em 1988. Com o globalizado lado bom e lado ruim das coisas.

– Que que diria dela, internet, o saudoso Stanislaw? Liquidificador (planetário) de fazer doido?

ENQUANTO ISSO…

Enviado por babbocamargo, 01/09/15 7:48:23 PM

O convite veio do historiador (e amigo) Carlos Solera: no próximo dia 25, o auditório da Câmara Municipal será palco de evento em comemoração ao 1.º aniversário da Memória Tropeira de Curitiba. Das 14 às 17 horas, no Auditório da Câmara Municipal de Curitiba.

A proposição partiu do vereador Jorge Bernardi.

Ainda do Solera, com um gauchesco toque intimidatório:

– Será a hora de receberes a Comenda Tropeira, que não pegastes em Balsa Nova. E também agende para 23 e 24 de outubro outra festa tropeira, agora em São Luiz do Purunã.

Patrimônio Cultural da Humanidade

Presidente do Núcleo de Amigos da Terra e Água (NATA), entidade que mantém com a Universidade de Girona, Espanha, convênio de cooperação técnica no Projeto Tropeiro Brasil (www.tropeirobrasil.com.br), Solera e sua turma batalham há muitos anos para a titulação do tropeirismo como Patrimônio Imaterial brasileiro pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Passo seguinte, o trabalho será encaminhado à Unesco para a obtenção da Declaratória de Patrimônio Cultural da Humanidade a este importante ciclo de atividades que consolidou o Brasil nos séculos XVIII a XX.

Professor Afronsius adiantou que o gaudério já está com o pé no estribo, enquanto Natureza Morta e o Beronha quiseram saber se tem algum bolicho nas proximidades da Câmara…

ENQUANTO ISSO…

 

Enviado por babbocamargo, 31/08/15 8:50:03 PM

Em visita ao Alasca, Barack Obama defendeu políticas para reduzir o impacto das mudanças climáticas. E destacou “a necessidade de os EUA liderarem a luta em defesa do meio ambiente”. Isso depois de lembrar que os grandes glaciais do Ártico estão derretendo muito rapidamente, causando drásticas mudanças no volume de água dos oceanos e afetando a flora, a fauna e a população nativa daquele estado norte-americano.

Mas levou pau da comunidade ambientalista mundial, posto que, ao mesmo tempo, liberou a exploração petrolífera no Oceano Ártico.

A grana sempre fala mais alto, comentou professor Afronsius, acrescentando:

– E que não venham meter o bedelho no Pré-Sal.

Sobre os problemas do meio ambiente e o lucro de uma minoria, aproveitou para recomendar a leitura, ou releitura, do livro Aroma – A história cultural dos odores, de Constance Classen, David Howes e Anthony Synnott, lançado no Brasil em 1996, pela Zahar editora.

A água poluída e a “água maravilhosa”

Em 1709, até os rios de cidades da Europa eram verdadeiras cloacas. Insuportáveis. E eis que surge a Água de Colônia, que levou o nome da cidade.

Do livro: “Na Idade Média, a região chegou a ser a maior metrópole da Europa. Na época, os banhos eram esporádicos por se acreditar que a água transmitia doenças, mas a sociedade local ansiava por cheiros melhores”.

“Um alívio aos olfatos da cidade veio de fora”, com o imigrante italiano Johann Baptist Farina. Ele vendia artigos franceses de luxo, mas o produto que garantiu vida longa aos negócios da família Farina foi água. “A então chamada aqua mirabilis (água maravilhosa), que se tornou Água de Colônia em homenagem à cidade”.

O cheiro de uma bela manhã

Quem criou a tal água foi Johann Maria Farina, irmão de Johann Baptist, que assim descreveu o momento da concepção do aroma: “Encontrei um cheiro que me lembra uma manhã na Itália, narcisos da montanha e folhas de laranja depois da chuva. Ele me refresca e fortalece meus sentidos e minha fantasia”.

De Colônia para Londres, pulando no tempo, mas não no problema, temos o filme Frenesi, de Alfred Hitchcock, 1972. À beira do Tâmisa, políticos comemoram a despoluição do rio. E eis que, de repente, surge um corpo boiando…

ENQUANTO ISSO…

Enviado por babbocamargo, 30/08/15 9:00:14 PM

Um dos tormentos (para muita gente) é o uso, ou emprego correto, da crase. Ou seja, a contração ou fusão de duas vogais idênticas em uma só. Derruba até imortais da ABL, Academia Brasileira de Letras. Tanto que o poeta Ferreira Gullar chegou a escrever:

– A crase não foi feita para humilhar ninguém.

Mas, além da crase, há outros percalços quanto ao exercício da língua pátria.

Com este cenário ao fundo, agora no caso a ABLAcademia Brasileira de Litros -, o Água de Valeta, amigo do Beronha, ficou feliz da vida, dia desses, ao ser classificado numa roda do boteco de asinino. Aliás, um baita asinino, para ser mais exato. Ele quis saber o real sentido do enfático elogio. Recorreu ao Beronha, que, de bobo, não tem nada. Passou o abacaxi para o professor Afronsius.

Este, adepto do provérbio chinês “Não dê o peixe, ensine a pescar”, recomendou ao Valeta que consultasse um dicionário.

– Não adiantou. Não achei nada.

– Nada? Qual dicionário?

– O Mini Aurélio…

– Mini? Recorra ao Aurelião.

– Não, esse é muito grandão, recheado de letrinhas, pesado, cansativo, e até difícil de folhear…

O jeito foi retirar da estante o dicionário e dar o peixe. Frito, no capricho:

– Asinino. Adjetivo. De, ou pertencente ou relativo ao asinino, ou próprio dele. V. burro. S.m. Animal mamífero, da ordem dos perissodáctilos, equídeos, subfamília Asininal. São os jumentos, os mulos e os burros.

– Pombas! Uma palavra tão estranha que eu pensei que fosse um baita elogio. Vou dar o troco, chamando os caras de equídeos. Nas categorias ouro, prata e bronze…

O jeito foi recorrer novamente a Ferreira Gullar:

– Como a crase, o adjetivo não foi feito para humilhar ninguém.

ENQUANTO ISSO…

 

Enviado por babbocamargo, 29/08/15 9:53:05 PM

Da BBC na BBII: estudo conclui que água não resolve, a única maneira de evitar uma ressaca é beber menos álcool. Pesquisadores internacionais analisaram hábitos de consumo de alunos da Holanda e do Canadá, para descobrir se a ressaca pode ser amenizada ou se algumas pessoas estavam imunes a ela.

Mesmo bebendo muita água, “não houve diferença real na gravidade de suas ressacas”.

Beronha, que a tudo ouvia, sentenciou:

– Encher a cara com água é jogar cerveja e dinheiro fora…

ENQUANTO ISSO…

 

Enviado por babbocamargo, 28/08/15 8:27:24 PM

Há quem fique irritado com o modismo. Caso de um amigo do professor Afronsius. Contou ele que, amontoado dentro de um elevador, viu-se obrigado a ouvir, e até chegar ao décimo andar, mais de uma dezena de vezes a mesmíssima resposta aos mais variados e disparatados comentários:

– E o Atlético, hein, venceu o Joinville. Golaço do Nikão.

– Com certeza.

– O barulho desse elevador está meio estranho…

– Com certeza.

– Que coisa terrível o trânsito em Curitiba. Não se respeita mais nem o sinal vermelho.

– Com certeza.

– Me dá licença, vou descer no próximo andar…

– Com certeza.

– Obrigado, até mais ver.

– Com certeza.

A propósito de modismos, professor Afronsius contou que, décadas atrás, o que mais se ouvia era o “senti firmeza”.

– Era um tal de senti firmeza pra cá, senti firmeza pra lá e, às vezes, não senti firmeza. Haja paciência.

Beronha:

– Com certeza. Belê. Nos vemos no face…

Nosso anti-herói de plantão correu o risco de levar um cascudo, caso professor Afronsius estivesse de maus bofes.

– Certamente que sim – arriscou Natureza Morta.

ENQUANTO ISSO…

 

Enviado por babbocamargo, 27/08/15 7:47:16 PM

Sobre a informação da Nasa, de que o nível do mar subiu em média quase 8 centímetros (em todo o mundo) desde 1992, professor Afronsius ficou preocupado. Afinal, o motivo seria o aquecimento global e a tendência é de que as águas continuarão subindo nos próximos anos. Por conta do tal aquecimento.

Mas, só para assustar, pura maldade, comentou com o Beronha – e foi além, apocalíptico:

– Estamos à beira de um novo dilúvio. Pior, dilúvio sem contar com a ajuda do Noé – e sua arca.

Mais preocupado com o jogo do Atleticon pela Copa Sul-Americana (“O gordinho vai jogar?”), nosso anti-herói de plantão deu com os ombros.

– Dilúvio? Sem problemas. A turma do boteco já vive na água mesmo…

ENQUANTO ISSO…

 

Enviado por babbocamargo, 26/08/15 7:58:11 PM

Sobre o projeto de lei que tramita, ou cambaleia, na Câmara Municipal de Curitiba, liberando a venda de bebidas alcoólicas em arenas e estádios esportivos, há quem considere a matéria totalmente dispensável, posto que inócua. Caso de um amigo do Beronha, o Água de Valeta.

Conforme ele explica, o Água, amigo do nosso anti-herói de plantão, “do jeito que anda o futebol de certos times da capital, muito torcedor não bebe durante o jogo. Precavido, já chega cozidão no estádio”.

Embora a última partida do Paraná Clube tenha sido disputada em Fortaleza, o resultado da pugna confirmaria a tese do Água de Valeta:

– A gente vencia a peleja até os 45 minutos finais e aí tomamos um gols e mais um nos dois minutos de acréscimo. É mole – ou tem que beber mais?

Em tempo. Beronha esclarece porque o amigo é conhecido como Água de Valeta:

– Ele só bebe um drinque muito sofisticado. Underberg com soda, limão e gelo. Não necessariamente nessa ordem…

ENQUANTO ISSO…

 

 

Páginas12345... 210»
Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
Buscar no blog
Assine a Gazeta do Povo
  • A Cobertura Mais Completa
    Gazeta do Povo

    A Cobertura Mais Completa

    Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

    Tudo isso por apenas

    12x de
    R$49,90

    Assine agora!
  • Experimente o Digital de Graça
    Gazeta do Povo

    Experimente o Digital de Graça!

    Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

    Após o período teste,
    você paga apenas

    R$29,90
    por mês!

    Quero Experimentar