Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Consultas em casa

Startup curitibana Docway compra plataforma de consultas online

Com a aquisição da Dr. Vem, a Docway chega a 80 mil usuários cadastrados e ganha uma fatia importante de usuários no mercado paulista

 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A startup curitibana Docway acaba de anunciar a aquisição da plataforma de consultas online Dr. Vem! A integração abre uma nova porta, com 20 mil novos usuários e uma presença forte no mercado paulista. Além de criar um novo canal de atendimento. A compra, que passa a valer a partir desta quinta-feira (16), é um passo a mais para consolidar a empresa como a “Uber dos médicos”, integrando pacientes e profissionais por meio da tecnologia.

A aquisição faz parte da estratégia de consolidação de mercado, explica o CEO da Docway, Fábio Tiepolo. “A Dr. Vem! tem uma rede bem interessante de usuários em São Paulo, também uma grande aproximação com as mães. Então a gente compra também este benchmark”.

Do sorvete de whey ao brigadeiro funcional: comida fitness é oportunidade de negócio

10 cidades com mais clientes para você abrir um negócio

Leia mais sobre Empreendedorismo

Um diferencial importante é a oferta de consultas pela plataforma web. Atualmente, a Docway é restrita ao aplicativo, disponível para dispositivos móveis. Já a atuação da Dr. Vem! é por meio de um site. Tiepolo explica que o plano é unificar as operações, nos próximos 40 dias, mantendo o app, mas expandindo para a versão web.

Com a unificação, a Docway chega a 80 mil usuários cadastrados, além de 2.150 médicos de diversas especialidades. Agora, a meta é consolidar o app entre as mães e jovens empresários, público em que o serviço de um médico que atende em casa pode ter um apelo especial.

Um desafio é lidar com a constante queda nos gastos em saúde. No último ano, entre dezembro de 2015 e dezembro de 2016, o mercado de saúde suplementar registrou queda de 1,7%, segundo relatório da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), com base em dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A retração dos planos de saúde chegou a 3,1%.

Em um ano, 1,5 milhão de pessoas deixaram os planos de saúde, estima a FenaSaúde. A Docway vê neste público uma oportunidade de negócio. “A gente vê que as pessoas que estavam habituadas à conveniência de um plano e passam a não ter mais [muitas vezes] não têm a habilidade de entrar no SUS”, analisa Fábio Tiepolo.

Além de incorporar os usuários e a expertise da startup paulista, a Docway planeja ficar de olho no novo projeto dos criadores da Dr. Vem!, o DocBot. O plano é criar um “assistente pessoal de saúde” pelo Facebook, para tirar dúvidas pelo chat sobre doenças, sintomas e como proceder com os cuidados com a saúde.

Este é o segundo anúncio de expansão da Docway em pouco mais de seis meses. Em junho do ano passado, a empresa recebeu aporte de R$ 5 milhões do Grupo Garantia, formado por um time de investidores de São Paulo. Mas não há uma relação direta. A aquisição do Dr. Vem! já estava nos planos e faz parte de um plano mais de longo prazo da empresa, que teria ocorrido independente desta injeção financeira.

Como funciona a “Uber da saúde”

Pelo aplicativo, o usuário pode marcar consultas para si mesmo ou para dependentes, como filhos e cônjuges. O paciente preenche um perfil que funciona como uma ficha médica inicial, com dados como grupo sanguíneo, alergias e plano de saúde, por exemplo. Na hora de marcar a consulta é possível selecionar uma especialidade médica e indicar quais os sintomas. O pagamento é feito por cartão de crédito, pelo próprio app.

O objetivo é facilitar a vida do usuário é desafogar o sistema de saúde. “A gente quer fazer a conscientização das pessoas de que elas não têm que ir para o hospital quando o caso não é de urgência e emergência. Uma consulta à domicílio desafoga [o sistema]. E no plano você leva 15, 20 dias para marcar um especialista”, defende o CEO da Docway.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE