Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Inovação

Criada por brasileiros, marca Piipee tenta reduzir uso da descarga

Startup gaúcha criou formula que reduz cheiro da urina, permitindo uma economia no número de descargas

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Batizada com o sugestivo nome de Piipee, uma empresa de Bento Gonçalves (RS) promete acabar com o cheiro da urina das privadas, economizando água das descargas.

A solução: uma fórmula composta usando perfumes, solventes naturais e óleos de pinho e eucalipto que, misturada à urina, deixa o líquido esverdeado.

O fundador da empresa, Ezequiel Vedana da Rosa, 26, conta que teve a ideia para o negócio há quatro anos. Ele explica que a solução torna mais lento o processo de transformação da ureia, substância presente na urina, em amônia, principal responsável pelo mau cheiro.

Formado em comércio exterior, ele conta que o desenvolvimento do produto foi feito de forma caseira. Quando ele chegou a uma solução próxima da atual, buscou o auxílio de um engenheiro químico para tornar o produto viável comercialmente. 'Passei dois anos cheirando xixi no copinho', conta.

Além da solução para eliminar o cheiro, a empresa também irá vender um suporte para seu uso. Ele terá duas peças, uma para ser colocada na parede e por onde se acionará a outra que ficará dentro do próprio vaso.

Os suportes devem custar entre R$ 25 e R$ 35 e cada refil, que permite 250 descargas, custará entre R$ 5 e R$ 6.

Rosa diz que a ideia é que um acionamento do seu purificador de urina deve ser, além de mais ecológico, mais barato do que o da descarga.

Os sócios investiram até agora cerca de R$ 25 mil na empresa. Buscam investidores para acelerar a entrada da companhia no mercado.

Atualmente o Piipee está fase de testes na cidade de Bento Gonçalves, e foi usado por cerca de 300 pessoas em lugares públicos. O produto deve começar a ser vendido a partir de janeiro, a princípio para ser comprado por empresas.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE