Publicidade
rebouças

Tradicional cantina italiana fecha em Curitiba após 19 anos

por

Casal de italianos tocava o restaurante desde 1998; decisão foi tomada após problemas de saúde do chef Giovanni Lucchini

Compartilhe

Após 19 anos, a tradicional cantina italiana Sapor Itália, que funcionava no Rebouças, fechou as portas. A informação, publicada na página de Facebook em 2 de fevereiro, é a de que Giovanni Lucchini, o chef, passava por problemas de saúde. O restaurante era especializado em comida da Toscana e funcionava desde 1998.

Sapor Italia, tradicional cantina italiana desde 1998, fechou em fevereiro de 2017. Foto: Reprodução/Trip Advisor

Sapor Italia, tradicional cantina italiana desde 1998, fechou em fevereiro de 2017. Foto: Reprodução/Trip Advisor

“O Giovanni com 76 anos não aguenta mais o pique”, escreveu Mia Baggio, sua esposa, pela página da rede social. Em outro comentário, ela responde a um cliente: “Infelizmente foi preciso acabar com a cantina. O Giovanni não tem mais condições de trabalhar. Os médicos pediram para ele parar, stress mata”. A reportagem tentou entrar em contato com o casal Giovanni e Mia Baggio, sem sucesso.

Ravioli de queijo pecorino do Sapor Italia. Foto: Priscila Forone/Gazeta do Povo

Ravioli de queijo pecorino do Sapor Italia. Foto: Priscila Forone/Gazeta do Povo

O dono do imóvel informou que o restaurante parou de operar após a volta do casal de férias na Itália. Segundo Massimiliano Morabito, chef da Osteria Capitolina que passou pela cantina Sapor Itália, a última notícia que teve do casal foi há cerca de 40 dias e de que o casal haveria se mudado novamente para a Itália para que Giovanni pudesse se tratar.

LEIA TAMBÉM

Marian Guimarães: “Toscana muito bem representada no Sapor Itália”

Grappa, a aguardente italiana

Panela de Anacreon: Sapor Itália, a casa mais italiana de Curitiba

Sobre o Sapor Itália

Com 76 anos, Giovanni era a alma do restaurante no casarão tombado em que funcionou o Sapor Itália. As receitas do, como as massas frescas, berinjela à parmigiana, tiramisù e mousse de zabaione, eram suas versões das receitas de família.

Antes de operar na casa histórica da Avenida Iguaçu, em 2006, o restaurante ficava na Rua Padre Anchieta com um terço da capacidade: apenas 20 lugares. O cardápio e o atendimento de Mia Baggio no salão permaneceram mesmo em um espaço maior: de mesa em mesa, a matriarca explicava cada prato do cardápio, falando em português e italiano.

Gnocchi de batata com ragú de javali, prato do Sapor Itália indicado ao Prêmio Bom Gourmet 2016. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

Gnocchi de batata com ragú de javali, prato do Sapor Itália indicado ao Prêmio Bom Gourmet 2016. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

A Cantina Sapor Itália ganhou prêmios da revista Gula (2007), Veja Comer e Beber (2012) e foi indicado como melhor massa no Prêmio Bom Gourmet 2016 pelo gnocchi de batata e ragu de javali, que cozinhava por cerca de 12 horas.

Famosos pela “sinceridade” com que tratavam muitos clientes — há relatos de pessoas convidadas a encerrar a noite antes das 23h para que os proprietários pudessem descansar –, em 2014 Giovanni se negou a participar do Prêmio Bom Gourmet como finalista da categoria sobremesa por seu tiramisù, alegando ser uma casa especializada em massas.

O restaurante tem também uma história com o cinema: foi naquelas mesas de toalha xadrez que o diretor de cinema Marcos Jorge esboçou o filme Estômago (2007) e que o ator Carlos Briani fez o laboratório de seu personagem sob a tutela do chef Giovanni.

Salão do Sapor Itália. Foto: Reprodução/Facebook

Salão do Sapor Itália. Foto: Reprodução/Facebook

Sobre Giovanni Lucchini

Nascido na Toscana, o chef italiano era proprietário de pub em Viareggio, sua cidade natal, e acabou vindo ao Brasil a convite de um amigo que mantinha um restaurante em Paraty (RJ). Conheceu Curitiba na sequência e decidiu ficar. O pub de Viareggio virou uma spaghetteria, cantina e pizzaria que foi tocada pelos dois filhos, que ficaram na Itália.

Mensagens de apoio

As mensagens deixadas na página do Facebook lamentam o fechamento do restaurante. “Que triste! Foi uns dos melhores lugares que trabalhei e comi. Vou ser sempre grato pela experiência, aprendizado e amizades que conquistei neste lugar”, escreveu Jackson André Dias Lira, hoje proprietário de uma pizzaria em Paraty (RJ).

O amigo e cliente Ricardo Taveira comentou: “Eu sei que tudo tem princípio, meio e fim, mas bateu uma tristeza de ver uma história tão bonita terminar. Vou torcer muito para que sejam felizes nessa nova fase e espero de coração que nos encontremos novamente. O Sapor Italia será eterno”.

“O Sapor era sem dúvidas o único lugar em Curitiba onde se podia comer a verdadeira comida italiana e assim matar uma pouco das saudades daquele país. Obrigada por todos os pratos incríveis e deliciosos, por fazerem parte de jantares realmente especiais e por sempre nos receberem como da família, dividindo suas histórias conosco”, escreveu Suliane Vieira.

Compartilhe
Publicidade

Assine a Gazeta do Povo e receba mensalmente o Bom Gourmet.

Assine