Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

transporte

Por que ainda não existem bicicletas compartilhadas em Curitiba?

Dez meses depois do prazo previsto, ainda não há expectativa de quando o projeto sairá do papel

  • Beatriz Pozzobon, especial para Gazeta do Povo
 | Divulgação
Divulgação
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Não foi em 2017 que as bicicletas compartilhadas começaram a rodar em Curitiba. Dez meses depois do prazo previsto, ainda não há expectativa de quando o projeto sairá, de fato, do papel. A justificativa da Urbs é de que o consórcio vencedor da licitação, a paulista CWBBike, fez pedidos de alterações contratuais que precisam passar por uma análise técnica e jurídica muito complexa. Já a empresa diz que precisa haver mudanças na localização das paradas para as bicicletas.

Segundo o gestor da área comercial da Urbs - empresa municipal que gerencia o transporte público em Curitiba - , Vanderlei Gimenes Gomes, já poderia ter sido emitido autorização para início do serviço. “Todo o atraso no processo foi gerado pelo próprio concessionário”, afirma.

Ele relatou que uma das solicitações requeridas pela CWBBike diz respeito ao tamanho das placas de publicidade. A concessionária tenta ampliar a área da placa estabelecida em contrato. A empresa também solicita a implementação de bicicletas elétricas, o que não estava previsto no contrato inicial.

Leia também: Curitiba quer compartilhar bicicletas por até R$ 5 ao dia

Gomes não descarta a possibilidade de o empreendedor desistir do projeto. “Ele participou do processo de licitação e estava ciente das obrigações que tinha. Porém, como todo contrato, é possível desistir a qualquer momento, desde que a empresa arque com as multas que virão em consequência disso”, explica.

Por outro lado, o diretor comercial da CWBBike, Halisson Pontarola, assegura que a empresa está comprometida com o projeto. “Acreditamos que o serviço seja importante para a cidade e está alinhado com os valores e missão da nossa empresa.”

Segundo Pontarola, o projeto previa, no processo de licitação, a possibilidade de mudanças, a qualquer momento, para melhoria do sistema. “Tudo aquilo que estamos pedindo são ações previstas em edital”, explica o diretor comercial. Ele pontua também que o foco das alterações diz respeito à localização das paradas para as bicicletas.

“Nossa preocupação é com a facilidade e usabilidade do sistema”, argumenta Pontarola. Ainda segundo ele, todo esse processo demanda tempo para que o projeto funcione de forma harmoniosa.

Leia também: Cidades tentam compartilhar bicicletas há 50 anos

Relembrando

A licitação do serviço de bicicletas compartilhadas foi lançada em junho de 2016, ainda na gestão do prefeito Gustavo Fruet (PDT), e teve só uma concorrente, a paulista CWBBike. No modelo de gestão aprovado, a concessionária deve arcar com todos os custos de operação e infraestrutura do sistema. Em contrapartida, a empresa fica livre para fazer a exploração publicitária dos veículos e das estações.

O projeto prevê a instalação de 25 paradas e 280 bicicletas na primeira fase e mais 200 veículos e 18 estações na fase posterior, além de uma distância média de 500 metros entre cada parada – intervalo semelhante aos das estações-tubo. A lógica é fazer com que a bicicleta converse com o transporte coletivo.

Ainda com foco na região central de Curitiba, a versão final do mapa deve contemplar o arranjo da maioria das estações em um raio de 2,5 km a partir do marco zero da cidade, na Praça Tiradentes.

Por enquanto, o valor dos passes está mantido como o definido no ano passado: R$ 5 o diário, R$ 12 o mensal ou R$ 54 o semestral. Durante o período contratado, o usuário pode usar quantas bicicletas quiser, durante um período máximo de 45 minutos.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Curitiba

PUBLICIDADE