PUBLICIDADE
Câmbio

Dólar cai 0,71% ante o real com declarações de Bernanke

Moeda norte-americana também caiu 0,15% frente ao euro e 0,12% ante uma cesta de divisas

O dólar encerrou em queda ante o real pela terceira sessão seguida nesta terça-feira (17) com melhora do cenário externo, depois das declarações do chairman do Federal Reserve, banco central norte-americano, Ben Bernanke. O dólar fechou em queda de 0,71% cento, cotado a R$ 2,0221 na venda.

Em um primeiro momento, o discurso de Bernanke teve impacto negativo nos mercados, já que muitos investidores esperavam mais indicações sobre quando devem ser feitas novas medidas de estímulo monetário. No entanto, ele ainda deixou a porta aberta para mais medidas.

Durante o dia, a moeda chegou a ter ligeira alta, quando atingiu a máxima de R$ 2,0406, com valorização de 0,20%. Depois anulou ganhos e passou a cair, encerrando na mínima da sessão.

"O real se apreciou diante de um recuo da aversão ao risco nos mercados. O mercado estava com expectativa muito clara de que o Bernanke iria usar o Senado para anunciar um novo quantitative easing (terceira rodada de compras de títulos, uma forma de estímulo monetário conhecido como Q3). Mas isso não aconteceu e houve uma realização (de lucros)", disse o economista-chefe da CM Capital Markets, Darwin Dib.

O chairman do Fed repetiu a promessa de agir se necessário, além de afirmar ao Comitê Bancário do Senado que a recuperação do país estava sendo reprimida por uma ansiedade sobre a crise da dívida da Europa e o caminho da política fiscal dos Estados Unidos.

Na ata da reunião de junho do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), a autoridade monetária já havia mostrado essa avaliação, mas que a situação econômica precisaria piorar para que tal medida fosse tomada.

Com isso, o dólar também caiu ante outras moedas. Às 17h33 (horário de Brasília), o euro tinha alta de 0,15% ante o dólar. A moeda norte-americana ainda tinha queda de 0,12% ante uma cesta de divisas.

O operador de câmbio da B&T Corretora de Câmbio, Marcos Trabbold, ainda afirmou, que apesar de acompanhar o exterior, a o dólar tem tido poucas oscilação ante o real e pode continuar se mantendo entre R$ 2 e R$ 2,10.

"Não vejo o dólar abaixo de R$ 2 e acima de R$ 2,10 também. Quando chegou abaixo de R$ 2, o Banco Central já mostrou que não gosta", disse o operador.

Trabbold se referia a declarações feitas no início do mês pelo diretor de Política Monetária do BC, Aldo Mendes, de que o dólar abaixo de R$ 2 poderia não ser bom para a indústria, e que a autoridade monetária poderia intervir comprando dólares no mercado futuro caso necessário.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO