Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Curitiba

Moradores das Mercês se mobilizam por solução no trânsito

Por meio da associação do bairro Mercês, moradores e empresários apresentaram um projeto para a via ao Ippuc

  • Vivian Faria, especial para a Gazeta do Povo
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quem passa pela Rua Jacarezinho, no bairro Mercês, em Curitiba, já sabe: a chance de enfrentar um congestionamento é bastante grande no cruzamento com a Avenida Manoel Ribas. A situação incomoda não apenas quem passam por ali, mas também os moradores e comerciantes da região. Eles consideram que o encontro entre as ruas está relacionado a outros problemas da via.

“Esse cruzamento é, senão o pior, um dos piores em termos de engarrafamento, congestionamento, mobilidade urbana. E começamos a ver que ele acarreta uma série de problemas colaterais. No cruzamento com a Rua Desembargador Vieira Cavalcanti, por exemplo, no sentido Vista Alegre/Bom Retiro, acontecem colisões frequentes”, diz o presidente da Associação de Moradores e Empresários das Mercês (Amoem), Antonio Carlos Carvalho.

A situação da via fez com que a Amoem investisse em um projeto próprio de alterações na Rua Jacarezinho para apresentar à prefeitura. O projeto, desenvolvido sob orientação da ReUrb, uma organização da sociedade civil de interesse público que tem por objetivo auxiliar os setores públicos e privados em projetos e processos de reurbanização, prevê que a via tenha uma mão única, indo no sentido Bom Retiro.

Além disso, a rua teria três faixas para circulação de carros e uma para estacionamento. “Nesse formato, evita o encontro de frente de veículos no cruzamento com a Rua Des. Vieira Cavalcanti e aumenta o fluxo [no sentido bairro] em 50%”, diz o presidente da associação. O sentido bairro-centro seria feito pela Rua Julio Perneta, que, conforme Carvalho, foi remodelada em 2014 e seria hoje subutilizada.

A proposta foi apresentada ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (Ippuc) no fim de maio e agora deve ser avaliada tanto pelo instituto quanto por outros órgãos do governo municipal. De acordo com a Amoem, as questões a serem avaliadas são a adesão dos moradores à proposta, a resistência do pavimento da Rua Julio Perneta à circulação intensa de ônibus (já que eles também teriam que passar pela via) e as alterações necessárias nas rotas de ônibus.

O Ippuc confirma que a recebeu e diz apenas que ela está sendo analisada no âmbito das propostas para a Lei de Zoneamento e Uso do Solo. De acordo com o instituto, “o entroncamento viário da Avenida Manoel Ribas com a Rua Jacarezinho é objeto de estudo em curso no Ippuc como uma das prioridades para solucionar gargalos de tráfego na região” e a solução devem levar em conta a integração das linhas Inter 2 e Bairro Alto/Santa Felicidade, que param na estação Mercês, e o ordenamento harmônico do fluxo de veículos de passeio e do trânsito de pedestres na região.

Insatisfação

No caso de moradores e comerciantes, a proposta satisfaz alguns, mas não todos. “A Rua Jacarezinho é 70% comércio e ele se formou a partir de um fluxo: o das pessoas indo para casa [indo para o Bom Retiro]. Se ela ficar numa mão, teria que subir, senão vai prejudicar todo o comércio, vai ficar na contramão do fluxo que o formou”, avalia o sócio de Marilene, Leandro Canestraro.

Já para o Péricles Perozin, o proprietário de uma loja de pintura e decoração, se a rua tiver uma mão única, a velocidade deve aumentar. “Daí as pessoas nem vão ver minha loja. Para mim pode deixar assim”, avalia. Ele acredita, no entanto, que a padronização do estacionamento pode contribuir para melhorar o fluxo na via. “Tem uma parte em que os carros pode parar dos dois lados da rua. Tem outra em que pode parar de um lado da rua. E tem mais uma em que não pode parar. Ou para todo mundo igual na rua inteira ou não para ninguém”, diz.

Outros cruzamentos

Outros cruzamentos também incomodam quem usa a via por serem perigosos. “Eu trabalho quase na esquina com a Rua Myltho Anselmo da Silva. O pessoal desce correndo lá de cima, quem vai virar não vê e acaba acontecendo bastante acidente”, diz Denise Ferreira Gavião, funcionária de uma malharia situada na Rua Jacarezinho. A uma quadra dali, na esquina com a Rua Solimões, a situação não é muito diferente. “Temos até um requerimento na prefeitura para colocar uma lombada na Rua Solimões. Os carros vem muito rápido tanto na Jacarezinho quanto na Solimões e tem acidentes graves ali”, diz a sócia de uma padaria localizada na esquina das duas vias, Marilene Novacki da Rosa.

Outra questão é o fato de a rua ser estreita demais para ter duas faixas em cada sentido, especialmente considerando o fluxo de ônibus no local. “Se você prestar atenção, ela tem quatro faixas, mas quando passa um ônibus, não passam mais quatro veículos ao mesmo tempo”, conta Marilene.

Segundo a associação, há ainda a falta de locais para estacionar em determinados pontos da rua. Além de contribuir para os problemas de trânsito, isso prejudica o comércio. “O comerciante – quando quer manter o cliente – tem que abrir um recuo na calçada e pagar do bolso essa vaga, que nem sempre é utilizada por ele ou clientes dele”, explica o presidente da Amoem.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Curitiba

PUBLICIDADE