Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Economia

Fechar
PUBLICIDADE

perspectiva

Ano ruim desafia mercado de beleza em 2016

Primeira retração em vendas registrada em mais de 20 anos exige mais criatividade e inovação para setor recuperar desempenho

Evie Dee criou uma marca própria de cosméticos, vendidos por um e-commerce |
Evie Dee criou uma marca própria de cosméticos, vendidos por um e-commerce
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Demorou, mas um dos setores mais resistentes da economia brasileira deu os primeiros sinais de arrefecimento ao sucumbir à crise em 2015. O mercado de beleza, que até então desfrutava de crescimento em dois dígitos, enquanto os demais setores estagnavam diante da queda de consumo e recessão, mostrou o primeiro indicador negativo em 23 anos, com queda de 6,7% nas vendas entre janeiro e setembro de 2015 em relação ao ano anterior, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

Blindar o setor dos efeitos da crise seria extraordinário diante da combinação perversa de fatores que atingiu toda a cadeia. Da alta do dólar, com impacto em custos de insumos, à crise hídrica, somados aos reajustes de energia elétrica e a mudança na tributação dos insumos cosméticos em março, elevando o custo do consumidor profissional entre 15 e 17%, são exemplos das dificuldades extras do período. O impacto negativo não foi maior por conta da musculatura do setor, apoiado em um mercado relevante e de alta qualidade em pesquisa e inovação para oferta de novos produtos.

O Brasil é hoje o terceiro mercado global em beleza, atrás da China e dos Estados Unidos. O brasileiro destina 2% do seu orçamento à compra de produtos de higiene e beleza, movimentando US$ 43,5 bilhões em 2014, segundo a Abihpec. Essa robustez é fundamental para dar suporte às estratégias de recuperação do setor, além de minimizar efeitos negativos da retração do mercado. Também é suficiente para manter o setor como um dos mais indicados para novos negócios e investimentos em 2016.

“Há um conjunto muito bem estruturado que sustenta a retomada, além de mudanças que aumentam a segurança do setor”, observa a coordenadora nacional de beleza e estética do Sebrae, Andrezza Torres. Uma das apostas da consultoria que promete aumentar a regulamentação do mercado é a tramitação do projeto de lei complementar 133/2015, que estabelece as regras de parceria entre profissionais dos salões de beleza. Definidos os papéis dos terceirizados, comissões e relações de trabalho, a expectativa é de estímulo a novos negócios, especialmente na área de serviços.

Novos modelos de negócio exigem custo reduzido

As alterações no comportamento do consumidor podem comprometer a quantidade, mas não chegam a cortar os produtos de higiene e beleza da cesta de compras. Com menor poder aquisitivo e afetado pela incerteza econômica, o brasileiro muda de faixa de preço, mas mantém o hábito. “As compras não são mais por impulso. O cliente está atento à questão custo x benefício”, ressalta a diretora do Grupo Bittencourt, Cláudia Bittencourt. Isso vai exigir melhor gestão do negócio para quem mantém lojas e pontos comerciais tradicionais, com ajustes em custos e equipes de venda treinadas para oferecer bom atendimento.

A ideia de reduzir custos e oferecer um novo negócio na área de cosméticos foi a inspiração para versão móvel da marca Miss Pink, de Londrina. Maitê Pedroso queria fugir do aluguel e de compromissos com funcionários e transformou a loja tradicional em um quiosque itinerante, que pode ser instalado em corredores, companhias, feiras e eventos. O investimento de R$ 19 mil dá ao franqueado direito ao estoque inicial e ao carrinho em acrílico de 80 centímetros que, quando aberto, é uma loja de 2 metros, com 250 itens. O modelo de negócio já rendeu 42 contratos assinados em 2015 e o plano é dobrar as franquias neste ano.

A aposta da estudante Maria Eduarda Fernandes, a Evie Dee, foi no canal on-line. Apaixonada por moda e maquiagem, a garota de 18 anos viu o perfil pessoal do Instagram explodir em seguidores interessados nas cores de seus batons e makes. A decisão de vender cosméticos foi consequência de pesquisas sobre o tema. Sócia da mãe e do tio no e-commerce montado há pouco mais de três meses, Evie Dee encomenda seus produtos a fornecedores exclusivos e vende batons, bronzer e iluminadores pela internet. A segunda coleção vai incluir mais duas cores e um BB cream e o plano é aumentar a venda de 50 caixas por dia.

Criatividade na entrega

Sócio da rede de spas hoteleiros Shishindo, Leonardo Jianoti desafiou o conselho administrativo da empresa a criar novos produtos para oferecer a hóspedes e público externo das 14 unidades espalhadas pelo país. “A criatividade na entrega vai ser essencial para superar mais um ano difícil”, aponta o empresário. Além de cortar despesas, fidelizar a clientela e melhorar a relação custo x benefício com clientes e fornecedores, Jianoti quer investir em experiência do consumidor, ao vender bem-estar e relaxamento. Pacotes, promoções, eventos fazem parte do plano estratégico para gerar fluxo nos spas da rede. Sete novas unidades já estão contratadas para 2016. As novas instalações devem manter para o ano que vem crescimento de 20% sobre o faturamento, alcançado em 2015.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/01/06/Economia/Imagens/Vivo/BELEZA MERCADO 014 albari rosa.jpg
Albari Rosa/Gazeta do Povo

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais