Literatura

Fechar
PUBLICIDADE

Literatura

Oliver Sacks dá adeus à vida em “Gratidão”

Textos do escritor neurologista, morto em agosto passado, falam sobre a velhice e a descoberta de um câncer terminal

Sacks durante sua conferência na série TED Talks, em 2009. | Steve Jurvetson/Creative Commons
Sacks durante sua conferência na série TED Talks, em 2009. Steve Jurvetson/Creative Commons
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O livro póstumo “Gratidão” reúne quatro textos de Oliver Sacks, um sobre a velhice e três sobre a morte, todos publicados originalmente pelo jornal “The New York Times”.

O primeiro, “Mercúrio”, foi escrito pouco antes de o autor de “Enxaqueca” fazer 80 anos, em 2013, e fala de maneira franca sobre como é viver com oito décadas nas costas.

Os outros três funcionam como um testamento do neurologista escritor, em que faz um balanço da própria vida, revisita o passado e decide como quer passar o pouco tempo que ainda tem.

“Quanto a mim, não creio em (nem desejo) uma existência após a morte, exceto na memória dos amigos e na esperança de que alguns dos meus livros ainda possam ‘falar’ às pessoas depois que eu morrer.”

Oliver Sacks (1933-2015)neurologista e escritor

A notícia de que Sacks havia sido diagnosticado com câncer metastático no fígado se tornou pública no início de 2015 – ele soube no fim do ano anterior, pouco depois de entregar para publicação as memórias “Sempre em Movimento”.

As poucas páginas de “Gratidão”, numa edição elegante em capa dura e formato menor que o de um livro comum, têm uma urgência que não existe nas memórias. Nestas, Sacks observa tranquilo sua carreira e sua obra, às vezes até descambando para a autoimportância.

Nos textos para o “New York Times”, o tom é de humildade e de gratidão – palavra perfeita para o título do livro, editado com o apoio de Bill Hayes, companheiro do escritor em seus últimos sete anos, e Kate Edgar, secretária dele por décadas.

O fim

A urgência diz respeito a como viver o fim. “Desejo e espero, no tempo que ainda me resta, aprofundar minhas amizades, dizer adeus àqueles a quem amo, escrever mais, viajar, se tiver forças, atingir novos patamares de compreensão”, escreve Sacks.

“Será preciso audácia, clareza e franqueza; tentar pôr em ordem as minhas contas com o mundo. Mas haverá tempo, também, para alguma diversão (e até um pouco de bobagem).”

Ele fala assim, com franqueza e simplicidade, ao longo dos textos. Admite que sente medo, lamenta o cansaço, reconhece a felicidade que sentiu ao assumir publicamente que é gay (o que fez no livro de memórias).

Senciente

Citando Freud, Sacks diz que amar e trabalhar são as duas coisas mais importantes da vida. Ele amou e trabalhou. “Acima de tudo, fui um ser senciente [que sente], um animal que pensa, neste belo planeta, e só isso já é um enorme privilégio e uma aventura.”

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais