Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Cinema

Fechar
PUBLICIDADE

Drama

“Silêncio”, de Martin Scorsese, é ambicioso e frustrante

Cineasta Martin Scorsese fala de questões de fé ao narrar a saga de missionários católicos no Japão do século 17 em “Silêncio”, em cartaz nos cinemas

  • The Washington Post
Liam Neeson faz o padre Ferreira, mentor do protagonista Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield). | Kerry Brown/Paramount Pictures
Liam Neeson faz o padre Ferreira, mentor do protagonista Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield). Kerry Brown/Paramount Pictures
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Há uma cena de batismo em “Silêncio” que é reveladora. Ambientado no Japão do século 17, durante um período de perseguição de cristãos pelo shogunato vigente, o filme gira em torno de um missionário português católico, Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield), que entrou como clandestino no país, onde foi acolhido por camponeses convertidos. Quando chamado para batizar o bebê de um casal cristão, a mãe se vira para ele e pergunta se o bebê está agora “no paraíso”.

O jesuíta a corrige, com um sorriso que demonstra não condescendência, mas tolerância e paciência com sua ingenuidade teológica (uma prova da divisão cultural que atravessa, como um abismo profundo, todo esse filme longo, filosoficamente espinhoso e às vezes violento). O paraíso é a recompensa que Deus dá aos fiéis na pós-vida.

Veja salas e horários no Guia Gazeta do Povo

50% de desconto para assinantes Gazeta do Povo nas salas selecionadas

Para muitos dos outros cristãos clandestinos como aquela jovem mãe – forçados a praticar em segredo a sua versão de uma religião importada –, essa pós-vida virá mais cedo do que o esperado. Como fica claro com essa adaptação de Martin Scorsese, ao mesmo tempo ambiciosa e frustrante, do livro de 1966 de Shusaku Endo (publiado no Brasil pela Planeta), ameaças de tortura e morte aguardavam os cristãos que se recusassem a renunciar publicamente à sua fé, pisando na imagem de Jesus.

A tensão entre a apostasia e o martírio – não quando a própria morte está em jogo, mas quando as ações do indivíduo determinam os destinos dos outros – é o gume afiado de “Silêncio”, cujo título se refere à incomunicabilidade de Deus diante das preces e do sofrimento humano.

Estranhamente, Deus acaba falando com Rodrigues, de forma bastante literal, ainda que fique em aberto se a voz vem da divindade em si ou da cabeça do próprio Rodrigues.

Quando Deus aparece e conversa com o jesuíta, ele se vê confrontado por um dilema que rende ao filme uma urgência que ele tem dificuldade para manter.

O dilema não tem nada a ver com a decisão de Rodrigues de entregar a própria vida, mas com a relutância em apostasiar, mesmo diante da morte dos outros. Num esforço para forçar o padre a renunciar à sua fé, um samurai inquisidor coloca uma fila de vários cristãos japoneses sobre o fosso, só para pressionar Rodrigues. Se o padre renunciar à sua fé, os camponeses vivem. Senão, eles morrem.

O antigo mentor jesuíta de Rodrigues, o padre Ferreira (Liam Neeson), missionário que havia apostasiado anos antes e desde então vive como um estudioso japonês secular, aparece na última hora para convencer seu jovem protegido a renunciar à fé. Mas são todas essas vidas que estão por um fio, e não as palavras de Ferreira, o que fornece a força dramática a um filme tão cheio de falatório.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais