Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

EXPANSÃO

Buscapé quer ser mais que um comparador de preços

Empresa vai virar uma plataforma completa de compra e vai passar a oferecer novas categorias de produtos em seu site

  • Jéssica Sant’Ana
O Buscapé quer ser mais que um comparador de preços. Ele vai se transformar em uma plataforma completa de compra. Na foto, uma reunião interna da empresa. | Divulgação
O Buscapé quer ser mais que um comparador de preços. Ele vai se transformar em uma plataforma completa de compra. Na foto, uma reunião interna da empresa. Divulgação
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Depois de ser a empresa brasileira sensação no início da internet comercial, o Buscapé quer recuperar seu protagonismo. A empresa vai deixar se ser apenas um buscador e comparador de preços para se tornar uma plataforma completa de compra, com venda de produtos de várias categorias. A novidade pode ser lançada ainda neste ano, durante a Black Friday, em novembro, e surge para salvar o negócio que estava há 18 anos atrelado a um modelo que se provou insustentável com o tempo.

Plataforma vai funcionar no conceito “one stop shop”

Siga a Gazeta do Povo no LinkedIn

“Só o buscador não é sustentável economicamente. Na Europa, já não existem mais somente buscadores e comparadores de preço”, afirma o CEO do Buscapé Company, Sandoval Martins, que assumiu a companhia em março do ano passado. O executivo explica que o modelo ficou financeiramente inviável devido à concorrência com e-commerces, marketplaces e varejistas “on stop shop”, ou seja, que oferecem todos os produtos e serviços que o cliente precisa em um só lugar.

Desde quando foi fundado, em 1999, o Buscapé é um comparador de preços. A ferramenta permite que você busque e compare itens de informática, eletroportáteis e eletrodomésticos. Mas, para ver a descrição do produto, ler uma avaliação e fazer a compra, você precisa ser redirecionado à página do varejista que está oferecendo o item.

Azul quer levantar até R$ 2,23 bilhões com abertura de capital

Venda de celulares leva Positivo de volta ao lucro

Modelo de negócio virou referência

No início da internet comercial, o modelo deu certo, virou febre e o Buscapé se tornou referência para qualquer empresa de tecnologia. Romero Rodrigues, Rodrigo Borges e Ronaldo Takahashi, estudantes de engenharia da computação na época, foram os responsáveis por desenvolver toda a tecnologia e tornar o buscador uma realidade. Eles também tiveram que penar atrás de grandes redes varejistas até vencer a barreira de desconfiança deles e convencê-los a fechar a parceria.

Nem mesmo a bolha da internet foi capaz de parar o negócio brasileiro. A empresa chegou a ter 600 mil parceiros cadastrados em seu site e 68 milhões de clientes. Os bons resultados levaram o grupo de mídia sul-africano Naspers a comprar o Buscapé em 2009 por US$ 342 milhões, uma das maiores aquisições já feitas por uma empresa nacional de tecnologia.

Só que o Buscapé ficou parado no tempo. E a Naspers deixou de focar apenas no seu negócio carro-chefe para tentar tornar a companhia em grupo de mídia e varejo. Foram feitas diversas aquisições entre marketplaces, buscadores concorrentes, cupons de desconto, empresas de publicidade e marketing, classificados e meios de pagamentos para criar um grupo completo. O plano não saiu como esperado e o carro-chefe, o Buscapé, chegou a ficar deficitário.

Transformação

Agora, uma nova luz surge no caminho. Sob o comando de Sandoval Martins desde março de 2016, o Buscapé está passando por uma transformação com o objetivo de virar uma plataforma completa de compra. Todo o time de gestores já foi reformulado e passou a ser composto por profissionais com passagem pelas principais empresas de tecnologia e varejo do mercado, com B2W, Cnova e Grupo Pão de Açúcar.

A nova plataforma também já está quase pronta. “90% da tecnologia já está preparada para esse novo Buscapé”, diz Martins. A base tecnológica que o Buscapé usava era a mesma da época da fundação e já apresentava alguns defeitos. Uma revolução foi feita nos códigos e muitas ferramentas existentes no mercado foram incorporadas para que tudo funcione nas exigências atuais da internet.

Agora, falta ajustar os últimos detalhes para colocar a plataforma no ar. O desafio será torná-la rentável o suficiente para que ela financie o crescimento do grupo e recupe o protagonismo da marca.

Plataforma vai funcionar no conceito “one stop shop”

A nova plataforma do Buscapé vai funcionar no conceito “one stop shop”. A ideia é oferecer em um só lugar todos os produtos e serviços o que o cliente precisa e fazer com que ele passe por todo o ciclo de compra em um único site - no caso, o site do Buscapé.

O consumidor vai poder buscar, comparar, ler avaliações, pesquisar condições de pagamento e de frete e, por fim, comprar dentro da plataforma do Buscapé. Novas categorias de produtos serão agregadas ao site, hoje restrito a itens de informática e eletrônica.

O que não muda é que o Buscapé continuará a ser uma empresa de tecnologia que faz parceria com varejistas. Ou seja, o grupo não vai começar a fabricar ou estocar os produtos que vende em seu site. Essas etapas continuam sendo das indústrias e dos varejistas parceiros, que terão o Buscapé como mais um novo canal de venda. O conceito, nesse caso, é o mesmo dos marketplaces.

O objetivo, segundo Sandoval Martins, CEO do grupo, é aumentar a frequência de compra do cliente de três vezes ao ano para quatro vezes na semana. Por isso, podemos esperar ver o Buscapé vendendo itens de moda e de consumo semanal com preços mais baixos.

O desejo é conseguir lançar a versão repaginada da plataforma ainda neste ano, na Black Friday, para aproveitar um dos melhores período de compra para o comércio eletrônico. Mas Martins afirma que, apesar de esse ser o objetivo, a meta é bastante ousada e pode ser prolongada.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE