Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Eadbox

Startup de Curitiba recebe aporte de R$ 4 mi e quer dominar EAD na América Latina

Especializada na comercialização de software para ensino à distância, Eadbox recebeu aporte da gestora de fundos Bzplan, de Santa Catarina

  • Naiady Piva
Nilson Filatieri, CEO da Eadbox, startup que vende softwares para ensino a distância | DivulgaçãoEadbox
Nilson Filatieri, CEO da Eadbox, startup que vende softwares para ensino a distância DivulgaçãoEadbox
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A startup curitibana Eadbox acaba de receber um aporte de R$ 4 milhões da Bzplan, gestora de fundos de Santa Catarina. Boa parte do dinheiro deve ser investido na tecnologia. A Eadbox desenvolve um software que permite a pessoas e empresas ofertarem cursos de ensino à distância. Entre as novidades, a empresa quer ofertar aulas offline, para aumentar o tempo de permanência dos alunos. Entre as metas, está a de dominar este mercado na América Latina.

"Vimos que há um gap no mercado de muitos alunos que começam a estudar e não terminam. Boa parte deste recurso a gente vai investir em inovações tecnológicas para melhorar isso", explica Nilson Filatieri, CEO da Eadbox. O aplicativo mobile, onde o estudante vai poder ver as aulas de forma offline, sem consumir dados do celular, é um dos principais planos. 

A startup, que hoje emprega 102 funcionários, também pretende investir na sua equipe de vendas. É o que deve acelerar a expansão internacional. Hoje há um time de oito pessoas, oriundos do México, Colômbia e Peru que trabalham vendendo a plataforma para toda a América Latina. 

A Eadbox expandiu rapidamente nos últimos dois anos, quando passou a vender a plataforma para grandes empresas, como Renault e Bematech. São clientes que não têm objetivo de lucrar com a venda de cursos. E sim de treinar seus funcionários.  A empresa comercializa softwares com força total desde o final de 2012, quando mudou o modelo de negócios.

"Elas queriam um software para treinar as equipes e ter uma eficiência nos processos de treinamento e gestão, otimizar conteúdos que eles já produziam", explica Filatieri. Este novo nicho ajudou a empresa a segurar um crescimento de 511% nos últimos três anos, entre 2014 e 2017. 

Clientes tradicionais 

Além disso, a Eadbox tem um público mais "tradicional", de pequenas escolas técnicas e empresas de consultoria. Em geral são pequenas empresas que já ofertam cursos no modelo presencial e querem migrar para o online para sobreviver ou crescer mais rapidamente.

Algumas migraram o conteúdo presencial para o online, outras usam a plataforma como suporte. Uma consultoria de cinco dias para uma empresa, por exemplo, passa a ser ofertada em dois dias pesenciais mais um conjunto de tarefas a serem realizadas no ambiente virtual. 

E novos perfis 

Novos mercados também têm surgido. Nos últimos meses, a Eadbox passou a atender empresas lançando suas próprias certificações. Como a fintech Conta Azul, de Joinville, que certifica gestores de microempresas. "Porque se o público dele sabe usar e gerenciar bem o negócio, ele vai ser um bom usuário do produto dele". 

Outro segmento são os Youtubers. Pessoas que fazem sucesso em seu canal e, em paralelo, vendem um curso para complementar a renda. 

Diferenciais de mercado

A Eadbox compete em dois mercados distintos, cada um com seus concorrentes. Na venda para empresas, compete com softwares tradicionais de produção e publicação de aulas online. "Ainda são muito atrasados", argumenta Nilson, que garante entregar uma solução mais leve, barata e prática, com funcionamento similar ao de um email. 

Já na venda de cursos online, a competição é com outras startups. A Eadbox, defende seu CEO, é a "mais evoluída em termos de tamanho de empresa e de qualidade de produto e de serviço". 

"A empresa vem crescendo a números muito superiores aos da média do mercado", avalia Marcelo Wolowski, sócio-diretor da Bzplan. "E eles estão num mercado muito grande que é o de educação". 

A gestora aportou os R$ 4 milhões na Eadbox com recursos de um fundo voltado para inovação, em parceria com a Fir Capital. A busca é por empresas na região Sul do país, com foco em tecnologia da informação e um modelo de negócios baseado no chamado B2B (empresas que vendem para outras empresas). 

Outra coisa que chamou atenção da gestora foi a equipe de sócios da Eadbox. Formada por Nilson, CEO e focado no crescimento do produto; Jeferson Rodrigo, nas vendas para grandes empresas; Rafael Gaspar, da área de tecnologia; e Hernan Orti, diretor de operações.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE