Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

notas

G indica

 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

G indica

CDIn Love AgainStacey Kent. LAB244. Preço médio: R$ 28. Jazz

A norte-americana Stacey Kent, mais conhecida na Europa do que em sua terra natal, é uma intérprete singular. Respeitada no mundo do jazz, a cantora não tem uma voz possante, de enorme alcance. Pelo contrário. Prima pelo detalhe e pela contenção ao utilizar seus dotes. Canta pequeno, e isso é muito bom. Em In Love Again. lançado originalmente em 2002 pelo selo britânico Candid Records, ela interpreta canções do grande compositor de musicais Richard Rodgers, em parcerias antológicas, primeiro com Lorenz Hart e, depois, com Oscar Hammerstein.

Por que ouvir? Em arranjos perfeitos para acompanhar a voz suave e expressiva de Stacey, o repertório é impecável: entre as faixas, o clássico absoluto “Bewitched, Bothered and Bewildered”, da trilha sonora de Pal Joey, filme estrelado por Frank Sinatra; a divertida “I´m Gonna Wash that Man Right Outta My Hair” e a etérea e belíssima”ali Ha´i”, de Ao Sul do Pacífico. Classe A. (PC)

Site 1Traveling Wilburyswww.travelingwilburys.com

No Brasil, o Dia dos Pais é celebrado apenas no segundo domingo de agosto, mas nos EUA a comemoração acontece hoje. Para homenagear todos os “daddys” americanos, a gravadora Rhino promove hoje um tributo especial à extinta banda The Traveling Wilburys: a exibição, durante 24 horas consecutivas, do documentário The True History of the Traveling Wilburys no site do grupo, a partir das 4 horas da madrugada (horário de Brasília).

Ficou difícil de entender a relação do filme com o Dia dos Pais? O G Indica explica: o Traveling Wilburys é um supergrupo formado no fim dos anos 80, por ninguém menos que George Harrison, Bob Dylan, Roy Orbinson, Jeff Lyne e Tom Petty. Eles gravaram dois álbuns, em que se apresentavam sob pseudônimos – Nelson (Harrison), Lucky (Dylan), Lefty (Orbinson), Otis (Lyne) e Charlie T. Jr (Petty). Os cinco ainda se diziam meio-irmãos e filhos de um mesmo pai fictício, o mulherendo e be­­berrão Charles Truscott Wilbury.

Graças a essa brincadeira que virou homenagem, fãs do mundo inteiro terão acesso, neste domingo, a imagens inéditas dos membros da ilustre “família Wilbury”, até hoje restritas a poucos admiradores. (JG)

LivroKappaAkutagawa Ryunosuke. Tradução de Nils Skare e Ricardo Carnieri. L-Dopä Publicações. 90 páginas. R$ 18. Fábulas.

A editora curitibana L-Dopä traduziu um dos últimos textos do japonês Akutagawa Ryunosuke, escrita no ano em que se matou, 1927. Esse fim atribulado nunca poderia ser imaginado pelas palavras de Kappa, uma suave imersão na mitologia nipônica. Nela, tomamos conhecimento desses seres verdes e aquáticos, os kappas, que possuem bico de ave e um prato (!) oval no topo da cabeça. Se escondem dos humanos, mas encontros são possíveis – é uma espécie de saci japonês.

Que o diga o “paciente número 23”, que nos relata um período passado na terra desses estranhos seres. Lá, fez muitas amizades, com kappas diferentes entre si: alguns são letrados, outros grosseiros, outros cansaram da vida.

Por que ler? Além de ser um contato interessante com outra cultura, é interessante conhecer o texto de Ryu­nosuke, que se assemelha a uma fábula para adultos. Sobre ele, o argentino Jorge Luis Borges disse que “extravagância e horror estão em sua obra, mas nunca em seu estilo, que é sempre límpido como cristal”.

Aquisições podem ser feitas pelo blog http://ldopa.com.br/ (HC)

Site 2Manual Prático de Bons Modos em Livrariashttp://manualpraticodebonsmodosemlivrarias.blogspot.com/

Em seu segundo mês de existência, o blog Manual Prático de Bons Modos em Livrarias já causou sensação entre os consumidores de livros. O autor – que pode ser mais de um, ou ser uma autora, afinal, sua identidade é mantida em anonimato – dá a entender que é um atendente de livraria e, divertindo-se com as atrapalhadas que alguns clientes, leitores ocasionais, fazem na hora de pedir um livro, reuniu uma coletânea desses momentos.

Repare: com bom humor, o autor do blog relata conversas de clientes que afirmam que o russo Liev Tolstói é o autor do clássico O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien, ou confundem best sellers e pe­­dem por títulos híbridos, como A Menina Que Empinava Pipa, O Buda e o Executivo e A Cabana de Marley & Eu, ou ainda pedem por serviços de papelaria, como plastificação dos documentos. Ao fim de cada postagem, uma dica de bons modos em livrarias é dada, para que a pessoa não cometa tantas gafes na hora de comprar um livro, como por exemplo, pesquisar um pouco sobre o livro antes de procurá-lo ou certificar-se de que, quando um livro for publicado por mais de uma editora, trazer essa informação junto, além de diferenciar os serviços prestados numa livraria daqueles que podem ser encontrados em uma biblioteca ou mesmo em uma papelaria.

Tudo com bom humor: “papelaria não vende livro. livraria não faz serviço de papelaria. caso você veja o contrário, comece a rezar. você pode estar correndo sérios riscos”, diz uma das postagens. (YA)

Blu-rayBravura IndômitaEstados Unidos, 2010. direção de Ethan e Joel Coen. Warner Brothers. Preço médio: 89,90.

O filme dos irmãos Joel e Ethan Coen, chega às locadoras em formato DVD e estará à venda em Blu-ray nesta semana, depois de ter sido indicado em dez categorias ao Oscar deste ano (mas não ganhou nenhuma estatueta). É a refilmagem do clássico homônimo protagonizado por John Wayne, em 1969. A trama se encaixa bem na trajetória cinematográfica dos Coen, cujos filmes costumam trazer situações extremas, com muito sangue e armas, além de muita ironia e cinismo. Ou seja, quem é fã de Fargo (1996) e Onde os Fracos Não Têm Vez, ganhador do Oscar de melhor filme em 2008, deverá gostar do faroeste remodelado para o século 21, que segue em grande parte o filme de 1969.

Preste atenção: na jovem atriz Hailee Steinfeld, que interpreta Mattie Ross, uma adolescente de 14 anos que sai para vingar a morte do pai. A estreante se destaca no longa, principalmente nos diálogos com o xerife Rooster Cogburn, interpretado por Jeff Bridges, papel que havia sido de Wayne na versão original. As conversas entre os dois, a ironia de Cogburn e a espontaneidade com a qual a menina lida com o xerife pontuam os melhores momentos da trama. (IR)

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE