Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Microempreendedor Individual

Personal trainer não pode mais ser enquadrado como MEI. Veja alternativas

Atividade de personal trainer foi excluída do MEI, em 2018. Profissionais têm até o fim do ano para buscar uma alternativa

  • Naiady Piva
Personal trainer não pode mais ser enquadrado como MEI | Ivonaldo AlexandreGazeta do Povo/Arquivo
Personal trainer não pode mais ser enquadrado como MEI Ivonaldo AlexandreGazeta do Povo/Arquivo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O profissional de educação física que trabalha como personal trainer não pode mais ser enquadrado como Microempreendedor Individual. Quem é MEI como personal tem até o fim de 2018 para pedir o desenquadramento no Portal do Simples Nacional. E encontrar uma alternativa, que pode ser trabalhar como autônomo ou abrir uma empresa.

LEIA TAMBÉM: Veja o que muda no MEI em 2018

A mudança foi aprovada na resolução 137/2017 do Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN), e passou a valor em 1.º de janeiro de 2018. Além de personal trainer, as atividades de arquivista de documentos, contador e técnico contábil também foram excluídas do MEI. 

O analista Wellington Mota, da consultoria contábil Confirp, considera que o CGSN fez uma adequação na legislação, ao excluir as três atividades. Isto porque "nenhuma profissão regulamentada é permitido no MEI, porque o MEI é empresário". 

Mas a mudança não foi bem recebida pela categoria, já que o MEI permite ao profissional uma carga tributária muito inferior à de uma empresa do Simples. Menor, inclusive, do que a do profissional autônomo. 

Alguns conselhos regionais de Educação Física, como o da Bahia e do Distrito Federal, manifestaram repúdio à mudança e buscaram autoridades, para tentar reverter a decisão. E reenquadrar o personal trainer como uma atividade permitida pelo MEI. 

Em 2017, o valor mensal pago pelo Microempreendedor Individual foi de R$ 51,85. Quem for migrar para o Simples Nacional pode sofrer um reajuste de mais de 1.300%. O valor considera o antigo teto do MEI, de R$ 5 mil mensais. 

Em resumo: quem é personal trainer e trabalha como MEI tem até dezembro para pedir desenquadramento no Portal do Simples Nacional. Para 2019, será preciso buscar uma alternativa. A melhor opção é procurar um contador e estudar qual o melhor caminho, sem deixar para a última hora.

Veja as alternativas para trabalhar como personal trainer

Autônomo 

Uma opção é trabalhar como profissional autônomo, que não estabelece vínculo empregatício com o contratante. Neste caso, o pagamento é feito pelo Recibo de Pagamento Autônomo (RPA), cuja emissão é de responsabilidade do contratante. 

A RPA vem com o desconto do INSS (11%) e do IRPF (varia conforme a tabela do imposto de renda). Além do tributo municipal ISS, que varia de 0% a 5%, conforme a cidade. 

Com a remuneração de R$ 5 mil, o cálculo ficaria o seguinte: 

INSS (11%): R$ 550 

IRPF (22,5%): R$ 365,12 

Total de tributos federais: R$ 915,12 

Empresa do Simples Nacional 

Outra opção é criar uma empresa dentro do Simples Nacional, que unifica oito tributos diferentes em uma única guia. Neste caso, a alíquota depende do enquadramento da empresa. 

Para empresas enquadradas como "academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes", o imposto depende do chamado "fator R", ou seja, o percentual que a folha de pagamento representa no faturamento total da empresa. 

Se for inferior a 28%, a alíquota é de 15,50%. Quando a folha representa mais de 28%, a taxa cai para 6%. Quem ganha R$ 5 mil por mês, por exemplo, vai pagar R$ 775 de imposto, no primeiro caso. E R$ 300, no segundo. 

Outro enquadramento possível é o de "serviços que tenham por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual". Neste caso, a taxa é de 15,50% 

As alíquotas mudam quando a empresa passa dos R$ 180 mil anuais.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE