Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

VHSYS

A empresa de informática de São José dos Pinhais que virou uma startup promissora

A VHSYS nasceu como uma empresa tradicional, e começou a ganhar escala depois de receber uma proposta de venda. Hoje atende mais de 8 mil empresas no país todo

  • Naiady Piva
Reginaldo e Luan Stocco: primos e fundadores da VHSYS | VHSYS
Divulgação
Reginaldo e Luan Stocco: primos e fundadores da VHSYS VHSYS Divulgação
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quando estreou no mercado, em 2011, a VHSYS era uma empresa de informática tradicional. Os primos Reginaldo e Luan Stocco já trabalhavam no ramo quando decidiram criar um software para gestão de empresas na nuvem, sem necessidade de instalação. O conceito de "startup" não era uma preocupação. 

O software começou com um sistema para emissão de notas fiscais e foi evoluindo, conforme a demanda dos clientes, que chegavam aos poucos. Foi só depois que duas gigantes do setor de informática tentaram comprar a aplicação que os primos Stocco decidiram colocar o pé no acelerador com vontade. 

>>"Vale do Guadalupe": o novo polo das startups em Curitiba

"Em 2014, uma grande empresa de software veio até nós para ofertar um investimento", lembra Reginaldo. O problema é que o faturamento da empresa ainda era baixo, e qualquer aporte generoso obrigaria a VHSYS a ceder uma parcela muito grande da empresa para os investidores. 

A gestão da empresa paranaense também não estava preparada para receber uma bolada de dinheiro. "A gente resolveu botar ordem na casa", para não correr o risco de receber um investimento e gastar mal o dinheiro. 

Foi quando chegou a segunda proposta, em 2016. Já estava tudo pronto para a venda total da VHSYS quando os sócios viram uma luz no fim do túnel. Eles viram que outras empresas vendidas para esta mesma ofertante tinham sido dizimadas, e cancelaram o negócio. 

"A gente analisou o grande potencial que a VHSYS tinha e pensou: nós chegamos até aqui, por que não podemos ir até lá?". Foram caminhando com as próprias pernas, mas buscaram apoio. 

Em 2017 a VHSYS recebeu um investimento-anjo dos fundadores da Bematech, Marcel Malczewski; e EBS Sistemas, Gilmar Pértile. Duas das maiores empresas do Paraná nos ramos de tecnologia em automação e contabilidade, respectivamente. 

O cheque de R$ 1 milhão serviu para aumentar em 30% o faturamento da empresa, além de preparar a VHSYS para ganhar escala. Desde a fundação, a empresa manteve a meta de dobrar de faturamento, ano após ano. Atualmente são mais de oito mil clientes, no país todo. 

Soluções integradas são trunfo da VHSYS 

O software padrão da VHSYS inclui soluções básicas para as áreas finenceira, de vendas, estoque e compras; além da emissão de notas fiscais. Os planos vão de R$71,91 a R$299,90. 

A startup também oferece todo um rol de produtos complementares. São aplicativos vendidos numa loja própria, que os clientes adquirem conforme demanda pelo tamanho e ramo de atividade de suas empresas. 

>> As startups que colocaram Curitiba no mapa da inovação

Uma vertente importante da aplicação é a integração com outros sistemas. A VHSYS é homologada por 50 sistemas municipais. O que significa que as empresas conseguem enviar informações para a prefeitura a partir de seus próprios sistemas, em mais de 1.200 cidades do país todo. 

A VHSYS também é integrada com outros sistemas privados, como o do Mercado Livre e da startup curitibana Olist (que representa mais de dois mil lojas virtuais nos maiores marketplaces do país, como Walmart e Amazon). 

Meta de ser grande 

Com 75 funcionários e uma sede de 300 metros quadrados — a reforma no segundo andar, que irá dobrar o tamanho do escritório , deve ficar pronta até o meio do ano — a VHSYS é hoje uma das principais startups com sede em São José dos Pinhais. 

A cidade, vizinha de Curitiba, abriga o principal aeroporto da capital paranaense, além de ser um importante polo industrial. O trajeto até o centro curitibano pode chegar a 20 minutos, de carro. 

Motivos pelos quais Reginaldo e Luan não têm planos de sair de sua cidade natal. Outras cidades médias brasileiras, como Campinas, São José dos Campos e Joinville, já se consagraram como polos de startups, muitas vezes ligados à existência de uma indústria regional. 

Para os próximos dois anos, a meta da VHSYS é ser grande. Os fundadores pensam em captar uma nova rodada de investimento, mais robusta, e alavancar o número de clientes. Em paralelo, a empresa segue investindo em novos gadgets, para aumentar as opções na sua loja. 

Até julho, por exemplo, deve ser lançada uma solução para pequenas transportadoras (que precisam emitir, em um mesmo sistema, notas de serviço, venda e acidentes de trabalho, algo só disponível em softwares muitos mais robustos e caros). A meta é fechar o ano com 13 mil clientes. "Ou até mais".

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE