Caderno G

Fechar
PUBLICIDADE

Cinema

Mais uma peça no mosaico

Em cartaz em Curitiba, documentário O Dia Que Durou 21 Anos mostra ação dos EUA no golpe militar no Brasil, em 1964

Filme faz recorte inédito dos anos de chumbo no Brasil |
Filme faz recorte inédito dos anos de chumbo no Brasil
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O acidentado caminho da democracia brasileira tem um Dia D peculiar, iniciado em 31 e março e encerrado em 1.º de abril, justo no dia dos bobos.

O golpe militar de 1964, que derrubou o presidente João Goulart e colocou o Brasil sob a ditadura militar, ganha no documentário O Dia Que Durou 21 Anos mais uma abordagem de extrema relevância, entre as tantas que o cinema brasileiro tem apresentado nos últimos anos sobre o tema.

Em cartaz em Curitiba desde ontem, no Espaço Itaú de Cinema, o filme de Camilo Tavares faz um recorte até aqui inédito sobre os anos de chumbo no Brasil: a ação direta do governo dos Estados Unidos para tirar Jango do poder, interferência sabida, mas que agora Camilo comprova com documentos e gravações até então inéditas garimpadas, sobretudo, em arquivos de Washington.

Uma gravação, por exemplo, traz uma conversa de 1962 entre o presidente John F. Kennedy e seu embaixador no Brasil, Lincoln Gordon, em que manifestam a preocupação com o que julgam ser uma inclinação de Jango à esquerda e falam em apoiar militares brasileiros insatisfeitos de forma “discreta” e que os EUA não seriam hostis a uma ação para impedir a “entrega do país aos comunistas”.

Começa a se articular ali, no calor da Guerra Fria e diante do temor americano de que o “barbudo” Fidel Castro espalhasse sua revolução pela América Latina, o processo que culminaria no golpe de 1964, tratado, pelos golpistas, como “revolução democrática”.

O Dia Que Durou 21 Anos também comprova com documentos a existência da Operação Brother Sam, força naval americana deslocada para Santos (SP) – reforçada por um porta-aviões – que ficou em prontidão para entrar em campo caso houvesse resistência ao golpe de 1964.

Filho do jornalista e ex-preso político exilado Flávio Tavares – que assina a produção do longa –, Camilo faz de O Dia Que Durou 21 Anos uma das mais importantes peças do mosaico que o cinema documental brasileiro ergue sobre a ditadura – que já abordou, entre outros temas, o trabalho conjunto dos governos militares de países do Cone Sul na caça aos opositores (em Condor) e o financiamento de empresários graúdos aos órgãos de repressão (em Cidadão Boilesen).

O trabalho conjunto de pai e filho é primoroso no rigor histórico e jornalístico com que preenchem mais essa lacuna na memória do país, missão na qual não poderiam deixar de ouvir – entrevistados pelo próprio Flávio – militares protagonistas do golpe que seguem convictos de que agiram pelo bem do Brasil.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais