Pós e Carreira

Fechar
PUBLICIDADE

emprego

LinkedIn cresce como ferramenta de recrutamento nas empresas

Perfil profissional digital bem elaborado é via de mão dupla na hora de procurar uma recolocação

 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Em tempos de mídias sociais, o trabalho dos recrutadores à procura de talentos deixou de ser passivo, de anúncio de vaga e espera de currículos e indicações, e passou para a busca ativa, com aplicação de filtros e acesso a profissionais que atuam em outras empresas. Focado em conectar pessoas entre si e com as empresas, a rede social profissional LinkedIn vem desenvolvendo novas soluções de recrutamento e se tornou braço direito dos gestores de recursos humanos de grandes empresas, além de alertar os usuários sobre oportunidades de trabalho.

Com 21 milhões de usuários no Brasil, a rede atende a mais de 700 empresas no país, incluindo, por exemplo, Johnson & Johnson – que no último ano contratou 385 pessoas pelo LinkedIn –, e Whirlpool, dona das marcas Brastemp, Consul e KitchenAid. Além da solução de anúncio de vagas com ajuda do sistema para que sejam exibidas diretamente aos candidatos que possam se interessar, a rede oferece aos clientes corporativos uma ferramenta de busca chamada Recruiter, que permite que os recrutadores apliquem filtros e encontrem profissionais cujo perfil se adeque às exigências da vaga, seja em nível de escolaridade, localização ou área de atuação.

O recrutador tem a chance de buscar o melhor profissional daquela área sem se restringir às pessoas que estão procurando emprego ou que o fizeram recentemente, como acontece nos sites da área.

Milton Beck diretor de soluções de talentos do LinkedIn

“O recrutador tem a chance de buscar o melhor profissional daquela área sem se restringir às pessoas que estão procurando emprego ou que o fizeram recentemente, como acontece nos sites da área. Isso é valiosíssimo”, diz Milton Beck, diretor da área de Soluções de Talentos do LinkedIn para a América Latina.

Segundo a pesquisa Tendências de Talentos 2015,publicada pelo LinkedIn em maio, 77% dos brasileiros são candidatos passivos, ou seja, não estão ativamente procurando emprego, mas aceitariam conversar com recrutadores para obter mais informações sobre novas oportunidades. Entre os fatores para tomada de decisão na mudança de emprego aparecem a remuneração, melhores oportunidades de desenvolvimento e ascensão profissional, além de equilíbrio com a vida pessoal e reputação da empresa.

Na última terça-feira (23), o LinkedIn reuniu em São Paulo mais de 500 profissionais do setor de recursos humanos em um evento para discutir a inovação no sistema de seleção e a promoção da marca empregadora nas redes, atraindo novos talentos.

“É um investimento de longo prazo e intangível, nosso desafio é provar esse valor”, diz a líder de soluções de mídia para a América do Norte e América Latina LinkedIn, Jennifer Brannigan. No serviço para o candidato, segundo ela, a rede se dedica no aprimoramento de suas soluções, para garantir assertividade nos anúncios e buscas.

Especialista em recursos humanos, Sofia Esteves, fundadora e presidente do Grupo DMRH e Cia de Talentos, diz que no Brasil as empresas começam a perceber a importância de um contato constante com os profissionais e uma proposta de valor da oferta de trabalho. “É como marketing voltado para possíveis colaboradores ao invés de consumidores. Atrai os talentos com competências e valores mais compatíveis e que podem contribuir para o crescimento da empresa”, resume.

Promova seu perfil

Com recrutadores online e atentos aos perfis profissionais, manter um perfil atualizado pode garantir boas oportunidades, mesmo para quem não procura uma vaga no momento, mas está aberto a novas opções. Milton Beck e Jennifer Brannigan dão cinco dicas para manter um perfil que mostrem quem o profissional é e chamar a atenção das empresas e vagas mais compatíveis com seus valores e competências.

Segundo Jennifer, quanto mais completo for o perfil, mais facilidade o profissional tem em ser encontrado e encontrar vagas de seu interesse. “Eu mesma utilizo a rede para contratar, seolho um perfil e se não tem recomendações, foto ou habilidades, que me diz sobre ele? Para o marketing, por exemplo, quero alguém que entenda o valor de promover a própria marca”, explica.

Foto

Segundo levantamento do LinkedIn, os perfis com fotos são sete vezes mais visualizados que os demais, portanto, é importante incluir uma foto e estar atento para que seja adequada ao ambiente profissional.

Experiências

Segundo Beck, as experiências profissionais devem seguir uma lógica de pirâmide invertida, ou seja, quanto mais recente o emprego, mais detalhes sobre ele deve ter. É importante colocar não somente a empresa, cargo e período de atuação, mas também citar os feitos mais relevantes que mostram que contribuiu para o sucesso da empresa.

Atualização

Atualizar o perfil com arquivos de mídia e links sobre seus projetos atuais, publicações e assuntos relacionados à área é uma boa forma de mostrar seu trabalho a outros profissionais e recrutadores.

Palavras-chave

A busca feita pelas empresas é guiada principalmente por palavras chave, como localidade, competências, nível de escolaridade ou área de formação. Isso deve ser considerado pelo usuário ao preencher seu perfil, já que o uso dos termos corretos pode atrair oportundiades de seu interesse.

Recomendações

As recomendações de habilidades do usuário pelas pessoas a quem está conectado pode ser a melhor forma de gerar credibilidade e diferencial ao perfil.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2015/06/30/Economia/Graficos/Futuro/Linkedin networking.pdf

deixe sua opinião

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais