Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

2013

Fechar
PUBLICIDADE

vestuário

Em cinco anos, Morena Rosa quer atingir R$ 1 bilhão em faturamento

De uma pequena confecção em Cianorte, Noroeste do Paraná, a Morena Rosa cresceu para se tornar a terceira maior do seu setor no país. E os planos não param por aqui. Em cinco anos, a meta do grupo é atingir R$ 1 bilhão em faturamento e abrir capital

 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Em cinco anos, Morena Rosa quer atingir R$ 1 bilhão em faturamento

Há 20 anos, Marco Antonio Franzato desistiu de um emprego de contador em uma fábrica de doces e juntou o dinheiro da venda de um Monza com as economias da esposa e de dois cunhados para abrir uma pequena confecção em Cianorte, no Noroeste do Paraná. Com um capital inicial de US$ 24 mil, Franzato e os sócios começaram a pôr em prática o sonho de tornar a Morena Rosa uma das principais empresas de moda do Brasil.

Veja algumas fotos da empresa

Da produção simples, de 500 peças por mês e apenas quatro máquinas de costura, a empresa se tornou uma das três maiores do seu setor no país. Emprega 2,2 mil pessoas, produz 350 mil peças por mês e se prepara para dar passos mais ousados. Negocia a aquisição de uma empresa do setor, quer romper a barreira de R$ 1 bilhão em faturamento em cinco anos e abrir capital, lançando ações na Bolsa de Valores.

Franzato, que nasceu em Catanduvas (SP) e veio para o Paraná com três anos, chegou a trabalhar como boia-fria em lavouras de café, auxiliar de escritório, cobrador e até os 15 anos só tinha estudado até a quarta série. Mas fez supletivo e se formou em Administração e Direito.

Apesar do início simples, a Morena Rosa teve uma ascensão meteórica. "Nunca deixamos de crescer. Fomos dobrando de tamanho ano a ano", conta Franzato. A visibilidade da empresa aumentou consideravelmente quando passou a apostar no público A e B, com a contratação de top models como Naomi Campbell, Isabeli Fontana e Carol Trentini e a atriz Sarah Jessica Parker como garotas-propaganda.

O desempenho acima da média do setor atraiu o badalado fundo de investimentos Tarpon – com histórico de participação em empresas como BR Foods, Hering, Marisa e Arezzo –, que entrou no capital da companhia em março de 2012. O fundo pagou R$ 240 milhões por 60% da empresa. Os 40% restantes estão nas mãos dos fundadores originais, que continuam à frente do negócio, mas Franzato negocia a compra da parte dos cunhados no grupo.

A empresa espera um crescimento de 17% em receita em 2013, para R$ 370 milhões. A meta é chegar a R$ 1 bilhão em cinco anos e, nesse período, se preparar para a abertura de capital. "Já estamos nos estruturando nesse modelo, com práticas de governança corporativa", diz Franzato, que, aos 53 anos e uma rotina de trabalho de 12 horas por dia, quer ter mais tempo livre. O filho Lucas, 23, é um dos diretores da empresa e está sendo preparado para assumir o comando.

Até o próximo ano, Fran­­­zato espera fechar a aquisição de uma empresa de moda feminina. Em 2009, a Morena Rosa já havia comprado a grife infantojuvenil Joy.

Maioria dos designers é "da casa"

A Morena Rosa tem 14 fábricas, a maioria na região de Cianorte, de onde sai boa parte da produção de 350 mil peças por mês. Atualmente 45% da produção é feita por terceiros e, segundo Franzato, o objetivo é aumentar essa participação para 60% nos próximos anos. A atividade da empresa gera 3 mil empregos indiretos.

Uma equipe de 90 pessoas trabalha na criação das roupas da marca, a maioria gente que começou na própria empresa. Da mesa dos designers saem os modelos que serão montados em formato piloto e depois serão confeccionados pelas costureiras. Cada marca lança em média cinco coleções por ano. Depois de produzidas, as peças são conferidas e passadas, embaladas e seguem para o centro de distribuição da empresa, conta Keila Machado, encarregada de produção.

Um novo centro de distribuição, inaugurado há quase um ano, com recursos de R$ 4 milhões e que funciona em uma área de 7 mil metros quadrados em Cianorte, contribuiu para manter a agilidade de entrega mesmo com o crescimento da empresa.

Vestuário

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais