Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Empreendedorismo

Por que ter uma cervejaria artesanal é tão caro? Esse é um dos principais motivos

Mesmo pequenas para os padrões industriais, as cervejarias “artesanais” pagam impostos de “gente grande”. O que influencia inclusive o preço para o consumidor final

  • Naiady Piva
Micro e pequenas cervejarias podem aderir ao Simples Nacional, a partir de 2018. | Albari Rosagazeta do povo
Micro e pequenas cervejarias podem aderir ao Simples Nacional, a partir de 2018. Albari Rosagazeta do povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Há um mito de origem comum no mundo das cervejas artesanais que é assim: o cara começa a produzir por hobby, na garagem de casa; começa a distribuir garrafas para os amigos e descobre que dá para vender. Quando vê, tem um negócio na mão. Mas, detalhe: uma microcervejaria é uma indústria, o que significa enfrentar uma carga tributária robusta. Uma novidade é que, a partir de 2018, o Simples Nacional passa a aceitar essas empresas. Se isso vai facilitar a vida do empresário (ou baratear o preço para o consumidor), aí é outra história.

QUER SABER MAIS sobre o mercado das micro e pequenas cervejarias? Ouça o podcast # 14 de Vida Financeira

Pela regra antiga, produtores de bebidas alcoólicas (e até de cervejas sem álcool) eram proibidos de adotar o Simples. A partir do ano que vem, estão liberadas, além das micro e pequenas cervejarias, as micro e pequenas vinícolas, destilares e os produtores de licores.

A inclusão no regime era uma demanda antiga dos cervejeiros, pela característica dos negócios. Em geral são produções pequenas, que começam de forma artesanal, mas que pagam impostos "de gente grande". 

O efeito disso é uma alta taxa de mortalidade das empresas. "Há esta visão míope do mercado de que 'está na moda'. Sim, é um setor que está crescendo, mas não significa que seja de maneira saudável. E isso é ruim para a cadeia como um todo", explica o presidente da Associação das Microcervejarias do Paraná (Procerva), Richard Buschmann. O estado é conhecido como um "polo cervejeiro". 

Leia tambémCuritiba é a capital da cerveja artesanal no Brasil. Entenda o porquê

A Abracerva, que acompanhou junto ao Sebrae a aprovação da nova lei, considera que o texto aprovado "ainda precisa de alguns aperfeiçoamentos. O principal deles é a inclusão, no Simples, da chamada substituição tributária, imposto que a indústria paga na fonte, no lugar do bar ou do revendedor, lá na ponta. 

Isso é especialmente um problema na hora de vender para outros estados, segundo o presidente da Abracerva, Carlo Lapolli. Isto porque tem que pagar duas vezes o ICMS. Ele, que é de Santa Catarina, cita o exemplo de uma garrafa sua que sai por R$ 13,90 para o bar. No Paraná, o mesmo produto sai por R$ 21, por causa da duplicidade de imposto. 

Mesmo o ICMS local é um grande vilão. Richard Buschmann, que além de presidir a Procerva é fundador da Bastards, explica que, até 2015, o setor tinha uma redução no imposto, no Paraná. Pagava 12% (atualmente está em 29%). "É uma renúncia fiscal que é tão pouco para o estado, e ajuda tanto as cervejarias. Não faz sentido não ter este desconto". 

A Abracerva também considera baixo o limite de faturamento imposto pelo Simples. Mesmo com a ampliação do teto de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões, que passa a valer em 2018. "A gente levou para a Câmara uma proposta de R$ 14 milhões. Porque é indústria, a gente trabalha com produtos, volumes maiores; não está no mesmo patamar de um bar, uma padaria", explica o presidente da entidade. 

Na prática, as pequenas cervejarias acabam arcando com mais imposto do que as gigantes, que faturam na casa dos muito milhões. "Elas têm muitos incentivos fiscais que a artesanal não tem. Inclusive pelo benefício fiscal do refrigerante, que é concedido para quem fabrica na Zona Franca de Manaus e eles aproveitam na cerveja". destaca Carlo Lapolli. 

Brew Pubs podem se beneficiar 

Das cerca de 650 micro e pequenas cervejarias mapeadas pela Abracerva em todo o Brasil, a estimativa é de que apenas 10% possam se beneficiar da inclusão no Simples Nacional. Justamente a parcela representada pelas chamadas Brew Pubs, que fabricam e vendem as cervejas no mesmo estabelecimento. 

Para as cervejarias descobrirem se vale ou não à pena aderir ao Simples, a regra é a mesma que vale para todas as empresas: colocar na ponta do lápis. Buscar um consultor, um contador, se necessário, e avaliar se vale a pena migrar ou não. 

De qualquer forma "é melhor ter do que não ter" a alternativa de aderir ao Novo Simples, avalia o coordenador de políticas públicas do Sebrae Paraná, Luiz Marcelo Padilha. 

Padilha também espera que a inclusão no novo Simples fomente a formalização das cervejarias. Pela característica do negócio, de muitas vezes começar sem intuitos comerciais, muitas empresas começam nos fundos de casa, literalmente. Na hora de formalizar é importante atentar para uma série de questões, como a tributação e as exigências do zoneamento municipal para abertura de uma indústria.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/10/27/Economia/Imagens/Cortadas/Industria Empreender - HM (4)-ID000002-1200x800@GP-Web.JPG
Sócios da Bastards Brewery, cervejaria que fica em Pinhais.Henry MilleoGazeta

A possibilidade de aderir a um regime de tributos simplificado pode atrair estes novos empresários para a formalidade. Mas, para quem está neste caminho, Richard Buschmann, da Bastards e da Procerva, tem um recado: 

"Saber quais são os passos antes de se aventurar nesta jornada do empreendedorismo. Para evitar de errar o local [e escolher um imóvel que não pode receber uma indústria], quais licenças tirar, como fazer a consulta sobre qual o melhor tamanho. [A gente diz isso] para ajudar as pessoas a não se frustrarem. Dá um balde de água fria para não começar no impulso" 

Quer saber mais sobre o mercado das microcervejarias? Ouça o podcast #14 de Vida Financeira:

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE