PUBLICIDADE
IBGE

Pnad indica redução da tendência de miscigenação

Entre 2009 e 2011, houve queda na participação de pessoas que se declaram pardas e aumento dos autodeclarados pretos

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) indica uma inversão da tendência histórica de aumento da afirmação da miscigenação na população brasileira. Entre 2009 e 2011, houve queda na participação de pessoas que se declaram pardas e aumento dos autodeclarados pretos.

Juntos, pretos e pardos se tornaram maioria no País a partir de 2008, segundo o IBGE. No entanto, os pardos continuavam crescendo até a última pesquisa, de 2009. Em 2011, houve aumento de 1,4 ponto porcentual dos pretos e redução de 0,4 ponto para brancos e de 0,9 ponto da população parda. Para especialistas ouvidos pela reportagem, é óbvia a influência de políticas afirmativas. No País, o maior contingente de pessoas que se declaram pretas está no Nordeste (10,5%). Já o de pardos fica na região Norte (67,9%) e o de brancos, no Sul (77,8%).

"O que há de novo é o crescimento especificamente do preto em detrimento do pardo. O brasileiro não é burro. Isso vem acontecendo numa proporção exatamente simétrica à expansão das políticas de ação afirmativa fundadas no conceito de raça", avalia o professor da UFRJ Manolo Florentino, do departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS). "No final das contas, vamos acabar tendo uma sociedade bicolor."

O economista Claudio Moura Castro e o sociólogo Simon Schwartzman concordam com a avaliação de que há influência de políticas afirmativas e campanhas de valorização da identidade étnica. "A definição de cor é muito volátil. Se fizerem cota para branco, vai aumentar a proporção de branco", diz Castro. Para ele, a explicação "mais óbvia" para a queda de pardos é a questão da identidade. Schwartzman avalia que, apesar de as cotas também beneficiarem os pardos, há uma campanha do movimento negro no sentido de que as pessoas se declarem pretas, e não pardas. "Assim, a dúvida não se instaura", completa Florentino.

O professor da UFRJ afirma que a tendência histórica verificada ao longo do século 20 era de "extinção" da categoria preto e de crescimento dos pardos, lembrando que, a rigor, pardos são também a mistura de brancos com indígenas. Ou seja, uma afirmação da miscigenação. "Agora, temos uma reversão disso. Ao invés de afirmar-se a miscigenação expressa através do crescimento do pardo, o que está se afirmando é a bipolarização da sociedade com o crescimento dos pretos", diz Florentino.

O professor da UFRJ considera válido o IBGE perguntar a cor e não a origem étnica. "Já se tentou pela origem étnica, o padrão americano, e isso redundou em respostas que majoritariamente apontavam para nacionalidade", diz.

A Pnad mostra que, da população desocupada no País em 2011, 57 6% eram pretos ou pardos. O porcentual aumentou em relação a 2009, quando era de 56,2%.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO