Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Indústria no paraná

Klabin ignora crise e inaugura fábrica de R$ 8,5 bilhões nos Campos Gerais

Fabricante de papel e celulose apresenta oficialmente nova planta na cidade de Ortigueira e já faz planos para ampliar a unidade

  • Ortigueira
Inauguração da nova fábrica da Klabin contou com a presença de autoridades, entre elas o presidente interino, Michel Temer, e o governador do Paraná, Beto Richa | Beto Barata/PR
Inauguração da nova fábrica da Klabin contou com a presença de autoridades, entre elas o presidente interino, Michel Temer, e o governador do Paraná, Beto Richa Beto Barata/PR
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Como se estivesse imune à recessão econômica do país, a fabricante de papel e celulose Klabin inaugurou oficialmente nesta terça-feira (28) uma nova planta industrial, com investimentos que somam R$ 8,5 bilhões. A unidade Puma ocupa uma área total de mais de 200 mil hectares, o equivalente a 200 campos de futebol, em Ortigueira, nos Campos Gerais do Paraná, a 250 quilômetros de Curitiba. É o maior investimento privado do estado e um dos maiores do Brasil, que contou com financiamento de R$ 3,37 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A nova fábrica deve gerar cerca de R$ 300 milhões em impostos ao ano.

Confira dados da nova fábrica da Klabin

Segundo o diretor-geral da empresa, Fábio Schvartsman, a unidade deverá suprir as importações do mercado interno de papel do tipo fluff, usado para absorventes e fraldas, e de fibra de celulose longa, usada na fabricação de papéis de maior resistência e tem parte da sua produção convertida em fluff. “Este projeto é um divisor de águas para a Klabin, um projeto coringa que permite ao Brasil escolher pela substituição das importações e incrementar o PIB em R$ 1 bilhão”, calcula.

A unidade terá capacidade máxima de produção de 1,5 milhão de toneladas de celulose ao ano, sendo 400 mil de fibra longa (pinus) e 1,1 milhão de fibra curta (eucalipto). O executivo conta que desde o início das atividades, em março, a unidade funciona em capacidade máxima de cerca de 4.250 toneladas/dia.

De acordo com Schvartsman, o Brasil não absorverá de imediato a produção de celulose de fibra longa, já que o país possui contratos de longo prazo com fornecedores internacionais. Entretanto, a tendência é que a indústria nacional recorra ao produto.

A Klabin estuda ainda investir na compra de uma nova máquina de papel cartão, mas o executivo diz que a recessão influencia sim nessa decisão e, por isso, a empresa deve esperar o momento certo para dar continuidade aos planos de ampliar a produção. “Em algum momento isso acontecerá, mas com o atual momento da economia brasileira e mundial não temos previsão de quando construir a máquina.”

O repórter viajou a convite da Klabin.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE