Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

G Ideias

Fechar
PUBLICIDADE

líderes populistas

Depois da vitória de Trump, forças contrárias a George Soros crescem

Na Hungria, onde o movimento alcançou grande fervor, partidários do primeiro-ministro Viktor Orban estão difamando instituições “bancadas por capital estrangeiro” – especialmente as sustentadas por George Soros, o liberal bilionário americano

  • Budapeste, Hungria
  • The New York Times
 | JOSHUA BRIGHT/NYT
JOSHUA BRIGHT/NYT
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Fortalecidos pelos sinais encorajadores da administração Trump, os líderes populistas na Europa Central e Oriental elaboram ofensivas simultâneas às ONGs que já foram protegidas por Washington e promovem o governo aberto, o auxílio a refugiados e, muitas vezes, servem como controle de governos autoritários.

Na Hungria, onde o movimento alcançou grande fervor, partidários do primeiro-ministro Viktor Orban estão difamando instituições “bancadas por capital estrangeiro” – especialmente as sustentadas por George Soros, o liberal bilionário americano – e acusando os grupos de querer inundar a Europa com refugiados muçulmanos e transformar nações “cristãs” em um ensopado multicultural da globalização de esquerda. Recentemente, Zoltan Kovacs, porta-voz internacional de Orban, descreveu as organizações como “agentes estrangeiros financiados com dinheiro de fora”.

O ex-primeiro-ministro autocrático da Macedônia, Nikola Gruevski, clama pela “eliminação de Soros” da sociedade, rotulando seus adversários de “Soristas”, inspirando o movimento “Pare a Operação Soros” em janeiro. O líder do partido governante da Polônia, Jaroslaw Kaczynski, diz que grupos financiados pelo bilionário querem “sociedades sem identidade” e apoia novas tentativas para regulá-los. Na Romênia, onde centenas de milhares de manifestantes contra a corrupção tomaram as ruas nas últimas semanas, o líder do partido governante chamou Soros de “o mal financiado” e jurou derrotá-lo.

Atitudes semelhantes começaram ou cresceram na Sérvia, na Eslováquia e na Bulgária desde a vitória do Donald Trump.

“Essas organizações devem ser eliminadas com todas as ferramentas disponíveis. Precisam ser varridas daqui, e acredito que, com as atuais condições internacionais, este é o momento certo, com a eleição de um novo presidente”, disse aos jornalistas Szilard Nemeth, vice-presidente do Fidesz, partido governante na Hungria.

Há mais de meio século, quando primeiramente a Europa lutou para sair das cinzas da Segunda Guerra Mundial e depois se livrou dos grilhões soviéticos, as ONGs apoiadas pelos EUA estão ativas por todo o continente, muitas vezes chamadas para explicar o estilo ocidental do capitalismo democrático para aqueles que não conheciam nem um, nem outro. Sua presença muitas vezes incomodava os líderes mais autoritários do continente, que consideravam muitos grupos irritantes, na melhor das hipóteses, e ameaças, na pior delas.

Tradicionalmente, os governos americanos de ambos os partidos sempre promoveram a difusão da democracia e teimosamente apoiaram esses grupos de defesa, mas Trump afirmou que não irá pressionar o sistema político dos EUA em outros países e se aproximou de alguns dos líderes de extrema-direita da Europa. Ele também criticou a União Europeia e fez comentários depreciativos sobre alguns princípios democráticos, incluindo sua crítica frequente à imprensa.

Para líderes populistas como Orban, que vai aos poucos levando a Hungria em direção à democracia não liberal, o novo tom da Casa Branca é visto como uma grande oportunidade. “Eles veem isso como um momento histórico. A situação geopolítica mudou”, disse Jozsef Peter Martin, diretor-executivo da filial húngara da Transparência Internacional.

Durante anos, os governos autoritários e populistas transformaram organizações de “capital estrangeiro” em alvos em várias partes do mundo, da China à Índia, e especialmente na Rússia de Putin. Uma mentalidade semelhante era comum na Europa Central e Oriental, mas agora os governos na Hungria e em outros lugares estão indo além do discurso político, propondo uma legislação.

“Orban diz que a época de Trump é uma nova oportunidade internacional para Hungria. Afirma que é um presente para nosso país”, disse Marta Pardavi, cofundadora do Comitê de Húngaro de Helsinki, que recebe cerca de 30 por cento do seu financiamento de fundações apoiadas por Soros.

Gergely Gulyas, vice-presidente do partido governante da Hungria, concordou que a vitória de Trump criou um clima geopolítico mais atraente para os atuais líderes húngaros, mas advertiu que essa não é a razão decisiva para a repressão. “Acho que teríamos feito isso mesmo que Hillary Clinton tivesse vencido”, disse ele.

Ele e outros apoiadores do governo húngaro dizem que o clamor da sociedade civil é uma reação exagerada ao que simplesmente é uma tentativa razoável para forçar as organizações a serem mais “transparentes”, efetivamente voltando o discurso dos grupos de defesa contra eles mesmos.

Na Hungria, autoridades do partido governante começaram a criticar as ONGs de capital estrangeiro em 2013. No ano seguinte, os investigadores do Estado se dedicaram a organizações que receberam dinheiro da Norway Grants, grupo que a nação escandinava usa para promover a igualdade social e econômica no antigo leste comunista. Agentes invadiram os escritórios de Budapeste de três organizações e exigiram a documentação de dezenas de outras, mas o relatório final dos investigadores, divulgado no final do ano passado, não encontrou infrações graves à lei húngara, e nenhuma acusação foi feita.

Porém, logo após a eleição do Trump, líderes do partido Fidesz renovaram imediatamente seus ataques às ONGs com “capital estrangeiro”, dizendo que os novos vilões eram grupos patrocinados por Soros, ao mesmo tempo em que propunham maiores restrições legislativas. A cúpula do Fidesz não revelou suas propostas, mas disse que pretende criar um registro de tais organizações e que irá exigir a divulgação de seus dados financeiros. Algumas autoridades propuseram a exigência de que líderes de ONGs locais divulgassem suas finanças pessoais.

“Só estamos interessados em transparência. Esse é um debate que está ocorrendo em todo o mundo, importante sobre o futuro da democracia”, disse Gulyas.

Assédio e intimidação

Mas grupos de defesa dizem que o problema tem mais a ver com assédio e intimidação. Para Stefania Kapronczay, diretora-executiva da União Húngara de Liberdades Civis, que obtém mais de metade do seu financiamento de organizações apoiadas por Soros, as autoridades húngaras estavam fazendo um teste para ver “do que conseguiriam se safar”. “Novas restrições teriam um efeito negativo”, disse ela. “Algumas ONGs menores já desistiram. A vontade das pessoas de cooperar conosco diminuiu.”

Chris Stone, presidente da Open Society Foundations, descreveu a repressão governamental como “uma campanha de líderes de governo que se sentem impacientes com as instituições da democracia”.

A Macedônia, que luta para formar um novo governo nos escombros de uma crise política de dois anos, assumiu talvez a mais contundente posição anti-Soros: a campanha Pare a Operação Soros divulga a ideia de que a pressão internacional, de ONGs e governos ocidentais, forçou a queda recente do governo direitista de Gruevski, que espera poder retornar ao poder.

“Acreditamos que, nestes tempos instáveis, é realmente importante tirar a máscara das chamadas organizações cívicas e revelar claramente suas metas e ações políticas, além de seu financiamento”, disse Nenad Mirchevski, um dos fundadores do movimento.

Na Polônia, para acalmar um surto de declarações anti-Soros, a primeira-ministra Beata Szydlo disse que seu governo pretendia criar um novo órgão para coordenar o financiamento estatal de todas as organizações não governamentais. Na Eslováquia, um partido de extrema-direita propôs exigir que as ONGs com “capital estrangeiro” se registrem no governo. Esse esforço não teve sucesso, mas fez pouco para conter a maré do discurso anti-Soros.

“Forças demoníacas do mal, representadas por Soros, os Clintons, a família Bush e outros, não se conformam com a derrota na eleição, e atacam Trump constantemente, querendo se livrar dele”, disse um artigo recente no Hlavne Spravy, jornal eslovaco de direita.

Desde que o partido nominalmente socialista da Romênia retornou ao poder, em dezembro, seu líder populista, Liviu Dragnea, vem exigindo maior controle sobre as ONGs. “Tenho algo contra o senhor Soros”, disse Dragnea em uma entrevista no final de janeiro.

Na Bulgária, o bilionário e as organizações que defendem os direitos humanos estão sob ataque. Um jornal local, logo após a vitória do Trump, o descreveu como “terrorista liberal”.

Na Sérvia, publicações locais de direita e pró-Rússia ligaram Soros aos Rothschilds, destacaram seu judaísmo e descreveram seus esforços como um “movimento radical anti-Trump”.

“E esse é apenas o início da história; o governo estigmatiza os grupos como sendo de ‘capital estrangeiro’, para que a repressão futura seja mais fácil”, disse Laszlo Majtenyi, diretor do Instituto Eotvos Karoly, em Budapeste, organização fundada por Soros, e candidato à presidência da coalizão de esquerda em abril.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais