Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

Divulgação

Divulgação / (A partir da esq.) Loz Colbert, Andy Bell, Steve Queralt e Mark Gardener: quatro discos em oito anos (A partir da esq.) Loz Colbert, Andy Bell, Steve Queralt e Mark Gardener: quatro discos em oito anos
Rock

“Curto e doce, autodestrutivo e perfeito”

Em entrevista exclusiva à Gazeta do Povo, Andy Bell (ex-Oasis) e Mark Gardener, fundadores do Ride, falam sobre a tempestuosa e prolífica carreira da banda. Disco Going Blank Again, que faz 20 anos, será relançado com DVD extra

Publicado em 15/07/2012 |
  • Comentários

Vá para o YouTube, procure por “Leave Them All Behind”, ouça a música e veja se você não concorda com essa mini-resenha: “é um baixo de uma ótima banda punk! Há alguns efeitos novos na guitarra! Novas ideias!” Foi com todas essas exclamações que a revista britânica New Musical Express recebeu o disco Going Blank Again, em março de 1992. O álbum era o aguardado segundo trabalho de estúdio da banda Ride, destaque na cena musical de Oxford, cidade ao nordeste de Londres. A empolgação tem duas explicações principais.

Uma é a expectativa latente que existia na época, já que o Ride, dois anos antes, havia chacoalhado a Inglaterra com Nowhere, seu primeiro disco. A segunda é o próprio álbum. Mark Gardener (guitarra e voz), Andy Bell (guitarra e voz), Steve Queralt (baixo) e Loz Colbert (bateria), em rara sintonia, colocaram em um só pacote letras incríveis, vozes harmonicamente complementares e uma parede sonora inconfundível. Este último é o maior ingrediente da cena shoegaze – que tem o My Bloody Valentine como divindade, mas sempre o Ride como exemplo.

Relançamento

Going Blank Again – 20th Anniversary Edition + DVD Live at Brixton Academy

Ride. RideMusic. Importado. Preço médio: US$ 38. Disponível pelo site OxfordMusic.Net.

“Atualmente há inúmeras bandas que se autoentitulam shoegazers. E isso nunca aconteceu nos anos 90!”

Andy Bell, músico

O DISCO

Toneladas de guitarras e um quê de pop

Produzido por Alan Moulder (Depeche Mode, My Bloody Valentine e Interpol), Going Blank Again (GBA) surgiu na esteira de Nowhere (1990), primeiro e mais aclamado disco de estúdio do Ride. “Leave Them All Behind” e “Twisterella” foram os singles daquele álbum de dez faixas, selecionadas entre 25 que foram compostas pela banda de Mark Gardener e Andy Bell.

O DNA shoegazer é o mesmo. Estão lá as guitarras lancinantes e o baixo hipnótico (“Leave Them All Behind”), os vocais melancólicos e cíclicos (“No Fazed”) e as músicas etéreas e insinuantes, como “0X4” e seus sete minutos de reverberação.

Mas, ao contrário do que sugere Nowhere, GBA é mais ensolarado e até pop. A simplicidade de “Twisterella” comprova isso, assim como a maior utilização de violões e teclados nas músicas.

“Mouse Trap” e “Time of Her Time” são mais diretas, e lembram algo dos escoceses do Teenage Fanclub, principalmente pelas guitarras urgentes – e há toneladas delas em quase todas as faixas.

Embora as letras sejam simples, contundentes e às vezes obtusas – desde sempre uma marca de Andy e Mark, que dividem as composições –, os vocais salvam qualquer deslize. Juntos, os dois são capazes de criar uma ambientação única, um mundinho paralelo e aconchegante que sobrevive no meio de todo aquele barulho.

Going Blank Again foi remasterizado e relançado em 2001, e foram acrescidos quatro lados-b: “Going Blank Again”, “Howard Hughes”, “Stampede” e “Grasshoper”. Todas as faixas também estarão na versão comemorativa de 20 anos, que surge para relembrar uma banda daquelas que nos faz dizer volta e meia “pena que acabou”. GGGGG

Na íntegra

Leia as entrevistas completas de Andy Bell e Mark Gardener no blog Pista 1 (www.gazetadopovo.com.br/blog/pista1/)

O disco atingiu o Top 5 das paradas britânicas daquela época, confirmando o sucesso-relâmpago de uma banda “autodestrutiva” que terminaria quatro anos depois. Going Blank Again fez 20 anos em 2012 e será relançado em agosto, com um DVD da apresentação que a banda fez em março de 1992, na Brixton Academy. “Os shows ao vivo eram uma espécie de ‘agressão sonora’: o volume era importantíssimo”, lembra Andy Bell, atual guitarrista da Beady Eye e ex-baixista do Oasis. Já Gardener resume a curta carreira de uma banda que mudou a direção de parte da música britânica. “Foi uma época sensacional e maluca.” Bell e Gardener conversaram com exclusividade com a Gazeta do Povo por e-mail.

O Ride foi formado em 1988. Em meio a grupos como Talulah Gosh, The Anyways e Shake Appeal (a futura Swervedriver) a banda se destacou, criou uma legião de fãs e virou marco de um subgênero do rock. O motivo principal era a ousadia musical, já presente na gravação de seu primeiro EP, em 1990. Conta-se que o engenheiro de som, à época, disse que não podia ouvir nada de forma distinguível porque havia “muita guitarra e muito barulho”. “Ótimo, deixa como está”, teria dito Bell.

A humildade – na verdade a falta dela – também foi providencial. “Via o Ride como um grupo pop, na linha dos Beatles. Nunca entendi porque nós não continuamos a crescer depois de ‘Leave Them All Behind’”, cutuca Bell, falando sobre o single do disco. “Ninguém tinha interesse em sair de Oxford até o Ride surgir,” completa.

Para Gardener, a carreira do Ride foi na medida. “Fizemos as músicas do nosso próprio jeito e vivemos no auge da vida. Não havia como acontecer isso se fizéssemos música pensando no mainstream.” Na mesma toada, Andy Bell resume tudo de forma certeira. “Foi uma carreira curta e doce, autodestrutiva e perfeita.”

O quarteto gravou mais dois discos (Carnival of Light, lançado em 1994, e Tarantula, em 1996) e se separou logo depois, abrindo caminho para bandas como Supergrass – também de Oxford – e ajudando a definir a sonoridade até do Radiohead.

“A banda acabou porque Gardener saiu e o resto de nós sentiu que seria errado continuar sem ele,” diz Bell. Mark se justifica. “Nós não estávamos mais caminhando na mesma direção e com as mesma forças. Aquele não era mais um ambiente saudável.”

Além do emblemático Going Blank Again, a “experiência Ride” realmente deixou marcas inesquecíveis na dupla fundadora da banda. “Tenho boas e más lembranças daquele tempo. Foi realmente um período incrível em minha vida. Não tenho desejo de voltar àquela época, mas foi uma grande experiência”, diz Andy. “Sinto falta de ter 20 anos e ser um cara que faz shows com uma banda como o Ride. Mas não é tanta falta assim. Estou feliz aqui e agora”, responde Mark, citando “Here and Now”, música do disco Nowhere.

Hoje, Mark Gardener trabalha como produtor musical em seu próprio estúdio, em Oxford. Montou a quase anônima Animalhouse, e, quando é convidado, compõe e toca suas músicas em festivais pela Inglaterra. Ride, inclusive. O músico pode vir ao Brasil em breve. “Acabei de receber um convite de um empresário, então talvez logo eu vá para aí. Gostaria muito”, diz.

Já Andy Bell passou a última década como baixista do Oasis e, mesmo depois da separação dos irmãos Gallagher, continua ao lado de Liam, agora na guitarra. “Beady Eye estará de volta ao Brasil em 2013”, anuncia o britânico, que elogia o Gallagher polêmico. “Liam é um ótimo cara para se trabalhar, ele é muito talentoso como cantor e compositor – e é muito bom no violão, embora muitas pessoas não percebam isso...”

O baixista Steve Queralt mora em Londres e trabalha para uma indústria italiana de móveis. O baterista Loz Colbert continua tocando e faz turnês com The Jesus and Mary Chain, International Jetsetters e outros grupos.

E, para uma única pergunta, a resposta dos dois ex-Ride é a mesma. “A banda planeja algum tipo de reencontro? Um show, talvez?” “Não, não há nada planejado.”

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade