Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Empreender

O Plano B fadado ao fracasso que virou uma rede de alimentação saudável milionária

A Tasty Salad Shop, de Curitiba, foi uma das 15 selecionadas, entre 400 empresas inscritas, para participar do BRMalls Partners, em parceria com a Endeavor

  • Carol Nery Especial para a Gazeta do Povo
Rodrigo Pasinato e Patrícia Lion, donos da TastySalad, não imaginavam, de início, o sucesso que a ideia teria.  | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Rodrigo Pasinato e Patrícia Lion, donos da TastySalad, não imaginavam, de início, o sucesso que a ideia teria.  Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Sem qualquer experiência no mundo do empreendedorismo e totalmente na contramão das pesquisas de mercado, há três anos o casal Patrícia Lion e Rodrigo Pasinato investiu num plano B, que hoje é sua principal atividade profissional e um negócio tido como promissor por especialistas do varejo. A dupla comanda o Tasty Salad Shop, franquia de restaurante especializado em saladas e comidas leves, práticas e saudáveis, com lojas de rua e de shopping. A empresa está no meio do processo de aceleração do programa da BRMalls Partners, de apoio a empreendedores que estão transformando o mercado varejista, com suporte e expertise da administradora de shoppings BRMalls e mentoria da rede Endeavor, organização global de fomento ao empreendedorismo.

Patrícia deixou de lado a carreira de fotógrafa, na qual atuou por oito anos, e Rodrigo abandonou a arquitetura, sua profissão durante dez anos. O casal conta que a mudança aconteceu “sem querer”. E a ideia nada tem a ver com estilo de vida ou alguma restrição alimentar. “Frequentávamos restaurantes legais e víamos belas saladas, com misturas interessantes e exclusivas, mas o prato principal acabava sendo outra opção. Sempre a ideia era um dia voltar para experimentar a salada, especialmente, mas nunca acontecia”, recorda a sócia. 

LEIA TAMBÉM: Home office para testar ideias e empreender com menor custo

Foi quando perceberam que não existia um local especializado em saladas realmente boas e bem elaboradas, conta Patrícia. Em 2012 começaram uma pesquisa em outros países. “Vimos que lá fora era uma tendência. Retornamos apostando que poderia ser uma ótima oportunidade, mas com a certeza de que seria um produto muito de nicho, que caberia em poucos lugares por aqui.” De maneira tímida, os sócios acharam que conseguiriam tocar as carreiras e o novo negócio juntos, mas logo no final do primeiro mês entenderam que teriam de optar. “A vontade de inovar e mergulhar no universo empreendedor falou mais alto. E agora que estamos entendendo melhor o que estamos fazendo, com a mentoria de profissionais altamente gabaritados, praticamente um MBA, ganhando tempo e maturidade, não queremos parar”, afirma o casal. 

Do delivery ao consumo na própria loja a pedido dos clientes

Sem ideia nenhuma de como empreender, o casal acreditava que a oportunidade de sucesso estaria diretamente atrelada ao ponto. Começaram a sondar imóveis na região entre o Centro e o Batel. Os estudos, porém, apontavam que ninguém consumiria o que estavam propondo nas imediações. Mas a vontade de apostar na ideia era tão grande que foram teimosos e, seguiram em frente. Tiveram receio que uma proposta tão boa virasse sucesso nas mãos de outros empreendedores. “Acreditamos que conseguimos fazer algo coerente, que transmite uma proposta de valor.”

LEIA TAMBÉM: As duas startups que se juntaram para atender a um desejo de O Boticário

Quando foi inaugurada a primeira loja na Alameda Prudente de Morais, em julho de 2014, a Tasty Salad Shop atuava em sistema de self-delivery. O consumidor ia até o endereço apenas para buscar o pedido. “Recebíamos as encomendas até às 11h e preparávamos para serem retirados na unidade ou então os entregávamos à pé. Mas, à medida que os pedidos começaram a aumentar, os clientes iam buscar na loja e queriam consumir os alimentos no próprio ambiente”, lembra Rodrigo. 

A primeira unidade então foi preparada para melhor receber os clientes, padrão seguido por todas as outras lojas da marca. Sem saber, ao alterarem o plano de negócio inicial, após testarem uma estratégia inicial sem os resultados esperados de satisfação, Patrícia e Rodrigo fizeram o que o universo das startups chamam de pivotar. Apesar da aceitação do produto, não era oferecido no formato que agradava a maioria dos clientes. “Inclusive a Tasty começou a receber comparações com estabelecimentos semelhantes de Paris e Londres, por exemplo, que nos serviram de inspiração lá atrás.”

Quinta unidade testa novo padrão 

A Tasty Salad Shop inaugurou a quinta loja da marca – e quarta franqueada – recentemente, na Rua Comendador Araújo. Além desta e da primeira unidade, as demais estão na Rua Moysés Marcondes, no ParkShopping Barigüi e no Shopping Estação. A loja tem novidades que devem ser adotadas em breve por todas as outras. Por enquanto, apenas neste novo endereço, o cardápio agrega itens de café da manhã. Com isso, o horário foi estendido, ao invés de abrir às 11h30, como as irmãs, ela funciona das 8h às 19h (segunda a sexta) e das 9h às 15h (sábados). Em todas o horário de fechamento é o mesmo. 

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/04/27/Economia/Imagens/Cortadas/tasty salas 14jc-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Nova loja na Rua Comendador Araújo, em Curitiba, tem cardápio que agrega itens de café da manhã.Jonathan CamposGazeta do Povo

Mais duas lojas estão previstas para serem inauguradas no segundo semestre de 2018, com possibilidade de avançar as divisas do Paraná. A estimativa é fechar o ano com faturamento 40% maior do que o obtido entre julho de 2014 e dezembro de 2017, quando a Tasty Salad somou R$ 5,730 milhões. 

LEIA TAMBÉM: Quer abrir um negócio? Conheça as franquias que receberam o selo de excelência da ABF

Raio - X da franquia 

Investimento inicial: R$ 350 mil.

Taxa de franquia: R$ 45 mil.

Capital de giro: R$ 25 mil.

Capital de instalação: R$ 150 (marcenaria) + R$ 130 equipamentos.

Faturamento médio: R$ 130 mil.

Área mínima: 45 metros quadrados (shopping) e 70 metros quadrados (rua).

Funcionários: 6 a 12.

Prazo de contrato: Mínimo de 5 anos.

Royalties: 6% sobre o faturamento.

Previsão de retorno do investimento: 28 a 36 meses.

Média de lucro mensal: 10%.


Informações são coletadas em órgãos públicos e podem ser bastante úteis para quem está abrindo um negócio ou com planos de expansão e quer conhecer melhor concorrência 😉 //bit.ly/2qRZ3y5 #Empreendedorismo

Publicado por Vida Financeira e Emprego em Segunda, 23 de abril de 2018

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE