Assinaturas Classificados
Seções
Anteriores
Quem faz o blog
Publicidade

Uma família brasileira na China

Quem faz o blog
Seções
Posts
Enviado por admin, 01/06/12 12:14:00 PM

Parto normal.

Ni Hao,

Outro dia meu sogro me instigou a fazer um relato do que havia mudado nas crianças depois de termos vindo para cá (fora a voz do Marquinhos que, aos 13 anos, está irreconhecível). Aí lembrei que mês passado fizemos nove meses de China. Uma gestação completa. Fiquei pensando no que cada um de nós pariu depois deste tempo todo.

Concluí que cada um de nós pariu um outro “eu”. Parto normal, na hora certa, sem indução. E acho que, felizmente, este outro “eu” é uma versão melhorada de nós mesmos.

Como assim?

Imaginem que, num belo dia, um disco voador o abduzisse e depois o soltasse num local totalmente estranho. Bum! Você cai de dentro da espaçonave, levanta e olha em volta.

E o que você vê? Pessoas estranhas, que se vestem de forma estranha; escarram no chão, arrotam à mesa, colocam os filhos para fazer xixi e cocô na rua, se acocoram para descansar as pernas; usam buracos em vez de privadas; comem cachorro, cobra, escorpião, lagarta; gritam, se empurram, furam fila… e você, ali, olhando tudo aquilo, levando um esbarrão de vez em quando e se perguntando “de quem foi mesmo a ideia de embarcar neste disco voador?”.

Não sei se por causa do nosso instinto de sobrevivência, mas acabamos nos acostumando a tudo isso. Nove meses depois, amigos, nosso outro “eu” nasceu com um nível muito mais avançado de tolerância e de respeito às diferenças.

Agora imaginem que, neste novo local, você não tem carro (não dirijo há quase um ano), não tem emprego e perdeu a capacidade de se comunicar: não fala, não lê e muito menos escreve a língua dos habitantes. O que você faria numa hora destas?

Sim, enfiaria o orgulho no saco e pediria ajuda. Pediria ajuda a pessoas que você mal conhece, mas que estão há mais tempo neste novo mundo. A seus filhos, que falam inglês ou chinês melhor que você. A sua empregada, que a acompanha ao médico, ao supermercado, ao cabelereiro e que conhece do número da tinta do seu cabelo até suas doenças crônicas mais íntimas. Sim, amigos, nosso novo “eu”, além de mais tolerante, nasceu muito mais humilde.

E se você fosse uma criança e seus pais, antes fortes, seguros e protetores, não conseguissem dizer o endereço de casa para o motorista de taxi? Ou pedissem comida no restaurante apontando com o dedinho a foto dos pratos e, além disso, fizessem carinha de nojo quanto o prato chegasse? Imaginem que seus pais não conseguissem explicar claramente para seus professores o seu problema e que você morresse de vergonha do sotaque deles? Então, sem muita escolha, nove meses depois, nossos filhos tiveram que ser tornar muito mais independentes.

E, finalmente, imaginem que, nove meses depois, você já se sente quase parte deste novo mundo (embora continue analfabeto e sem carro) e um novo disco voador reaparecesse e jogasse novas pessoas neste local?

Na mesma hora, você as juntaria do chão, sacudiria a poeira, pegaria pela mão e apresentaria o supermercado, a farmácia, a yoga, o Starbucks… Nove meses depois, nascemos também muito mais solidários.

Humildade, tolerância, independência e solidariedade. Estamos ou não melhores?

Infelizmente, o que venho observando em outras pessoas é que essas qualidades florescem apenas nos primeiros meses e, que depois de alguns anos, vão definhando. A tolerância vira intolerância; a humildade se transforma em arrogância e a solidariedade passa a ser seletiva. A verdade é que ninguém pode julgar ninguém. Fomos todos colocados num mundo estranho onde não sabemos ao certo se é melhor nos adaptarmos ou mantermos distância.

Por enquanto, como todo recém nascido, estamos felizes, curiosos e aprendendo coisas novas todos os dias.

 

Garçonete do bar

Se quiser falar comigo, envie e-mail para christianedumont@hotmail.com

Se quiser acessar o site da Shenzhen Global Business Services, clique aqui. 

Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Renata | 17/06/2012 | 07:57

      Amei seu blog! Cada relato seu me faz lembrar de todos os meus momentos aí na China. Morei no final de 2010 por 6 meses em Chengdu, Sichuan, pois consegui um intercâmbio pela minha faculdade. Concordo absolutamente c/ cada palavra que você escreveu. Seguindo sua analogia, acho até que o meu parto foi a fórceps: fui sozinha, sem saber falar "oi" em mandarim, e a comida me fez muito mal. Não me acostumei de novo ao Brasil. Em julho eu volto por alguns dias, depois vou trabalhar 1 ano na Mongólia!

      Julia Gravino | 10/06/2012 | 19:04

      Olá, adorei as suas materias aqui do blog. Também sou brasileira, MInas GErais, e estou passando uns meses aqui na cidade de Da-lian. Estou acompanhando meu esposo que veio a trabalho. Tem apenas 4 dias que estou aqui, e estou iniciando a caminhada dos meus 6 meses de permanencia. Fiquei mais tranquila em poder encontrar o seu blog e ver que existem brasileiros por aqui. Sua familia é linda. Estarei sempre fazendo uma visita, para saber e conhecer sobre este País tão diferente do nosso.Bjos

      Mariana | 08/06/2012 | 16:16

      Parabéns pelo texto e por todos esses bons momentos que você divide aqui conosco! Beijão

      Leo Graca | 06/06/2012 | 20:23

      Chris, mais um lindo texto. Parabéns não só pelo texto, mas pela vivência de tudo o que está escrito. Bjs, Leo.

      Bruna Bertoli Diegoli | 06/06/2012 | 11:42

      Oi Christiane! Sou jornalista em Curitiba, descobri seu blog na semana passada e estou encantada. Na mesma hora li todos os posts e desde então entro todos os dias esperando encontrar novidades! Já passei um período fora e também mantive um blog, era uma delícia. Parabéns pelos textos e pela adaptação à nova vida. Um abraço.

      Eliana Santos | 04/06/2012 | 12:27

      Comentei +- assim: vc sem emprego e sem dirigir, sem o carro para ir de um lado pro outro com "suas próprias pernas(rodas)" já é incrívelmente sacrifício!!! Vc diz serem "outros eus" eu acho que vcs já são outros eus, cada um! Nossa, que superação fantástica viajar para um país estranho, com crianças/adolescentes em idades diferentes....Vcs são guerreiros e muito inteligentes de conseguirem toda esta adaptação(cões)....é tudo muito novo, novos....diferente, diferentes...P a r a b é n s a todos.

      Gabriela | 04/06/2012 | 11:29

      Chris, como sempre, um post delicioso. Que vcs possam engantinhar, andar, falar e aprender um monte de coisas novas nesta nova vida! Essa é, na verdade, a maior beleza do ser humano - a enorme capacidade de adaptação e aprendizado, qdo estamos de coração aberto a isso. Fico muito feliz de ser sua amiga e de estar acompanhando todos estes avanços e alegrias desta família tão cheia de cor!

      Cristiane Furlan PaLM | 03/06/2012 | 00:38

      Não escrevi ontem na hora que eu li na sua casa, porque eu estava mega emocionada, e ia derramar um rio de lagrimas (rs)!Esse texto caiu com uma luva, me identifiquei total,eu estou ainda no começo,passando pela fase do 1 mês,tem chão ainda! Barra pesada! Mas fora isso, você nos proporcionou um dia maravilhoso, um prazer enorme ter conhecido essa "grande família", cheia de luz, humildade e alegria! Muito obrigada por tudo, por ser esse anjo de pessoa! beijos

      Sheila | 02/06/2012 | 18:47

      Christiane, acho que você tem a inteligência de seus pais, mas tem também a facilidade de se adaptar de Isléia que tem sua personalidade forte mas que quando necessário sabe muito bem usar seu mimetismo. Acho que o coração das pessoas e a índoloe muda pouco com o lugar. Você é o que sempre foi e de repente nem sabia que era. Uma moça com olhos para ver, um coração solidário e amigo. Gosto de você, como sempre gostei demais de sua mãe e de sua sogra. Há décadas. Continue sendo o que já é.

      Paulo | 02/06/2012 | 12:07

      Sem comentários...show esse seu comentário, sem contar que essa é uma experiência única pra toda a familia vc tem muito o que se orgulhar por estar encarando esse desafio, acho que as pessoas que vencem grandes dificuldade saem mais fortalecidads, e com a auto-estima 100%. Parabéns e não ligue por não dirigir a quase um ano, vc fez uma troca por experiências muito maiores. A vida é pra ser vivida.( é que tem muita gente que só assiste).

      helder | 02/06/2012 | 11:02

      Acompanho sempre os posts do blog que desde o início vem revelando as dificuldades, diferenças, mudanças, e também alegrias dessa família na China. Claro que tem coisas muito particulares de vocês, mas no geral os relatos retratam alguns aspectos bem representativos de todos que se mudam de país, e nesse post você tocou em várias questões comuns a esse "forasteiros", que é a questão da tolerância, de estar aberto à novidades e mudanças e da humildade. Parabéns

      waldyr Abifadel | 01/06/2012 | 19:10

      Esta oportunidade impar de perceber o outro com suas diferenças, é o grande legado desta viagem pelo viver. Sem dúvida, renascidos , solidarios,tolerantes e humildes , são o prenúncio , de como devem ser os seres e saberes.. Orgulhosamente saudoso da familia !

      Georges Lacombe | 01/06/2012 | 15:39

      Cris, emocionante, lindo, sensacional, gostei demais. Belíssimo depoimento. Um beijo para cada um aí. Georges

      Cristiano Candido | 01/06/2012 | 14:27

      olha Chris.... é por estas e outras que os considero uma família de heróis.... parabéns... afinal é isto que vale a pena de nossa pequena existência... experiências e histórias para contar... e isto vocês tem e terão de montão.....Grande Abraço.

      Cezar | 01/06/2012 | 13:13

      Uau, Chris! Lindo texto! Acompanho sempre o seu blog, acho as suas narrativas incríveis, parabéns!

      André Bastos | 01/06/2012 | 13:13

      Texto sensacional dona Cris... Cabia o título: "Lições de vida vindas da china"

      mari ventura | 01/06/2012 | 13:10

      Oi Chris, adorei o teu depoimento. Para mim foi o mais íntimo de todos, afinal, vc não está falando sobre os outros mas sobre a sua percepção do interior desta família. Adorei saber o quanto vcs se transformaram em seres melhores apesar das diferenças. Tomara que tudo que vcs conquistaram permaneça vivo em cada um quando os recém nascidos crescerem. Te conhecendo um pouquinho, me atrevo a dizer que esta conquista já está entranhada. Um grande beijo

      Publicidade
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade