Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

Conexão Brasília

Manual de escolha do vice

Publicado em 29/06/2012 |
  • Comentários

Reza a cartilha do marketing político que candidato a vice não dá voto. Mas tira. Em outras palavras, o potencial de atrapalhar a chapa é sempre maior que o de ajudar. Além disso, não adianta acreditar na ideia de que escalar um astro como coadjuvante vai superar o problema de ter um protagonista sem carisma.

Em 2012, a escolha de vices para as disputas municipais tem ganhado uma dimensão política fora do comum. Em São Paulo, Luiza Erundina (PSB) colocou fogo na esdrúxula aliança entre Lula e Paulo Maluf ao se recusar a ser vice de Fernando Haddad (PT). A substituta, Nádia Campeão (PCdoB), acabou selecionada pelo potencial de não gerar novas encrencas.

Nos corredores

Lembra do Derli?

No Paraná, o maior exemplo do potencial destrutivo de um vice aconteceu na campanha pelo governo do estado, em 2006. Na reta final do segundo turno, Roberto Requião (PMDB) sapateou nas denúncias contra o vice de Osmar Dias (PDT). Ex-prefeito de Toledo, Derli Donin (PP) respondia processo por enriquecimento ilícito, formação de quadrilha, fraude em licitações e danos ao patrimônio público. Osmar perdeu a eleição por 10 mil votos.

O Indio de Serra

Outro episódio notório na política paranaense ocorreu em 2010, quando Alvaro Dias (PSDB) chegou a ser anunciado como candidato a vice de José Serra. Por pressão do DEM, Serra acabou desistindo da chapa pura tucana e aceitou a indicação do deputado federal Indio da Costa. Indio passou a campanha tentando posar como o pai da Lei da Ficha Limpa. Não colou.

Telecatch

Vice de Cassio Taniguchi na prefeitura de Curitiba, Beto Richa venceu sua primeira eleição municipal em 2004 após um polêmico rompimento com o parceiro. Richa “brigou” com Cassio, que passava por uma crise de popularidade, e aproveitou um momento de interinidade para baixar a passagem do ônibus em R$ 0,25. A estratégia deu certo. E hoje Cassio é secretário do governo Beto.

Em Curitiba, Luciano Ducci (PSB) e Rubens Bueno (PPS) selaram ontem um casamento de novela, com direito a polêmicas familiares e muita gente levantando a mão na igreja dizendo que é contra a união. No fim, parece que tudo deu certo. Só não se sabe até onde vai o “felizes para sempre”.

Esperneios à parte, Bueno é um político de trajetória interessantíssima. Sem estrutura partidária e recursos, fez campanhas honrosas para governador do Paraná (2002 e 2006) e prefeito de Curitiba (2004). Como deputado federal, tornou-se um dos raros nomes de destaque da oposição em Brasília.

Pesando os currículos, Bueno tem mais densidade política que Ducci. Por que então aceitaria ser vice-prefeito? No fundo, porque é um outsider dos grupos que comandam a política no estado e, aos 64 anos, percebeu que embarcar de vez no grupo de Beto Richa seria uma das últimas chances de chegar a um cargo relevante no Executivo.

E Ducci, o que ganha com a escolha? No curto prazo, muito. Acossado pelas denúncias sobre seu aumento de patrimônio feitas pela revista Veja, o prefeito agrega um nome que sempre fez campanhas pautadas pelo “voto limpo”.

Além disso, Bueno tem apelo na mesma faixa eleitoral do principal adversário de Ducci, Gustavo Fruet (PDT). Os dois, por sinal, construíram carreiras parlamentares bem similares em Brasília. A diferença é que Fruet, depois de deixar o Congresso, trocou o PSDB por um partido governista.

A opção de Ducci também serve para anular a estridente vereadora Renata Bueno (PPS), filha de Rubens. Somando mais esse aspecto, parece tudo perfeito. Mas escolhas “sob medida”, pautadas apenas na ideia de que vão atrair votos, nem sempre têm o caimento ideal.

Tem até filme sobre isso. Lançado há pouco mais de um mês no Brasil, Game Change mostra como foi conduzida a seleção de Sarah Palin como candidata a vice do republicano John McCain na disputa pela presidência dos Estados Unidos em 2008. Governadora do Alasca, Sarah foi uma medonha invenção dos assessores de campanha de McCain para tentar equilibrar a disputa contra Barack Obama.

Há, por último, um efeito colateral implícito na escolha do vice – o que fazer com ele depois de eleito. O esquerdista Fernando Lugo escolheu o conservador Federico Franco como parceiro para a presidência do Paraguai. E Franco, depois, ajudou na rasteira do impeachment que Lugo levou do Congresso.

Por isso a conta do vice não se resume a uma só variável. Entre tantas possibilidades, fica a dica que vale tanto para políticos quanto eleitores: vice pode até não mandar nada. Mas um dia você pode precisar dele.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade