Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Economia

Fechar
PUBLICIDADE

eletrodomésticos

Mabe fecha fábrica e pede recuperação judicial no Brasil

A companhia sofria problemas de liquidez e está com produção interrompida há três semanas nas três fábricas no País

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A Mabe Brasil, terceira fabricante de eletrodomésticos do País e dona das marcas Dako, GE e Continental, entrou nesta sexta-feira (04) com pedido de recuperação judicial. A empresa anunciou também o fechamento da unidade de Itu, no interior de São Paulo, que fabrica lavadoras. A companhia sofria problemas de liquidez e está com produção interrompida há três semanas nas três fábricas no País.

"A medida foi tomada devido a problemas de liquidez. A intenção da empresa é reestruturar sua operação, tornar-se viável no Brasil e cumprir os compromissos adquiridos com consumidores, fornecedores, empregados e autoridades", disse a Mabe, em comunicado.

A Mabe Brasil nasceu da fusão da GE Dako com a área de refrigeração da CCE, em 2004. Controlada pelo grupo mexicano Mabe, a empresa vinha sofrendo mais do que suas concorrentes com o desaquecimento das vendas de produtos de linha branca neste ano, disse ao Estado uma fonte do setor.

Executivos da companhia admitiram a representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região no início do ano que estavam negociando com fornecedores prazos mais alongados para pagamentos, disse o presidente da entidade, Jair dos Santos.

"Depois disso, começou a faltar matéria-prima nas fábricas para um ou outro produto. Até que na semana retrasada, a empresa pediu para os funcionários das três fábricas ficarem em casa", lembrou Santos.

Os trabalhadores de Itu foram demitidos ontem. Segundo o sindicato, são cerca de 1,2 mil pessoas. O temor é que novas demissões ocorram nas outras unidades, localizadas em Hortolândia e Campinas, onde trabalham cerca de 3 mil pessoas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais