Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE
Boletim

Boletim + VER MAIS COLUNISTAS

Análise

Nossa chance de ter inflação baixa de verdade

 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Daniel Castellano/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A inflação em fevereiro, de 0,33%, surpreendeu de novo para o lado positivo. O mercado esperava algo mais próximo de 0,5% por causa dos reajustes no transporte em várias cidades. É o quinto mês seguido em que o índice vem em um nível historicamente baixo.

Continuando esse movimento em março, a inflação estará já na meta e o Banco Central vai acelerar o corte dos juros em abril. Há quem aposte em corte de um ponto percentual agora e uma taxa de 9% ao ano em dezembro. O tamanho do corte vai depender do que o BC entender como a nova taxa de juros de equilíbrio, aquela que não permite a alta da inflação e também não desacelera a atividade.

Brasil declara guerra contra os juros, mas vitória não virá fácil nem rapidamente

Por que os juros são tão altos no Brasil?

Esse movimento tão consistente de convergência da inflação para a meta não se via em quase uma década no Brasil. É uma chance e tanto para o Conselho Monetário Nacional reduzir gradualmente a meta.

Se um índice de inflação de 4,5% ao ano não é dos mais incômodos – podemos conviver com ele sem que a economia fique desarrumada – ele permite uma margem de manobra que chega a 6% para absorver choques inflacionários. Como vimos no passado, governos são capazes de fabricar choques para justificar uma inflação um pouco mais alta, no teto da meta ou um tantinho a mais.

Uma meta menor não resolve a má gestão, mas traz dois recados implícitos: compromisso com uma inflação sob controle no longo prazo e a chance maior de o Banco Central de trabalhar com taxas de juros mais baixas. Se bem comunicada e cumprida, uma meta mais baixa faria muito bem para a economia. Teríamos uma taxa de juros real (a nominal menos a inflação) provavelmente mais baixa.

O debate sobre até onde pode ir o corte na meta está aberto. Há quem enxergue espaço para uma meta de 4% nos próximos dois ou três anos. Em cinco a sete anos, poderia cair para até 3% ao ano. É onde está o México, para citar uma economia similar à brasileira.

Para funcionar, esse movimento teria de ser acompanhado pela melhora nas contas públicas. Conforme o Brasil alcance superávits primários e encontre o caminho para parar o crescimento da dívida, teria a combinação necessária de maior confiança e menor pressão dos gastos públicos para fazer o ajuste na meta.

A consequência mais interessante é que provavelmente teríamos no fim uma taxa de câmbio mais estável, menos sujeita às grandes oscilações provocadas pela passagem do capital volátil. Afinal, taxas de juros mais baixas e maior confiança na gestão das contas públicas reduzem os prêmios de risco para esse tipo de investimento.

No fim do ciclo, esse câmbio mais estável serviria para reforçar a capacidade do país em cumprir sua meta de inflação, já que a economia estaria menos sujeita a choques provocados pela desvalorização súbita do real.

Olhando assim, parece que essa oportunidade tem grandes chances de ser aproveitada pelo Brasil. Teria, não fosse a falta de compromisso de parte do mundo político com a estabilidade econômica. A pressão pelo gasto público maior, como se sabe, é constante. A melhora na arrecadação poderá levar a uma revisão do teto de gastos, por exemplo. Ou o governo pode perder a oportunidade de acelerar a obtenção de um superávit em troca de alguns bilhões a mais no gasto.

A crise política alimentada pela corrupção está longe do fim e nos garantirá meses de tensão na tramitação das reformas no Congresso. Sem elas, a janela de oportunidade de sermos um país com inflação e juros normais se fechará rapidamente.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

PUBLICIDADE

últimas colunas de Boletim

PUBLICIDADE