Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

crise

Uma das maiores redes de farmácias do país entra com pedido de recuperação judicial

Brasil Pharma é dona das drogarias Farmais, Farmácia Sant’Ana, Rosário e Big Ben e tem 88 lojas próprias e 430 franquias em três estados do país

  • Da Redação
  • Atualizado em às
BR Pharma tem 288 lojas próprias e 430 franquias  nos estados da Bahia, Paraná e Pernambuco  das marcas Farmais, Farmácia Sant’ana, Rosário e Big Ben | Reprodução/Facebook
BR Pharma tem 288 lojas próprias e 430 franquias nos estados da Bahia, Paraná e Pernambuco das marcas Farmais, Farmácia Sant’ana, Rosário e Big Ben Reprodução/Facebook
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Brasil Pharma, uma das maiores redes farmacêuticas do país, entrou com pedido de recuperação judicial nesta quarta-feira (10). A empresa é dona das drogarias Farmais, Farmácia Sant’Ana, Rosário e Big Ben, tem 288 lojas próprias e 430 franquias nos estados da Bahia, Pará e Pernambuco e emprega mais de 4,5 mil pessoas. O pedido será analisado pelo juízo da vara de falências de São Paulo. A companhia acumula prejuízo de R$ 1,5 bilhão e tem mais de 15 mil credores.

O grupo já estava em crise e passou recentemente por um processo de reorganização societária, mas não obteve êxito em suas ações e precisou entrar em recuperação judicial. A BR Pharma pertencia ao BTG Pactual, que fez uma limpeza do seu portfólio de investimento e vendeu o controle da companhia ao empresário Paulo Remy, sócio da construtora WTorre, por um valor simbólico de R$ 1.

Com isso, o BTG se tornou um dos principais credores da BR Pharma. Segundo noticiou o jornal Valor Econômico, Remy vinha pedindo para os credores, em especial o BTG, aportar novos recursos na companhia para capital de giro (dinheiro usado no dia a dia da empresa), pois sem esse aporte a empresa não conseguiria sobreviver e precisaria entrar em recuperação judicial.

Os aportes não vieram e a BR Pharma entrou com o pedido nesta quarta-feira (10). No documento, a empresa afirma que a crise que afetou o Brasil nos últimos anos atingiu – e de forma impactante – o grupo, com declínio no volume de vendas. A empresa também diz que o controle de preços sobre a maioria dos produtos comercializados limitou suas margens de lucros e que os investimentos feitos para adquirir e integrar novas redes de farmácias aumentaram a dívida da empresa. O grupo foi criado em 2009 e fez a aquisição de, pelo menos, seis farmácias regionais.

A empresa acumula prejuízo de R$ 1,52 bilhão até novembro de 2017 e tem dívidas com mais de 15 mil credores. O seu principal credor individual é o BTG, que tem R$ 984,3 milhões a receber. O Banco IBM tem R$ 22,2 milhões a receber. Entre os outros credores estão indústrias farmacêuticas, fonercedores em gerais, bancos, empresas públicas e funcionários.

A empresa é, segundo o último ranking da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), o sexto maior grupo farmacêutico do país.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE