Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

finanças pessoais

7 em cada 10 brasileiros confiariam seu dinheiro a robôs

Informação é de uma pesquisa da consultoria Accenture. Não à toa, o país tem demonstrado entusiamo além da média com as fintechs, as startups financeiras

  • Infomoney
Os brasileiros têm se mostrado especialmente receptivos a tecnologia assim. Estima-se que, juntas, as fintechs vão faturar US$ 24 bilhões no país próximos dez anos. | Bigstock
Os brasileiros têm se mostrado especialmente receptivos a tecnologia assim. Estima-se que, juntas, as fintechs vão faturar US$ 24 bilhões no país próximos dez anos. Bigstock
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O uso de máquinas para auxiliar investimentos não é novidade no mercado financeiro e vem chegando cada vez mais próximo da população em geral, que sinaliza boa recepção para as novas tecnologias, especialmente no Brasil.

Segundo um estudo da consultoria Accenture, 7 em cada 10 consumidores estão dispostos a utilizar serviços baseados em robo advisor — consultoria e serviços gerados por computador, sem orientação humana — para seus serviços bancários, de consultoria financeira e seguros.

LEIA MAIS sobre finanças, carreira e empreendedorismo

Talvez esteja aí uma das explicações para o sucesso das fintechs no Brasil. A estrutura bancária monopolizada e os juros altos também dão espaço para esse tipo de serviço crescer muito no país. Estima-se que, juntas, as fintechs vão faturar US$ 24 bilhões no Brasil nos próximos dez anos.

Na pesquisa da Accenture, os consumidores indicaram que os principais atrativos para o uso de plataformas robô-advice seriam a perspectiva de serviços mais rápidos, com 46% dos brasileiros apontando essa razão, mais que os 39% da média globalmente.

LEIA TAMBÉM:  5 aplicativos e sites gratuitos para ajudar você a cuidar da vida financeira

Essas plataformas também são consideradas mais baratas por 31% dos consumidores de todo o mundo e por 30% no Brasil. Os consumidores também consideram a inteligência dos computadores mais imparcial e analítica que a dos humanos (26% globalmente e 25% no Brasil).

No entanto, o estudo revela que quase dois terços dos consumidores ainda buscam a interação humana nos serviços financeiros, especialmente para lidar com reclamações (68% globalmente), especialmente no Brasil, com 84% dos entrevistados preferindo o atendimento por pessoas.

LEIA TAMBÉM: Vale a pena pagar um app que poupa dinheiro por você?

Esclarecimentos sobre produtos complexos, como hipotecas, também devem ser preferencialmente feitos por humanos, segundo 61% dos consumidores no mundo e 80% dos entrevistados brasileiros.

Mas isso, na prática, pode estar mudando, já que algumas das fintechs que mais crescem no país, como a Creditas, são aquelas que lidam com modalidades de empréstimo que exigem a casa ou o carro como garantia. 

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

  1. 90% as pessoas que trabalham ou já trabalharam lá recomendariam a empresa a um amigo. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo

    20 cargos

    Do aprendiz ao gerente: quanto ganham os funcionários do Itaú

  2. De acordo com a análise da Michael Page, o “arquiteto de bebês” será um especialista no genoma humano. |

    Até 2030

    9 profissões que serão essenciais no futuro (a maioria ainda nem existe)

  3.  | Antônio More/Gazeta do Povo

    TELECOMUNICAÇÕES

    Como a Oi, uma empresa de 63 milhões de clientes, entrou em crise?

PUBLICIDADE