Assinaturas Classificados

Seções
Anteriores
Publicidade

Salmonelas

Quem faz o blog
Seções
Conheça
humor
literatura
Livros
Posts
Quadrinhos
Salmonelas
Enviado por benett, 21/01/14 2:30:22 PM

Depois de ver a maneira como a Portuguesa acabou rebaixada; de ver o sinistro cleptomaníaco José Maria Marín assumindo a CBF; o Petraglia chantageando o poder público por mais dinheiro, e outras tramoias sombrias do futebol, lembrei de um conto chamado Esse Est Percipi, do livro Crônicas de H. Bustos Domecq, um dos meus livros favoritos até hoje (li quando tinha 15 anos).Crônicas foi escrito em 1967 por Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy-Casares, com o pseudônimo de H. Bustos Domecq, e é de uma atualidade impressionante. Visionário, eu diria. Fala sobre como os resultados eram arranjados, os estádios não existiam mais e até mesmo o nome dos jogadores eram inventados por publicitários. Leia abaixo, em espanhol, o texto da genial dupla de escritores argentinos.
792px-BustosDomecq_jacket

ESSE EST PERCIPI

Viejo turista de la zona de Nuñez y aledaños, no dejé de notar que venía faltando en su lugar de siempre el monumental estadio de River. Consternado, consulté al respecto al amigo y doctor Gervasio Montenegro, miembro de número de la Academia Argentina de Letras. En él hallé el motor que me puso sobre la pista. Su pluma compilaba por aquel entonces una a modo de Historia panorámica del periodismo nacional, obra llena de méritos, en la que se afanaba su secretaria. Las documentaciones de práctica lo habían llevado casualmente a husmear el busilis. Poco antes de adormecerse del todo, me remitió a un amigo común, Tulio Savastano, presidente del club Abasto Juniors, de cuya sede, sita en el Edificio Amianto, de avenida Corrientes y Pasteur, me di traslado. Este directivo, pese al régimen doble dieta a que lo tiene sometido su médico y vecino doctor Narbondo, mostrábase aún movedizo y ágil. Un tanto enfarolado por el último triunfo de su equipo sobre el combinado canario, se despachó a sus anchas y me confió, mate va, mate viene, pormenores de bulto que aludían a la cuestión sobre el tapete. Aunque yo me repitiese que Savastano había sido otrora el compinche de mis mocedades de Agüero esquina Humahuaca, la majestad del cargo me imponía y, cosa de romper la tirantez, congratulélo sobre la tramitación del último goal que, a despecho de la intervención de Zarlenga y Parodi, conviertiera el centro-half Renovales, tras aquel pase histórico de Musante. Sensible a mi adhesión al once de Abasto, el prohombre dio una chupada postrimera a la bombilla exhausta, diciendo filosóficamente, como aquel que sueña en voz alta:
-Y pensar que fui yo el que les inventé esos nombres.
-¿Alias? -pregunté, gemebundo-. ¿Musante no se llama Musante? ¿Renovales no es Renovales? ¿Limardo no es el genuino patronímico del ídolo que aclama la afición?
La respuesta me aflojó todos los miembros.

-¿Cómo? ¿Usted cree todavía en la afición y en los ídolos? ¿Dónde ha vivido, don Domecq?

En eso entró un ordenanza que parecía un bombero y musitó que Ferrabás quería hablarle al señor.

-¿Ferrabás, el locutor de la voz pastosa? -exclamé- ¿El animador de la sobremesa cordial de las 13 y 15 y del jabón Profumo? ¿Estos, mis ojos, le verán tal cual es? ¿De verás que se llama Ferrabás?

-Que espere -ordenó el señor Savastano.

-¿Que espere? ¿No será más prudente que yo me sacrifique y me retire? -aduje con sincera abnegación.

-Ni se le ocurra -contestó Savastano-. Arturo, dígale a Ferrabás que pase. Tanto da…

Ferrabás hizo con naturalidad su entrada. Yo iba a ofrecerle mi butaca, pero Arturo, el bombero, me disuadió con una de esas miraditas que son como una masa de aire polar. La voz presidencial dictaminó:

-Ferrabás, ya hablé con De Filipo y con Camargo. En la fecha próxima pierde Abasto, por dos a uno. Hay juego recio, pero no vaya a recaer, acuérdese bien, en el pase de Musante a Renovales, que la gente sabe de memoria. Yo quiero imaginación, imaginación. ¿Comprendido? Ya puede retirarse.

Junté fuerzas para aventurar la pregunta:

-¿Debo deducir que el score se digita?

Savastano, literalmente, me revolcó en el polvo.

-No hay score ni cuadros ni partidos. Los estadios ya son demoliciones que se caen a pedazos. Hoy todo pasa en la televisión y en la radio. La falsa excitación de los locutores, ¿nunca lo llevó a maliciar que todo es patraña? El último partido de fútbol se jugó en esta capital el día 24 de junio del 37. Desde aquel preciso momento, el fútbol, al igual que la vasta gama de los deportes, es un género dramático, a cargo de un solo hombre en una cabina o de actores con camiseta ante el cameraman.

-Señor, ¿quién inventó las cosas? -atiné a preguntar.

-Nadie lo sabe. Tanto valdría pesquisar a quién se le ocurrieron primero las inauguraciones de escuelas y las visitas fastuosas de testas coronadas. Son cosas que no existen fuera de los estudios de grabación y de las redacciones. Convénzase, Domecq, la publicidad masiva es la contramarca de los tiempos modernos.

-¿Y la conquista del espacio? -gemí.

-Es un programa foráneo, una coproducción yanqui-soviética. Un laudable adelanto, no lo neguemos, del espectáculo cientifista.

-Presidente, usted me mete miedo -mascullé, sin respetar la vía jerárquica-. ¿Entonces en el mundo no pasa nada?

-Muy poco -contestó con su flema inglesa-. Lo que yo no capto es su miedo. El género humano está en casa, repatingado, atento a la pantalla o al locutor, cuando no a la prensa amarilla. ¿Qué mas quiere, Domecq? Es la marcha gigante de los siglos, el ritmo del progreso que se impone.

-¿Y si se rompe la ilusión? -dije con un hilo de voz.

-Qué se va a romper -me tarnquilizó. -Por si acaso, seré una tumba -le prometí-. Lo juro por mi adhesión personal, por mi lealtad al equipo, por usted, por Limardo, por Renovales.

-Diga lo que se le dé la gana, nadie le va a creer.

Sonó el teléfono. El presidente portó el tubo al oído y aprovechó la mano libre para indicarme la puerta de salida.”

Jorge Luis Borges y Adolfo Bioy-Casares

Enviado por benett, 20/01/14 7:44:25 AM

TiraCoracaoSelecionei algumas frases que escrevi no meu Twitter - https://twitter.com/Benett_ -  em 2013:

O cúmulo do narcisismo é simular o próprio sequestro e ainda desenvolver Síndrome de Estocolmo.

*

Duas qualidades que admiro numa pessoa: sinceridade e humor. Se ela tiver as duas, vou odiá-la pelo resto da vida.

*

Um episódio especial de Acumuladores só com pessoas que guardam rancor.

*

-Lembra de mim? -Claro. Você é uma daquelas pessoas que sempre esqueço o nome.

*

“Viva rápido, morra jovem” – MTV

*

- Me defina em uma palavra. – Reducionista.

*

-Você viu aquele filme do Leandro Hassum? -Não vejo filmes em que o mocinho tem mais peitos que a mocinha.

*

Eu fingi que comemorei o dia do orgasmo.

*

Aposto como agora a Florence and the Machine vai se encontrar no bar para beber com o Mike and the Mechanics.

*

A constituição brasileira é como a Bíblia ou o Corão, cada um lê e interpreta da maneira que achar conveniente.

*

Minha mãe me disse que eu nasci de uma gravidez psicológica.

*

Jornal Correio Espírita anuncia que vai encerrar a sua versão impressa. A partir de agora o jornal só vai circular na versão de ectoplasma.

*

Quando era mais novo eu passei tanto tempo de minha vida dentro de ônibus, que posso dizer que já morei num “coletivo”.

*

A ironia é uma cápsula do tempo num lugar que parece que parou no tempo.

*

“Juventude do PSDB repudia protestos em nota”. Datilografada e copiada em papel carbono.

*

A menor distância entre dois pontos é uma reta. A maior é um ônibus.

*

Sinto um pouco de inveja de pessoas que têm os mesmos defeitos que eu.

*

Igualaram Valeska Popozuda a Saramago. Tá, ela não saberia escrever um livro. Mas duvido que Saramago soubesse dançar funk carioca…

*

Valeska Popozuda, de objeto sexual a objeto de estudo de pesquisa científica.

*

Acabou de passar um malaco imitando gargalhada de bruxa na rua. Vontade de ir lá dizer “cara, já fizeram isso semana passada”.

*

Em terra de cego oftalmologistas ganham a vida cuidando de carros nas ruas.

*

O Vaticano seria melhor se fosse um estado laico.

*

Falam que a manifestação não tem liderança. E daí? Os governos também não.

*

Todo mundo quer ser Woody Allen. O problema é que ele teve essa ideia antes.

*

Pensando em fazer uma exposição de quadros feitos em papel arroz. Se não vender nenhum, ao menos posso comer as pinturas.

*

Pessoas chegando na terceira idade e se tornando evangélicas. A prova de que envelhecer não traz sabedoria.

*

O chato do reconhecimento póstumo é que é preciso morrer para conseguir alcançá-lo.

*

Se eu tivesse mais tempo eu o teria perdido em dobro.

*

Chega no bar cantando A Volta do Boêmio, do Nelson Gonçalves e sai cantando O Ébrio, de Vicente Celestino.

*

A ironia é a noite estar tão cansado que não consegue dormir e, pela manha, estar tão cansado que não consegue acordar.

*

Acho que quando um cara copia o outro, mais do que dizer o quanto ele admira o cara, ele está dizendo o quanto na verdade odeia a si próprio.

*

Olavo de Carvalho, o Alborghetti da filosofia.

*

Conferi meu extrato bancário ontem e meu humor ficou no negativo.

*

Cai um monte de raio no Brasil. O problema é que nunca é na cabeça certa.

*

Dos motivos do gringo odiar morar no Brasil: “Os brasileiros, principalmente os homens, são altamente propensos a casos extraconjugais”. Claro, os americanos, não. A começar pelo Bill Clinton.

*

Para bom entendedor meia ignorada basta.

*

-Faz tempo que você se tornou adulto? -Faz. Mas não foi intencional.

*

Você percebe que está ficando velho quando acordar sem ressaca é pior do que acordar de ressaca.

Algumas tiras de 2014

Furunculo-1

TiraARTE

Enviado por benett, 26/11/13 3:52:27 PM
Poster do Amok

Cartaz de divulgação

Um, dois, ele vai te pegar… três, quatro, tranque as janelas. Lançamento do livro Amok – Cabeça, tronco e membros em Ponta Grossa. Dia 10/12 às 19h30 na Livrarias Curitiba. Leve dinheiro. Bitcoins, se quiser.

Enviado por benett, 28/10/13 10:23:58 AM
Uncle Scrooge, o Tio Patinhas, de Walt Disney

Uncle Scrooge, o Tio Patinhas, de Walt Disney

Depois da turbulenta noite de Natal em que recebeu a visita dos espíritos do presente, do passado e do futuro, o velho Uncle Scrooge tornou-se uma pessoa mais afável, sensível e reverteu sua imagem de rabugento asqueroso perante a sociedade para a de um velhinho generoso e gentil.

Seus funcionários ganharam aumento, carteira registrada, reposição de perdas salariais, direito à férias, décimo terceiro, jornada de trabalho digna, vale refeição, vale transporte e cestas básicas complementares ao soldo. Não bastasse isso, Uncle Scrooge contratou mais e mais pessoal, como que querendo resolver o problema do desemprego de toda a cidade. Doou uma parte de sua fortuna pessoal e passou a gastar indistintamente a outra. Comprou carros para os amigos, casas para os parentes, cadeiras-de-rodas para os necessitados e brinquedos para as crianças carentes. Contribuiu com ONGs, causas diversas e associações de aposentados de todos os tipos.

Ao mesmo tempo, com horas a menos de trabalho em sua empresa, e uma folha pessoal mais onerosa, além de impostos violentos e aumento de custos e gastos, viu a produtividade baixar a partir do momento em que deixou o chicote com que tratava seus empregados na gaveta de seu criado-mudo. Não bastasse isso, ex-funcionários demitidos e humilhados, ganharam na justiça o direito a indenizações fabulosas, o que representou um grande baque no caixa da empresa. As despesas aumentaram na mesma proporção em que a receita baixou. O ministério público condenou a empresa a uma multa pesada por trabalhos análogos à escravidão praticados durante toda a vida por Uncle Scrooge.

 

Na metade do ano, vendo a bancarrota se aproximar pelo espelho retrovisor, os funcionários mais experientes deixaram a empresa e fundaram uma concorrente, levando com eles os melhores clientes do velho Scrooge. Agora, cercado apenas dos incompetentes e dos inexperientes, e sem poder supervisionar todos os setores, o velhote viu seu negócio escorregar lentamente para a insolvência e o colapso absoluto.

Cheio de boas intenções, tornou-se presa fácil para os tubarões, e passou a ser estorquido por advogados desonestos, contadores salafrários e até pelos mafiosos da Mão Negra, que cobravam “pedágios” semanais sobre seus serviços. Contraiu dívidas impraticáveis de bancos, agiotas e perdeu somas inestimáveis nos cavalos e nos publicitários. Até surra andou levando de credores insatisfeitos. As crianças batiam sua carteira na rua, roubavam seu relógio e tomavam suas sacolas de compras do supermercado. O álcool e os psicotrópicos estenderam suas mãos leprosas para ele.

 

Sua saúde degringolou. Úlceras nervosas, transtornos psicológicos, osteosporose, incontinência urinária, impotência, alzheimer, parkinson e uma inevitável suspeita de diverticulite se abateram sobre o velho Uncle Scrooge que, devendo até as calças em impostos, teve todos os seus bens confiscados pela justiça. Teve ataque de pânico, paranóia e depressão. Acabou estendido em uma maca furada no corredor de um hospital público.

 

Aqueles, para os quais ele foi generoso, estavam agora milionários e o máximo que fizeram para Uncle Scrooge, foi lhe mandar flores -as quais ele era alérgico, diga-se de passagem- através dos palhaços da alegria. As feridas de anos de exploração não haviam cicatrizadas e o perdão não aflorou da redenção, como sugeria o espírito natalino.

 

Na noite de Natal do ano seguinte, Uncle Scrooge, doente e solitário, falido e abandonado, sem enxergar ou ouvir direito, recebeu a visita de mais um espírito. Era o espírito da Imprevisibilidade:

 

Scrooge: – Quem é você?

Espírito: – Sou o espírito da Imprevisibilidade. Estou aqui para dizer que as coisas não aconteceram como esperado. Você até tentou traçar uma nova rota para seu destino, mas, veja só, a vida é imprevisível e nem um pouco justa, não é mesmo?

Scrooge: – Mas o espírito do futuro…

Espírito: – Ah, o futuro. Ele prometeu o Céu. Mas o que sabe ele sobre destino? Ele não conhece a grande Lei das Probabilidades? Provavelmente, imbuído dos piores interesses religiosos, o manipulou para que acreditasse que poderia mudar alguma coisa. Sendo bom ou mau, você acabaria desse jeito, abandonado e esquecido. Uma lástima dizer, mas é a verdade.

Scrooge: – Mas eu fiz o que queriam…

Espírito: – Ah, “fez o que queriam”. Você se tornou bom, obediente, “legal”. Mas as outras pessoas continuaram rancorosas, invejosas e terrivelmente egoístas. Agora, honestamente: você acreditou que uma epifania, movida ao medo de morrer sozinho, o tornaria querido entre seus funcionários que queriam vê-lo pelas costas? Deixe lhe dizer uma coisa: não é porque são pessoas humildes que são confiáveis. A canalhice não é um privilégio de quem tem grana, como você não sacou essa? No mais, você traiu suas convicções e deu nisso, meu caro. Além de terminar sozinho e doente, ainda acabou pobre e sem despertar o mínimo de comiseração. Bem, já está na minha hora. Daqui a pouco você receberá a visita de outra pessoa.

Scrooge: – Mais um espírito?

Espírito: – Não. Na verdade, aquela velha mulher de preto segurando uma foice. Ela mandou um mensagem dizendo que já está no ônibus.

Uncle Scrooge morreu horas depois, ao cair no banheiro, bater a cabeça e quebrar a bacia.

FIM

Texto publicado no meu outro blog, mas sei que vocês não leram

 

Enviado por benett, 24/10/13 6:57:22 PM

Grande Guia de Etiqueta da Máfia

Se você está entrando agora para algum clã mafioso ou é apenas um estagiário interessado em engrossar as fileiras da sociedade secreta conhecida por Cosa Nostra, segue um utilíssimo manual de sobrevivência no sanguinário submundo do crime organizado. Elaborado para evitar as gafes usualmente cometidas por marinheiros de primeira (e única) viagem, o texto é de autoria de um reputado membro de uma das cinco famílias criminosas de Nova York, escrito direto de um presídio federal dos EUA onde o autor cumpre pena de 50 anos por extorsão, chantagem, roubo a banco, falsificação, interceptação de cargas roubadas, agiotagem, assassinato e plágio intelectual.

A Máfia é regida por regras não-escritas criadas há mais de 100 anos nas colinas medievais da Sicília, na pátria-mãe Itália, e assim devem permanecer para todo o sempre. Essas regras fazem parte da mítica da sociedade e você não pode questioná-las, simplesmente porque uma das principais regras é: jamais questione as regras. A seguir as primeiras noções de sobrevivência do Grande Guia de Etiqueta da Máfia.

O chefão de Chicago. nunca ninguém o chamou de Doves na sua frente

O chefão de Chicago. nunca ninguém o chamou de Doves na sua frente

1- Nunca Pergunte Nada

- Quanto mais você souber, mais problemas desnecessários você pode ter. Se alguém lhe perguntar “sabe se o Joe deixa as portas dos fundos de sua casa trancada” apenas responda que sim, não ou não sei. O melhor de tudo é dizer “eu nem sabia que que a casa do Joe tinha porta dos fundos”. E nunca pergunte “claro, por que você quer saber, vai entrar lá e cometer uma chacina com os filhos dele só por causa daquela grana que ele está te devendo?”. Uma curiosidade como essa pode botá-lo para dormir com os peixes antes mesmo que você possa dizer “eu não sou informante do FBI”.

2- Não Fale Nomes

- Jamais diga ou pergunte o nome de alguém. Na Máfia as pessoas se conhecem por apelidos. Joe, Tony, Fat Tony, Jack, Nicky, Vito, Paulie, Sal. Jamais, em hipótese alguma, deve se pronunciar o sobrenome de alguém, muito menos o de um “Don”. Se alguém te perguntar para quem você trabalha, responda apenas “estou com Johnny”, por exemplo.  Jamais diga “ando traficando drogas para John Gotti”. Você terá sua carcaça pendurada num caminhão frigorífico antes mesmo de poder pensar “será que eles acham que tem uma escuta do FBI debaixo da mesa e eu incriminei o cara?”.

3- Não Use Carteira

-Ninguém na corporação guarda seu dinheiro em carteiras, junto com a foto dos filhos e cartões de visitas do seu vidraceiro predileto. Aliás, ninguém na Máfia usa carteiras. Para começar, o maço de dinheiro não cabe em carteiras. Você deve fazer um grande rolo de notas e passar em volta um elástico, para prendê-lo. É importante que os rolos sejam volumosos, para impressionar os caras na hora de dar algum dinheiro para o moleque que lustra seus sapatos de couro de jacaré ou para Billy Batts por aquele servicinho. Carteira é coisa de agente do FBI disfarçado, lembre-se disso. Mas e os documentos, onde guardá-los? Ora, um homem feito não usa documentos, não usa nem mesmo seu nome verdadeiro, saca?

 

4- Apelidos São Como Passaporte Para o Fundo do Oceano

Você já viu que não deve pronunciar nomes, especialmente quando estiver nas ruas. Você deve se referir aos outros membros da quadrilha por apelidos. Mas cuidado, alguns apelidos não devem ser ditos na frente de seus donos. Por exemplo, os poucos que ousaram chamar Ben Siegel de Bugsy tiveram seus dentes arrancados com a coronha de um revólver. Nunca se soube de alguém que tenha chamado Tommy Lucchese de Três dedos marrons em sua frente. Se você chamasse Joey Lombardo de The Clown em sua presença, é bem possível que ele enforcasse seu cachorrinho com as tripas do dono. Joe Doves Aiuppa tinha esse apelido por ter sido preso com um carregamento roubado de pombos, mas nem por isso seus amigos o chamavam de pombinha por aí. É importante demonstrar  respeito. E amor à vida. Jack No Nose tinha esse apelido por ter um nariz muito pequeno, que ele compensava com uma pistola de cano comprido, usada para enfiar nas têmporas dos engraçadinhos de plantão.

 

Se alguém o chamasse pelo seu apelido, Palhaço, em sua frente, ele pisava no seu pescoço com seu sapato número 73.

Se alguém o chamasse pelo seu apelido, Palhaço, em sua frente, ele pisava no seu pescoço com seu sapato número 73.

 

5- Falando a Língua dos Tacos de Beisebol

Sempre que puder, evite carregar aquela pistola pendurada no cós da calça. Se você for parado no trânsito, é possível que os policiais tentem descobrir porque um sujeito com sotaque italiano, usando terno de riscas de giz e correntes de ouro, com um anel da Trinacria (aquela Medusa símbolo da antiga Sicília) no dedo mindinho e fumando um longo charuto carrega um trabuco daqueles consigo? Pior, ele pode pedir para ver o que tem dentro do porta-malas e, bem… aí é o fim, meu amigo. O certo é fazer como Joe Batters, ou melhor, Tony Accardo, o chefão de Chicago, que sempre fez seus servicinhos usando tacos de beisebol, para não deixar pistas.

 

6- Os homens da Cosca não usam bigode

Os mafiosos de muito antigamente eram senhores sanguinários que ostentavam bigodes espessos como churros debaixo de suas narinas e a turma de Lucky Luciano, ao romper com eles –egoístas e tiranos- tinha por convicção jamais usar bigode ou mesmo barba. Apenas os velhos sicilianos ainda mantinham o hábito, mas isso era traduzido como “velho conservador que não vai permitir nosso rentável tráfico de heroína via frança”. Por isso, se você quiser fazer parte da família, raspe o bigode. Nem mesmo bigode irônico é tolerado. Don Vito Genovese, certa vez confessou a Carmine Galante que a grande verdade sobre o uso ou não dos bigodes era que eles retiam todo o molho do macarrão em seu rosto, e sempre que você ia a uma conferencia de chefões, eles sabiam que todos haviam comido o mesmo macarrão com molho vermelho e almôndegas no almoço.

Bem, por enquanto é isso. Se quiser saber mais sobre o assunto, sabe com quem falar. E, sobretudo, sabe onde me encontrar. Arrivederci.

Enviado por benett, 23/10/13 3:29:59 PM

Buzzati

 

Mesmo que a Nasa anuncie que descobriu um planeta idêntico à Terra, há apenas duas horas de carro do Sistema Solar e, com a vantagem de possuir cerveja gelada nos oceanos ao invés de água salgada, nada se compara com a notícia publicada nas Atas da Academia Americana de Ciências (PNAS) no último dia 21 de outubro de 2013: a possibilidade de cura da calvície.

Bem, para quem não leu a notícia, ela está AQUI

Uma notícia dessas, para a humanidade, só encontra paralelo, em termos de importância, à cura da impotência sexual e a descoberta da cerveja. Sou capaz de jurar que poucos se importariam se usassem beagles ou mesmo filhotes de ursos pandas para descobrir uma forma de fazer surgir um chumaço de pêlos na superfície da cachola. Mas, assim com todas as outras notícias que os cientistas alardeiam nas revistas de divulgação científica – que os jornalistas normalmente traduzem tudo errado, a coisa não é bem assim.

Na verdade, essa cura da calvície, por enquanto, se aplica aos ratos. Ao que parece, ainda não foi testada em carecas bípedes. Porque tudo é meio nebuloso ainda. Caso alguém se submeta ao tratamento, corre o risco de ficar, por exemplo, parecido com aquele personagem da Família Addams. Ou ainda, o cabelo começar a crescer para o lado de dentro do corpo, o que não faria a mínima diferença estética.

E sabe-se lá que tipo de efeito colateral pode acontecer. E se cresce o cabelo, mas você vira publicitário? E se o cabelo volta a nascer e você fica intolerante a, digamos, cevada? Nada está muito certo.

O que sabemos é que a cura da calvície está tão distante quanto o planeta mais parecido com a Terra que os cientistas já descobriram até hoje. E é mais provável que tenha skol gelada nos oceanos desse planeta do que exista um elixir milagroso capaz de fazer nascer cabelo de novo.

Notícias sobre a cura da calvície são como notícias sobre a importância do ovo na nutrição. Num dia faz bem, no outro dá colesterol. Numa semana causa brotoejas, na outra cura a calvície. Com o perdão da piada fácil, buscar a cura da calvície é como procurar pêlo em ovo.

A verdade é que as pessoas precisam manter algum tipo de esperança, seja para curar a calvície, seja para encontrar cerveja em Marte ou qualquer coisa parecida. E é aí que entram a Ciência, a Religião e um certo tipo de jornalismo, não é mesmo?

Benett

CoelhoRAUL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Enviado por benett, 22/10/13 1:23:17 PM
Snoopy

Snoopy, de Charlie Schulz

Ouvi mais de uma vez que estes “comunistas vândalos” na verdade estão apenas preocupados com seus próprios “umbeagles” e que, ao invadir o laboratório Royal – um aprazível espaço de cimento e grades de metal em que o abominável Dr. Anthon Phibes pernoitaria sem nenhum problema- eles estavam atrasando a ciência em mais ou menos 145 anos. Bem, o fato é que os beagles são realmente cachorrinhos muito simpáticos e não é justo eles levarem essa vidinha de cão em São Roque. Se a ciência no Brasil retroceder 140, 150 anos… bem, talvez ela torne-se contemporânea da educação e segurança que vemos por aí, não é mesmo?

Não sou contra a ciência, aliás, uma das minhas frases prediletas é “entre Deus e o ar-condicionado, eu fico com o ar-condicionado”, do Woody Allen. Mas acho que poderíamos usar outras espécies de animais ao invés de beagles para desenvolver o antibiótico nosso de cada dia.

Animais que estacionam os carros em cima das calçadas. Poderíamos usá-los para tentar descobrir a cura para a escrotidão humana. Animais fisicamente perfeitos que estacionam em vagas para deficientes poderiam ser dissecados vivos para encontrar remédios contra a arrogância egoísta que prejudica a vida em sociedade. Animais que desviam verbas públicas – temos de sobra por aqui – poderiam ser estudados até se criar uma vacina para a cleptomania que se disseminou em ocupantes pomposos de cargos públicos.

Claro que este é um texto pretensamente de humor e é melhor eu para de falar isso, porque alguém vai me dizer que a última pessoa que utilizou cobaias humanas em suas experiências morreu afogado no Brasil, depois de morar no Paraguai e na Argentina.

Então, sugiro que talvez devessemos encontrar animais mais parecidos com o ser humano para essas experiências. Sei lá, baratas. Temos um monte delas, em todos os escalões da sociedade. Só eu conheço umas quarenta. Ratos, eu vi um monte nas duas vezes em que estive na… ahn… aquele lugar para onde pessoas eleitas por escrutínio popular vão fechar negócios.

Essa história de que usamos os animais em prol do desenvolvimento é mais ou menos como aquele religioso medieval que usa o iPad, o iPhone e o Facebook para disseminar suas ideias retrógradas. É o futuro a serviço do atraso. No caso do laboratório Royal, o contrário. Se somos tão inteligentes a ponto de inventarmos o ar-condicionado, será que não conseguiríamos evitar esse tipo de crueldade?

O desfecho final que imaginei para o episódio do laboratório Royal era o de uma experiência mal sucedida com raios gama e o surgimento de um Snoopy esmeralda de 3 metros de altura, destruindo a tudo e a todos. Se encontraríamos a cura do câncer eu não sei, mas teríamos um grande filme de terror b como há tempos eu não vejo.

Benett

A partir de hoje, todos os dias, escreverei um texto de humor sobre um assunto qualquer aqui.

 

 

 

 

 

 

 

Enviado por benett, 01/08/13 9:30:15 AM

Amok – Cabeça, tronco e membros

Resenha publicada no site da editora Mórula

 

Capa do livro

Capa do livro

AGOSTO 2013

 

_Cartunista Alberto Benett lança livro de tiras do personagem Amok, dia 21 de agosto, em Curitiba

 

Benett tem o receio de ser um artista reconhecido por um único personagem. Mas pode ser inevitável. Amok, que sofre com a felicidade alheia e prefere brincar de ‘cemiterinho’ ao invés de casinha, sempre pode dispor de sua serra elétrica caso o autor insista em outro personagem tão carismático quanto ele.

O livro “Amok – cabeça, tronco e membros” traz para o leitor reflexões sobre a vida, a morte, a família, o amor e a felicidade. Já para a sociedade do individualismo, do imediatismo e da cultura de massas, Amok destila seu ódio do mundo. Para os amiguinhos reserva brincadeiras mórbidas e sua forma peculiar de demonstrar amor. No entanto, entre serras elétricas, facas e fogueiras é impossível não rir do seu sarcasmo. Como Fernando Gonsales escreve no prefácio, “o traço gentil e o texto elegante de Benett transformam qualquer psicopata em algo suave”.

O Amok é caso de polícia, mas Benett garante que não é autobiográfico: “algumas características dele são, sim, autobiográficas e outras nem tanto. Por exemplo, assim como o Amok, eu adoro molho pesto. Mas ao contrário dele, nunca tive vontade de comer cérebros”, conta no texto de apresentação do livro.

As tirinhas são produzidas desde 2007, mas a maioria foi desenhada exclusivamente para o livro. Algumas já foram vistas no jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, onde ele publica diariamente. Além disso, Benett é também cartunista da Folha de S.Paulo e já publicou o livro “Benett apavora!”, pela Juruá Editora (2007).

Cristovão Tezza, que assina a quarta capa da obra, apresenta Benett como “um artista raro que não tem medo de seus temas, como se comprova nas tiras exemplares de Amok. Abrem-se grandes e densas perguntas – Deus, a morte, a solidão, o terror – que ele, desconcertante, põe a nu em três linhas e duas palavras. É um adulto que reaprende a infância sem o manto da censura”.

“Amok – Cabeça, tronco e membros”, com tiragem de 2 mil exemplares será lançado no dia 21 de agosto, em Curitiba, com o apoio da Itiban Comic Shop. Na ocasião, além dos autógrafos, será possível participar de um bate-papo com o autor, mediado pelo jornalista Yuri Alhanti.

AMOK-picapetunada

AMOK-AntiEinstein

AMOK-flyerLatino

AMOK-LekLek

 

_LANÇAMENTO E BATE-PAPO COM O AUTOR:


21 de agosto de 2013 – 19h

Itiban Comic Shop
Av. Silva Jardim, 845
Rebouças, Curitiba-PR

 

_INFORMAÇÕES:


Formato:

92 páginas, 21x21cm

Preço de capa:
R$ 30,00

Enviado por benett, 01/10/13 11:17:15 AM
Ilustração para o livro Réquiem para Dóris, de Oneide Diedrich

Ilustração para o livro Réquiem para Dóris, de Oneide Diedrich

Noite de Natal, a mesa está posta e, faltando alguns minutos para a meia-noite, o casal resolve abrir os presentes.

Rachel: – Oh, que lindo, vou abrir meu presente, Vincent.

Vincent: – Não é nada assim, muito especial, é uma lembrancinha…Você sabe, tá na moda dar lembrancinhas e…

Rachel: – Oh, Vincent. Você é maravilhoso. Você já é meu presente e…orelha?!?! Uma orelha???

Vincent: – Que foi? Você não gostou?

Rachel: – Vincent! Já é o quarto natal seguido que você me dá orelha de presente!

Vincent: – Rachel…você não entende o simbolismo, é um pedaço de mim…

Rachel (falando sem parar): – Orelha no natal. Orelha no aniversário. Orelha no dia das mães, orelha na Páscoa…tem um saco de orelhas guardado no quarto, Vincent. O que eu vou fazer com tanta orelha??? Pra que que eu quero tanta orelha?

Vincent: – Rachel…você não entende…é o gesto, é o significado

Rachel: – Cotonetes. Por que você não me dá cotonetes de natal, então? Eles significam muito mais!!!

Vincent: – Mas olhe, esta tem lóbulo gordinho…tá vazando um pouco, mas é um orelha bonita. Fica bem em você, combina com seu cabelo.

Rachel: – Vincent. Sabe o que a Isadora ganhou do marido?

Vincent: – Ah, lá vem você querer comparar com os outros…

Rachel: – Um nariz, Vincent. Uma nariz! Lindo, oblongo, com duas narinas incríveis…isso é que é ser sensível…Um nariz! Perfeito, perfeito! Um jantar à luz de velas no restaurante e, quando ela vai comer a sobremesa…tchã-ram: tem um nariz de presente dentro do pudim!

Vincent: – Sensível! Por que você não casa com aquele bastardo? Aposto como ele é pervertido que se masturba pensando em próteses de madeira. Você tem ideia de quanto custa um nariz daqueles?

Rachel: – Você sabe o que a Odeta ganhou do marido? Um esfíncter novo em folha!

Vincent: – A nossa condição não permite que você saia por aí esbanjando um esfíncter novo em folha, Rachel. Ponha-se no seu lugar!!! Eu não posso te dar um esfíncter. Não posso te dar um nariz. Não posso sequer te dar um cotovelo esfolado ou um calcanhar rachado. Não posso!!!

Rachel (chorando): – Eu sei Vincent…

Vincent: (abraçando Rachel): – Mas posso te dar o meu amor. Posso te dar proteção, posso te dar um lar humilde, mas aconchegante e quentinho. Posso te dar um ombro amigo, posso te dar…meu coração! E ele é grande, cabe nós dois dentro…

Rachel: – Oh, Vincent. Você é o homem que eu amo, me desculpe por exigir demais…eu te amo, eu te amo!!!

Vincent: – Oh, Rachel. Um dia eu vou te dar o que você merece, vou te dar coisa melhor, eu prometo, eu prometo. Um quadro que eu venda e…estamos feitos! Mas pra isso eu preciso de uma máquina do tempo, para ir ao futuro, receber o que me é de direito…

Rachel: – Vincent, venha. Já é meia-noite, vamos comer a Ceia…

Vincent: – Não vejo a hora, estou morrendo de fome. Um peru quentinho, castanhas, ponche…

Rachel: – Peru? Castanhas? Ponche? Mas só tem…

Vincent: – …língua? A gente vai comer língua na ceia de natal? Rachel, todo ano a gente come língua no natal. É língua no natal, língua na Páscoa, língua no réveillon…Eu não aguento mais comer língua!!!

fade e FIM!!!

Tira sobre o Gabo e, de certa forma, cartunistas

GaboCartunista

Enviado por benett, 27/09/13 2:25:32 PM
Tira publicada na edição de hoje da Gazeta do Povo

Tira publicada na edição de hoje da Gazeta do Povo

 

 

 

 

 

 

 

(Está procurando o texto sobre os beagles? Clica em http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/salmonelas/conheca/ )

Dia desses participei de um divertido debate sobre “timidez” num programa de rádio. Lembro que uma das frases que disse foi “a timidez é subestimada”. Eu acredito profundamente nisso. Timidez, até onde sei, não é falha de caráter ou fraqueza de personalidade. Às vezes, quase sempre, é só uma tática eficaz contra pessoas inoportunas. Em todo tímido há um botão de regulagem da timidez para se adequar ao ambiente, como uma espécie de ar condicionado. Há graus de timidez:  mais tímido, menos tímido e totalmente autista.

A não ser se um maluco encostar uma arma nas suas têmporas e disser “dance a chula pelado ou morre”, me pergunto: qual o problema em ser tímido? Nas páginas de jornais e nos postes onde agiotas jogando uma moedinha para cima oferecem dinheiro fácil, vemos anúncios como “vença a timidez!” ou “deixe a timidez de lado e seja feliz”. Bem, esse último nunca vi, mas era o que eu escreveria se coordenasse um desses cursos de oratória para ensinar as pessoas a falar em público. Mas aí penso: quem quer falar em público, se não um animador de auditório, um motivational speaker ou um canalha eleito para um cargo político? “Vença a timidez”. Tímidos não querem vencer ninguém. Tímidos, aliás, não querem nem competir. Tímidos só querem deixar de ser tímidos para conseguirem sexo. Não para falar para uma multidão.

Do fundo do coração, prefiro pessoas tímidas e reservadas a gente expansiva e sem senso de ridículo. Em resumo, Luis Fernando Veríssimo a Sergio Mallandro. Imaginem uma vizinhança inteira de pessoas que não falam alto ou têm coragem de iniciar uma roda de pagode no fundo do quintal? Vendedores de loja que se limitam a responder as suas perguntas sem tentar ser engraçado ou dar em cima de sua namorada? Claro que timidez não significa educação, mas é meio caminho andado. Um mundo de tímidos é um mundo meio chato, mas é um mundo onde ninguém vai entrar na sua casa sem bater, abrir a porta da geladeira e levar seu último pedaço de queijo.

Não sei se sou exatamente tímido ou se sou apenas reservado. 98% das conversas das outras pessoas não me interessam nem um pouco e, portanto, serei a última pessoa do mundo a puxar assunto, muito menos com  estranhos. Quando é inevitável, já sei que o reconhecimento de terreno, digamos assim, se dará por emissão de lugares-comuns, opiniões genéricas e assuntos amenos. “Chove?” “Chove”. “Bandido bom é bandido morto”. “Você viu a Carminha?” “Perdi a novela ontem”. “E o Paulo Coelho, falando do Ulysses?”. “É, é como Michel Teló falando de Charlie Parker”. “Quando você acha que não pode piorar, as pessoas resolvem tatuar o ânus!”.

As pessoas que puxam assunto só o fazem para emitir suas opiniões sobre tudo e buscar alguém de personalidade maleável para concordar com elas. Outras querem apenas ser engraçadas e, no mais trágico dos casos, são carentes e psicopatas como Jim Carrey naquele filme The Cable Guy.  Tenho a vantagem de ser um desenhista recluso em meu pequeno estúdio, não preciso ter contato com humanos a não ser por e-mail ou telefone. Portanto, posso me dar ao luxo de dizer “cancelem minhas credenciais para o mundo das pessoas extrovertidas”. Prefiro o restrito e solitário, quente e confortável, seguro e espaçoso, escuro e silencioso universo pessoal da introspecção.

Benett

Texto de agosto de 2012

Enviado por benett, 20/08/13 4:06:20 PM

LivroBenettAMOK-autografo

O Benett nos deu a missão de encher o lançamento do Amok – Cabeça, tronco e membros de mimos para os leitores. Primeiro surgiu a ideia do postal que será distribuído no lançamento e enviado para todos que comprarem o livro pelo site da editora. Depois inventamos um pôster. Esse é para todo mundo e vem encartado no livro.

Então, funciona assim: se você não mora em Curitiba, ou mora e não vai poder ir ao lançamento, pode ter seu livro autografado.

Ele estará disponível para compra no site da mórula a partir das 15h de hoje (20/08), antes mesmo de começar o lançamento.

É só entrar no site da mórula, comprar e enviar o comprovante de pagamento para contato@morula.com.br. No e-mail, aproveita e informa para quem é a dedicatória.

Todo mundo que enviar o email até 18:59h do dia 21/08 – 1 minutos antes do lançamento – receberá seu livro em casa, com o autógrafo devido.

Vitor Monteiro, editor

Lembrando que o lançamento do livro é amanhã, na Itiban, a partir das 19h00. Informações AQUI

Algumas tiras do Amok que estarão e outra que não estará no livro

AmokBenettVinganca

Amok-Benett-Dahmer

Amok-Benett-Vozes

Páginas12345... 21»
Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
«

Onde e quando quiser

Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

SAIBA MAIS

Passaporte para o digital

Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

»
publicidade