Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Inovação

Ciclovias de Curitiba terão piso que gera energia a partir do movimento

Eletricidade será usada para ativar sistema inteligente de sinalização em cruzamentos e sensores de monitoramento de fluxo de ciclistas

  • Cíntia Junges
 | Antônio More/Gazeta do Povo
Antônio More/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O vai e vem frenético das bikes nas ciclovias de Curitiba vai produzir energia para ajudar a abastecer um sistema de iluminação inteligente. A tecnologia instalada no piso produz eletricidade a partir do som e da vibração e começara a ser testada em um projeto experimental a partir do segundo semestre deste ano.

A novidade é parte de um acordo de cooperação entre a prefeitura de Curitiba e a empresa japonesa Soundpower Corporation, por meio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) e do ministério da indústria japonês, que estão financiando a expansão da tecnologia. A Soundpower escolheu Curitiba para fazer sua estreia no mercado brasileiro. O projeto não terá custo para a prefeitura.

LEIA MAIS sobre Energia e Sustentabilidade

O piso gerador de energia faz parte de um projeto de iluminação inteligente nas ciclovias de Curitiba, conduzido pela prefeitura da capital. “Enxergamos a possibilidade de integrar o produto deles ao nosso projeto, tornando todo o sistema mais inteligente para os ciclistas de Curitiba”, afirma Fábio Ribeiro de Camargo, diretor de Iluminação Pública da prefeitura.

Um dos objetivos, segundo ele, é dar mais segurança às ciclovias. Com essa parceria será possível melhorar a sinalização em pontos críticos, como os cruzamentos com as vias de trânsito, e monitorar os trechos com maior fluxo. Somadas, essas iniciativas podem nortear o planejamento e a melhoria do sistema.

“Além de troca a troca de conhecimento e de fomentar um ambiente de inovação na cidade, esses dados poderão ser usados para melhorar o planejamento e a expansão das ciclovias”, destaca Camargo.

Siga a Gazeta do Povo no LinkedIn

A tecnologia funciona a partir do som e da vibração provocados pelo movimento das bikes, ou seja, quanto mais gente pedalando, mais energia é produzida. Apesar disso, a porção de eletricidade gerada será relativamente pequena, mas suficiente para acionar a sinalização luminosa nos cruzamentos das ciclovias com as vias de trânsito, além dos sensores de coleta de informações de fluxo.

A partir do segundo semestre deste ano, a tecnologia começa a ser implantada em 18,5 quilômetros de ciclovias – trechos compartilhados nas vias públicas, como as ciclofaixas, não serão contemplados.

Mundo afora

Conhecida como o país das bicicletas, a Holanda inaugurou, em novembro de 2014, a primeira ciclovia do mundo que gera energia por meio de células solares embutidas no piso. O projeto SolaRoad é fruto de uma parceria público-privada desenvolvida pela Organização Holandesa de Pesquisa Científica Aplicada (TNO) em parceria com a empresa de tecnologia Imtech.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/07/01/Economia/Imagens/Futuro/DSC8910_kinderenvanboven2.jpg
Ciclovia com placas solares na Holanda.SolaRoad/Divulgação

A ciclovia é feita de uma base de concreto que varia de 2,5 a 3,5 metros de largura coberta por uma camada de células solares de silício. Uma camada de vidro temperado protege o painel que recebe a energia solar e é resistente aos impactos das pedaladas.

Outro exemplo é a “Pista Van Gogh”, inaugurada no ano passado em Eindhoven, localizada ao Sul de Amsterdã. Inspirada no famoso quadro “Noite estrelada” do pintor holandês Vincent Van Gogh, a pista foi construída com um material especial que absorve a luz solar durante o dia e usa esse energia para criar um padrão luminoso a noite.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE