Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

inovação

Mitsubishi apresenta novo carro elétrico

  • Cinthia Scheffer
O Miev poderá ser recarregado em tomadas de 110 e 220 volts |
O Miev poderá ser recarregado em tomadas de 110 e 220 volts
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A Mitsubishi apresentou ontem em Curitiba o Miev, primeiro carro totalmente elétrico da montadora. Ele já é fabricado e comercializado no mercado asiático e chega à Europa e aos Estados Unidos em outubro. No Brasil, no entanto, segundo o diretor de Enge­nharia, Reinaldo Muratori, ainda não há viabilidade econômica para venda em grande escala, já que ele custaria hoje cerca de R$ 120 mil.

"Os impostos no Brasil são muito altos e comercializá-lo a esse preço seria inviável. Queremos chegar a um valor no qual seja possível popularizar a tecnologia no país", diz Muratori, estimando um preço ideal entre R$ 50 mil e R$ 60 mil. No Japão, o carro é vendido por US$ 30 mil. A expectativa da montadora é de que ele chegue ao Brasil em 2012, para frotas de empresas, e no ano seguinte ao varejo brasileiro. "Isso se nós avançarmos e o governo federal fizer a parte dele", afirma o diretor.

As montadoras de forma geral pedem incentivos fiscais aos veículos híbridos e totalmente elétricos, como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto de Importação. Um primeiro passo deve ser dado nos próximos dias, quando o governo deve anunciar os detalhes de um programa de incentivo para o segmento, que inclui a redução da alíquota de IPI dos atuais 25% para uma faixa entre 7% e 18% (de acordo com a cilindrada).

A Mitsubishi também in­­veste no desenvolvimento de baterias mais baratas, já que elas representam hoje o maior custo do automóvel – em 10 anos, a estimativa é que o gasto caia pela metade. Pelos cálculos apresentados pela montadora ontem, o custo por quilômetro rodado com energia elétrica é de cerca de 3 centavos, enquanto para a gasolina e álcool a despesa chega a 22 centavos – com base nos valores praticados em São Paulo há cerca de dois meses.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE