Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Cênicas

Do Bosque do Papa ao Gato Preto

Festival de Teatro transformará diversos pontos da cidade em palco, incluindo praças, boates, um albergue e uma livraria

Peça que estará no Gato Preto foi apresentada em galeria comercial de São Paulo a partir de uma intervenção urbana. |
Peça que estará no Gato Preto foi apresentada em galeria comercial de São Paulo a partir de uma intervenção urbana.
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Já se imaginou assistindo a uma peça no bar Gato Preto/Pantera Negra? Ou passando seu sábado à noite num albergue, para depois correr para dentro dos Correios?São espaços que integram a grade do Fringe, a mostra paralela do Festival de Curitiba, que tem início no dia 26 de março.

A mostra principal do evento inclui locais inusitados como palco: o Bosque do Papa, que recebe a peça paulistana O Espelho, desenvolvida ao redor de uma mesa, e o Parque Barigüi, onde ocorre a abertura, com Homem Vertente, que será montado numa tenda onde funcionou o Parque de Diversões.

Mas é o Fringe que tradicionalmente ocupa locais curiosos. Este é o primeiro ano em que o bar “notívago” Gato Preto/Pantera Negra, na Rua Desembargador Ermelino de Leão, recebe um espetáculo, o paulistano Uma História Radicalmente Condensada da Vida Pós-Industrial. Espécie de intervenção urbana, a peça se passará em meio à atividade normal do estabelecimento, a partir de uma adaptação do livro Breves Entrevistas com Homens Hediondos, de David Foster Wallace.

A boate Cats também une arte e divulgação e apresenta O Mundo Maravilhoso de Cats Club, com direção de Treat Serpa. Outras casas noturnas que abrigam o Fringe são o Jokers Pub, o Ambiental Pub e bares que já apostam no gênero stand-up ao longo do ano.

Enquanto o albergue Curitiba Backpackers Hostel abriga a peça Você Não Me Disse Seu Nome – Questões Que Poderiam Ser, Hotel Fuck: Num Dia Quente a Maionese Pode Te Matar, apesar do nome, começa na calçada, após a chegada da trupe, de ônibus, e termina no experimental Espaço Cênico.

Auditórios que normalmente não apresentam peças entram na força tarefa do Fringe, como a Sala Londrina, no Memorial de Curitiba, onde a artista marroquina Layla Metssitane apresenta a interessante Temor e Tremor, em francês, com legendas em português. Tem ainda o Canal da Música, o auditório Poty Lazzarotto, no Museu Oscar Niemeyer, e o auditório Carteiro Osvaldo Teixeira, na sede dos Correios.

Outros espaços culturais aderem à febre de teatro vivida pela cidade entre março e abril. A Livraria Cultura, no Shopping Curitiba, recebe peças em seu teatro Eva Herz, assim como o Centro Cultural Wanda dos Santos Mallmann, em Pinhais, e o auditório H. Spencer Lewis, da Ordem Rosa Cruz, no Bacacheri.

Por outro lado, a Caixa Cultural deixa de receber mostras especiais do Fringe para priorizar espetáculos de seus editais de fomento. O Paço da Liberdade, que em anos anteriores recebeu peças, assume o papel de núcleo de debates e workshops, além de sediar uma leitura dramática e a apresentação de trechos de ópera (em Highlights Ópera Popular).

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE