Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

negócios

Em busca de custos baixos, IBM faz da Índia a sua segunda casa

Giganta de tecnologia tem mais funcionários na Índia que nos EUA. Ela foi em busca de uma força de trabalho de baixo custo, com capacidade técnica e que fala inglês

  • New York Times
Escritório da IBM em Bangalore, Índia. Empresa tem mais funcionários na Índia  que nos EUA | Philippe Calia/NYT
Escritório da IBM em Bangalore, Índia. Empresa tem mais funcionários na Índia que nos EUA Philippe Calia/NYT
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A IBM dominou as primeiras décadas da computação com invenções como o mainframe e os disquetes. Seus escritórios e fábricas, que iam de Nova York à Califórnia, foram centros de inovação nos Estados Unidos muito antes de a Microsoft e o Google aparecerem. Mas, ao longo da última década, a IBM mudou seu foco para a Índia, tornando o país um exemplo de alta tecnologia e da tendência de globalização combatida pelo governo Trump.

LEIA MAIS - O desafio da centenária IBM no Brasil: difundir a inteligência artificial

A empresa emprega 130 mil pessoas na Índia – cerca de um terço do total de sua força de trabalho, e mais do que em qualquer outro país. O trabalho abrange toda a gama de negócios da companhia, desde gerenciar as necessidades de computação de gigantes como a ATeT e a Shell até realizar projetos de ponta em campos como pesquisa visual, inteligência artificial e visão computadorizada para carros sem condutor. Uma equipe está até mesmo trabalhando com os produtores de “Vila Sésamo” para ensinar vocabulário às crianças de jardim da infância em Atlanta.

“A IBM na Índia, no sentido mais verdadeiro, é um microcosmo da empresa”, disse em uma entrevista Vanitha Narayanan, presidente das operações indianas da companhia, na sede principal da IBM em Bangalore, onde as torres de escritórios têm nomes de campos de golfe norte-americanos, como Peachtree e Pebble Beach.

O trabalho na Índia tem sido vital para manter os custos baixos na IBM, que registrou 21 trimestres consecutivos de queda de receita, enquanto luta para remodelar seu negócio principal de fornecer serviços tecnológicos para corporações e governos.

A indústria de tecnologia tem levado os postos de trabalho para o exterior há décadas, e outras grandes companhias norte-americanas como a Oracle e a Dell também empregam a maior parte de seus funcionários fora dos Estados Unidos.

IBM tem mais funcionários na Índia que nos EUA

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/10/11/Economia/Imagens/Cortadas/IBM_GOEL_BSPR_3 (2)-835-khdD-ID000002-1024x576@GP-Web.jpg
130 mil pessoas trabalham para a IBM na Índia. Nos EUA, número não chega a 100 mil. Philippe Calia/NYT

Mas a IBM é incomum porque emprega mais pessoas em um único país estrangeiro do que em casa. As vagas da companhia na Índia quase dobraram desde 2007, mesmo que sua força de trabalho tenha diminuído por causa de ondas de demissões e aquisições. Embora a IBM se recuse a fornecer números exatos, observadores de fora estimam que ela empregue menos de 100 mil pessoas em seus escritórios nos Estados Unidos. Em 2007, eram cerca de 130 mil. Dependendo do emprego, os salários pagos aos trabalhadores indianos vão de metade a até um quinto do que ganham os americanos, segundo dados publicados pela firma de pesquisa Glassdoor.

Ronil Hira, professor associado de Políticas Públicas da Universidade Howard que estuda globalização e imigração, diz que a gama de trabalhos realizados pela IBM na Índia mostra que esse deslocamento ameaça até mesmo os empregos que melhor pagam nos Estados Unidos. “As elites dos dois partidos ouviram essa narrativa do iPhone da Apple, que é, veja, tudo bem se a gente deslocar as vagas de baixo nível porque aqui estamos indo mais para o alto. Este é um grito de alerta. Não são apenas os empregos em cargos menos importantes, mas os de alto nível que estão saindo do país”, afirma.

Empresa entrou na mira de Donald Trump

Enquanto outros titãs da tecnologia estabeleceram imensas sedes satélites na Índia, a IBM chamou a atenção do presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Em um comício de campanha em Minneapolis, logo antes da eleição de novembro, ele acusou a empresa de demitir 500 pessoas da cidade e transferir suas vagas para a Índia e para outros países, uma afirmação que a IBM negou.

Embora não tenha criticado a empresa desde então, Trump tentou conter o que via como muitos estrangeiros pegando os empregos de tecnologia dos norte-americanos. Em abril, assinou uma ordem executiva que desencoraja a concessão de vistos H-1B, de trabalho temporário, para vagas de tecnologia com menores salários, sendo que a maioria das pessoas que as ocupam vem da Índia. A IBM era a sexta maior destinatária desse tipo de visto em 2016, segundo dados federais.

A IBM, sediada em Armonk, Nova York, é sensível à percepção de que os americanos estão perdendo seus empregos para os indianos. Depois que Trump venceu a eleição, a executiva-chefe da empresa, Ginni Rometty, prometeu criar 25 mil vagas nos Estados Unidos. Rometty, que ajudou a concretizar a estratégia de expansão na Índia quando era chefe da divisão de serviços globais da IBM, também discutiu com a nova administração planos para modernizar a tecnologia do governo e expandir o treinamento de tecnologia para pessoas sem diplomas universitários. Ela também participou dos agora extintos conselhos consultivos de negócios de Trump.

Rometty e outros executivos da IBM não quiseram dar entrevistas. Mas a empresa afirmou que está investindo nos Estados Unidos, colocando US$ 1 bilhão em programas de treinamento e abrindo novos escritórios.

Índia tem profissionais qualificados e baratos

Narayanan, que passou 12 anos trabalhando na IBM dos Estados Unidos e da China antes de se mudar para a Índia em 2009, diz que a empresa decidiu onde abrir vagas com base no local onde poderia encontrar trabalhadores qualificados em número suficiente e dentro do orçamento de seus clientes. “Não é como se alguém chegasse e dissesse: ‘Ah, me deixe pegar esses empregos e colocá-los em outro lugar’”, afirma ela.

William Lazonick, professor de Economia da Universidade de Massachusetts, em Lowell, que estudou a globalização dos negócios, diz que a IBM e outras empresas de tecnologia se beneficiaram muito do crescimento, na Índia, de uma força de trabalho de baixo custo, com capacidade técnica e que fala inglês. “A IBM não criou isso. Mas seria uma empresa totalmente diferente se não fosse a Índia”, afirma.

A IBM, que abriu seus primeiros escritórios indianos em Mumbai e em Deli em 1951, está hoje espalhada pelo país, com operações em Bangalore, Pune, Calcutá, Hyderabad e Chennai. A maioria dos funcionários indianos trabalha para o negócio principal da IBM: ajudar empresas como a ATeT e a Airbus a gerenciar o lado técnico de suas operações. Os indianos realizam serviços de consultoria, escrevem softwares e monitoram sistemas de computador na nuvem para a maioria dos bancos, empresas de telefonia e governos do mundo.

A imensa presença da IBM na Índia é ainda mais impressionante dado que ela deixou o país totalmente em 1978 depois de uma disputa com o governo sobre regras de propriedade para estrangeiros. A empresa voltou à Índia por meio de uma associação com a Tata em 1993, inicialmente com a intenção de montar e vender computadores pessoais. Seus líderes, no entanto, rapidamente decidiram que o potencial da Índia era muito maior – tanto por causa de seu mercado quanto para funcionar como base de onde atender clientes em todo o mundo.

A empresa assumiu o controle total do negócio, estabeleceu uma sucursal de seus famosos laboratórios de pesquisa no país e, em 2004, conseguiu fechar um contrato histórico de dez anos e US$750 milhões com a Bharti Airtel, uma das maiores companhias de telefonia da Índia, que permanece seu maior cliente.

O executivo-chefe da IBM na época, Samuel J. Palmisano, ficou tão orgulhoso de sua iniciativa na Índia que alugou o Palácio Bangalore em junho de 2006, levou o conselho, e contou para uma multidão de dez mil pessoas que a IBM investiria US$6 bilhões na Índia nos três anos seguintes.

Índia é também um cliente em potencial

A Índia não apenas oferece serviços aos clientes globais da IBM. O país também é um mercado crucial e o centro dos esforços da empresa para ajudar os negócios a servir à próxima grande fatia de clientes: os bilhões de pessoas pobres que têm sido amplamente ignoradas pela revolução tecnológica. As equipes locais vêm, por exemplo, aplicando a tecnologia da IBM para processar pequenos empréstimos para que os bancos possam lucrar com eles.

A IBM também vem trabalhando com os Hospitais Manipal, uma cadeia com sede em Bangalore, para adaptar a plataforma de inteligência artificial Watson para ajudar os médicos a tratar alguns tipos de câncer. Alimentado com o histórico médico de um paciente, o sistema acessa um banco de dados que inclui conselhos de outros profissionais do Centro de Câncer Sloan Kettering de Nova York para recomendar os melhores tratamentos – incluindo o preço, uma consideração importante já que a maioria dos indianos não tem seguro de saúde.

O doutor Ajay Bakshi, executivo chefe do Manipal, diz que o maior potencial para a tecnologia está em hospitais rurais com poucos médicos. O Manipal começou a oferecer “segundas opiniões” on-line do Watson por duas mil rúpias, ou US$31. “Ele nunca dorme, nunca esquece. Não é tendencioso”, afirma. Os executivos da IBM dizem que projetos como esse representam o futuro da empresa. “Quero que a Índia se torne um centro de inovação acessível”, explicou Narayanan.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

  1. 90% as pessoas que trabalham ou já trabalharam lá recomendariam a empresa a um amigo. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo

    20 cargos

    Do aprendiz ao gerente: quanto ganham os funcionários do Itaú

  2. De acordo com a análise da Michael Page, o “arquiteto de bebês” será um especialista no genoma humano. |

    Até 2030

    9 profissões que serão essenciais no futuro (a maioria ainda nem existe)

  3.  | Antônio More/Gazeta do Povo

    TELECOMUNICAÇÕES

    Como a Oi, uma empresa de 63 milhões de clientes, entrou em crise?

PUBLICIDADE